Meu AdoroCinema
    Sweet Tooth: Quais são as principais diferenças entre a série da Netflix e a HQ da DC?
    Por Bruno Botelho dos Santos — 8 de jun. de 2021 às 12:19

    Sweet Tooth da Netflix é adaptada de uma HQ aclamada da DC, pelo selo Vertigo, e tem algumas mudanças em relação ao material original.

    Sweet Tooth é um sucesso no catálogo da Netflix, onde está em primeiro lugar de produções mais assistidas no Brasil – vale lembrar que a série é um dos maiores destaques de junho no serviço de streaming. Na história, acompanhamos Gus (Christian Convery), um menino que é metade humano e metade cervo tenta sobreviver em um mundo pós-apocalíptico com outros híbridos. 

    Para quem não sabe, Sweet Tooth é uma série de aventura, fantasia e ficção científica inspirada em uma HQ homônima aclamada da DC, pelo selo Vertigo, escrita por Jeff Lemire. A produção da Netflix é produzida por Robert Downey Jr. e Susan Downey, mas será que eles foram fiéis ao material original? Pensando nisso, o AdoroCinema separou quais foram as principais mudanças da série em comparação aos quadrinhos.

    Sweet Tooth: Qual é a origem do vírus? Entenda o grande mistério na série da Netflix
    Mudança de tom em Sweet Tooth

    Uma das maiores mudanças de Sweet Tooth na Netflix em relação ao material original foi a mudança do gênero da história. Embora os quadrinhos de Jeff Lemire tenham um forte pano de fundo de fantasia, toda a aparência da história é bem mais voltada para o terror.

    A série transforma a história de terror em um conto de fadas, reforçado pela narração de James Brolin. Com isso, os criadores queriam passam uma mensagem mais esperançosa e otimista por causa do momento conturbado que o mundo real vive em pandemia. Ainda assim, a produção não deixa de ter alguns momentos mais assustadores.

    Personagens são mais sombrios nos quadrinhos

    Para combinar com o tom mais sombrio da história em quadrinhos, os personagens de Sweet Tooth são originalmente mais sombrios do que os apresentados na série da Netflix. Gus é representado como um jovem herói na adaptação, mas na HQ ele não é tão autoconfiante assim. Além disso, a educação que recebeu de seu pai Pubba não foi tão sofisticada, então se parece mais como um garoto do interior com seu vocabulário cheio de gírias e abreviações. 

    Falando em Pubba (Will Forte), seu personagem é zelador de uma clínica médica em ambos os materiais, mas na série ele é muito mais aberto e comunicativo – atuando como um pai perfeito para o jovem Gus. Porém, nos quadrinhos, ele acabou não ficando bem com o isolamento e virou um fanático religioso que escreve suas visões apocalípticas, mesmo que continue amando Gus. 

    Tommy Jepperd (Nonso Anozie) foi bastante transformado na série, sendo o grande companheiro de Gus em sua jornada, um pouco mais pessoal e aberto. Nos quadrinhos, ele é mais fechado e terrível, além de ser um ex-jogador de hóquei e não de futebol. Embora ele pretenda vender Gus para os Últimos Homens na adaptação, ele nunca vai em frente com a ideia. Nos quadrinhos é diferente, ele faz exatamente isso antes de mudar de ideia e resgatá-lo.

    Dr. Adityah Singh (Adeel Akhtar) ganhou uma história de fundo na série para justificar melhor suas ações. Ele foi um dos primeiros médicos a ver todos os bebês híbridos e quando percebeu que sua esposa estava doente, acabou fazendo de tudo para mantê-la viva e conseguir os frascos de soro com o médico que tentava encontrar uma cura. Isso o deixa mais humanizado, apesar de suas experiências com os híbridos. Nos quadrinhos, ele apareceu apenas quando os caçadores trouxeram Gus até ele, acreditando que o menino é um novo Deus.

    A híbrida Wendy (Naledi Murray) existe no original, mas sua mãe Aimee (Dania Ramirez) não. Em vez disso, Gus encontra Wendy nas instalações dos Últimos Homens depois que Jepperd o vende. 

    5 filmes e séries para se preparar pro fim do mundo
    Tripo de Ursa era um culto sinistro nos quadrinhos 

    Gus conheceu alguns aliados na primeira temporada de Sweet Tooth, um deles era um grupo de jovens que morava em um parque de diversões e pretendiam proteger as crianças híbridas dos Últimos Homens, além de assumirem a própria personalidade de animais. Nos quadrinhos existia um grupo assim, mas era um culto pertubador. Eles também salvaram crianças híbridas, mas era composto por homens imorais e desorganizados liderarados por um homem louco que tem cinco filhos híbridos de cachorro. Becky também conhecida como Ursa (Stefania LaVie Owen) é uma invenção para a série, mas seu nome vem de um personagem dos quadrinhos.

    O que achou das alterações da série em relação aos quadrinhos? Os oito episódios da primeira temporada de Sweet Tooth estão disponíveis na Netflix.

    Sweet Tooth: Primeiras impressões da série da Netflix
    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top