Minha conta
    Samuel L. Jackson acredita que merecia Oscar por Pulp Fiction: "Atores negros só vencem com papéis desprezíveis"
    Por Lucas Leone — 2 de mar. de 2022 às 20:30

    Até hoje, o intérprete de Nick Fury na Marvel foi indicado uma única vez à maior premiação do cinema.

    No dia 27 de março, durante a 94ª edição do OscarSamuel L. Jackson vai receber sua primeira estatueta dourada. No entanto, não vai ser em reconhecimento a sua atuação, e sim um prêmio honorário tradicionalmente dado a estrelas que nunca ganharam a honraria máxima da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Com mais de 150 produções em seu currículo, Jackson tem apenas uma indicação: Melhor Ator Coadjuvante pelo papel de Jules Winnfield em Pulp Fiction, clássico de 1994 dirigido por Quentin Tarantino.

    "Eu deveria ter ganhado aquele [Oscar]", afirmou o astro em recente entrevista ao jornal The Times. Naquele ano, o troféu foi para Martin Landau, que contracenou com Johnny Depp em Ed Wood, de Tim Burton.

    Filha de Uma Thurman passa longe de Pulp Fiction e só vê alguns filmes da mãe; favorito é um musical de 2005

    Jackson ainda declarou que merecia ter sido indicado antes, mais precisamente por sua performance em Febre da Selva (1991), de Spike Lee. Na cerimônia de 1992, a categoria de coadjuvante foi vencida por Jack Palance (Amigos, Sempre Amigos) e ainda incluía dois atores do filme Bugsy (Ben Kingsley e Harvey Keitel), do qual Jackson não é particularmente fã.

    "Minha esposa e eu fomos assistir Bugsy... Caramba! Eles foram indicados e eu não?", protestou ele. "Acho que atores negros só ganham o Oscar quando fazem papéis desprezíveis. Como Denzel [Washington] vencendo por interpretar um policial horrível em Dia de Treinamento. As coisas incríveis que ele fez em filmes como Malcolm X? Não – vamos dar para esse filho da p*ta no lugar dele", disparou.

    Para o intérprete de Nick Fury na Marvel, acumular prêmios não importa tanto quanto emplacar sucessos de bilheteria. "Talvez eu merecesse um, mas o Oscar não é a coisa que faz o seu salário aumentar. É sobre levar as pessoas ao cinema para te assistir, e acho que fiz um bom trabalho com isso", pontuou Jackson.

    7 artistas negros que fizeram história no Oscar

    Ao The Times, ele também defendeu o uso de termos racistas nas obras de Tarantino, argumentando que os mesmos estão inseridos em uma conjuntura histórica. "Eu acho que está tudo bem se a palavra for usada como um elemento da história, dos temas dela. Uma história de ficção é um contexto. Mas usar palavras derrogatórias só para arrancar uma risada de alguém? Isso é errado", opinou Jackson.

    Ele ainda relembrou um episódio no set de Django Livre (2012), em que atuou ao lado de Leonardo DiCaprio e novamente sob o comando de Tarantino. A trama se passa em um período anterior à abolição da escravidão nos EUA, e o astro de Titanic se incomodou com alguns dos vocábulos que apareciam no roteiro.

    Essa cena polêmica de Django Livre quase ficou de fora do filme, de acordo com Quentin Tarantino

    "Quando estávamos ensaiando, Leo disse: 'Eu não sei se consigo falar essa palavra tantas vezes em uma cena'. Eu e Quentin respondemos a ele que era preciso", contou Jackson. Trata-se da palavra "nigger", que é considerada um insulto racial gravíssimo na língua inglesa – a ponto de ficar conhecida como "the N-word" (ou "a palavra com N").

    "Sempre que alguém quer um exemplo de uso exagerado dessa palavra, eles citam Quentin, e isso é injusto. Ele está apenas contando uma história e os personagens falam daquele jeito", lamentou Jackson.

    Pulp Fiction - Tempo de Violência
    Pulp Fiction - Tempo de Violência
    Data de lançamento 18 de fevereiro de 1995 | 2h 29min
    Criador(es): Quentin Tarantino
    Com John Travolta, Samuel L. Jackson, Uma Thurman, Bruce Willis, Harvey Keitel
    Usuários
    4,6
    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top