Minha conta
    Bom Dia, Verônica: 2ª temporada é baseada em história real?
    3 de ago. de 2022 às 15:08
    Aline Pereira
    Aline Pereira
    -Redatora | crítica
    Jornalista que ama boas histórias e combina a paixão por cinema e TV com comunicação para mergulhar ainda mais nos universos e personagens que já fazem brilhar os olhos. Pipoca, suspense, dramédia e uma pitada de reality são a receita perfeita para todos os dias.

    Continuação de Bom Dia, Verônica já estreou na Netflix; conheça a história.

    Uma das produções brasileiras de maior destaque na Netflix, Bom Dia, Verônica acaba de retornar ao streaming e, na segunda temporada da série, a protagonista interpretada por Tainá Muller tem um novo inimigo. Um dos rostos mais conhecidos das novelas brasileiras, Reynaldo Gianecchini interpreta Matias, líder religioso que promete todo tipo de cura, mas que, na realidade, se aproveita da fé de seus seguidores para cometer crimes e abusos imperdoáveis.

    Na vida real, diversos casos semelhantes aconteceram e alguns ganharam notoriedade pública, como o suposto médium João de Deus. Contudo, a nova temporada não foi totalmente baseada em um único caso específico, segundo a atriz Tainá Muller. “Não sei se o caso do João de Deus foi um norte para a série, mas a lembrança está lá. De vários casos que aparecem o tempo inteiro, de outros abusos relacionados ao jogo de poder. Referência não falta, infelizmente”, disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

    Na segunda temporada de Bom Dia, Verônica, Matias (Reynaldo Gianecchini) tem ares de "profeta" acima de qualquer suspeita. Não só porque parece profundamente dedicado a curar seus seguidores de quaisquer males, mas por ser o patriarca de uma família digna de “comercial” de margarina, formada pela esposa e pela filha, interpretada pela atriz Klara Castanho. A verdade, no entanto, é que ele se apoia em uma imagem de prestígio para abusar física e emocionalmente de suas vítimas.

    Bom Dia, Verônica tem história real?

    Na primeira temporada da série, a pesquisadora em criminologia Ilana Casoy, que autora do roteiro em parceira com o escritor Raphael Montes, contou que a criação de Brandão (Edu Moscovis) resultou de uma pesquisa sobre os métodos e motivações de diversos criminosos. Na nova história do personagem de Gianecchini também não é difícil encontrar elementos que vimos em outras histórias reais - algumas delas disponíveis em outras séries e produções documentais. Confira alguns exemplos:

    Em Nome de Deus

    Um dos mais notórios crimes brasileiros foi contado no documentário Em Nome de Deus, do Globoplay. A série conta a história do médium João de Deus, da infância à condenação por crimes sexuais - ele oferecia tratamento espiritual a centenas de mulheres e se aproveitava das consultas para abusar sexualmente delas.

    Wild Wild Country

    O caso guru indiano conhecido como Osho, abordado no documentário Wild Wild Country, da Netflix, que organizou, em volta de si, uma comunidade gigante de seguidores, os quais submetia a todo tipo de violência física e psicológica. Assim como o personagem de Bom Dia, Verônica, Osho também se aproveitava da vulnerabilidade de suas vítimas para se vender como uma pessoa com forte conexão com o mundo espiritual.

    The Vow

    Há alguns anos ficou famoso o caso da atriz Allison Mack, de Smallville, condenada pelo envolvimento com o grupo Nxivm, culto sexual que tem a história contada em The Vow, da HBO. Sob um pretexto de organização terapêutica e de autoajuda, o Nxivm não só praticava crimes sexuais, como também extorsão, tráfico e manipulação - temas também abordados na segunda temporada de Bom Dia, Verônica.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top