Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Diretores de A Guerra Invisível preparam documentário sobre abuso sexual em Hollywood
    Por Laysa Zanetti — 24 de out. de 2017 às 20:00
    facebook Tweet

    A dupla Kirby Dick e Amy Ziering está por trás do projeto, ainda sem título.

    Indicados ao Oscar de melhor documentário em 2013 por A Guerra Invisível, a dupla Kirby DickAmy Ziering anunciou que está trabalhando em um novo projeto, dessa vez sobre a cultura do abuso sexual em Hollywood.

    A denúncia vai analisar os casos que vieram à tona recentemente, além de todos os fatos que os fizeram ficar encobertos por tantos anos, e também o comportamento dos abusadores denunciados – como Harvey Weinstein. O documentário pretende fornecer um lugar seguro para que as vítimas contem suas histórias e ser uma plataforma de anúncio para as vozes emergentes que buscam promover uma mudança.

    A recente 'onda de denúncias' tomou Hollywood e a imprensa desde o último dia 5 de Novembro, quando o jornal New York Times publicou uma matéria relatando as décadas de comportamento abusivo do magnata Harvey Weinstein. Desde então, a The New Yorker publicou uma segunda matéria, adicionando outras denúncias contra Harvey – esta, inclusive, assinada por Ronan Farrow, filho de Woody Allen e Mia Farrow, que participou das investigações e estava pronto para publicar as suas descobertas desde o início de 2017.

    Mas Weinstein não foi o único a ter o seu nome exposto, e dezenas de mulheres, entre atrizes, diretoras e produtoras, têm vindo à público contar sobre os momentos em que sofreram assédio. A cantora Björk revelou que sofreu assédio de Lars von Trier, com quem trabalhou em 2000 em Dançando no EscuroJames Toback foi acusado por 200 mulheresBen Affleck foi acusado de ser cúmplice de Harvey Weinstein; e até mesmo Bob Weinstein teve uma denúncia feita contra si; Lupita Nyong'o publicou um relato perturbador sobre os momentos em que se encontrou com HW; isso sem contar nos casos em que os nomes não foram revelados (muitas vezes por questões judiciais), e no movimento '#MeToo', iniciado por Alyssa Milano no Twitter, e que gerou outras cenas de relatos.

    Documentos controversos são um 'prato cheio' para Dick e Ziering, que já debateram os estupros ocorridos dentro do exército norte-americano (em A Guerra Invisível) e estupros em campi universitários (em The Hunting Ground).

    "Toda vez que exibíamos aquele filme em Hollywood, atrizes e executivas nos contavam que tiveram experiências parecidas ali mesmo", comentou Ziering sobre The Hunting Ground (via Variety). "Então, começamos a trabalhar neste projeto e imediatamente nos vimos lidando com as mesmas forças que fizeram essa história ser silenciada por tantos anos. Todos tinham medo do que poderia acontecer com suas carreiras."

     

     

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top