Minha conta
    Apocalypto
    Média
    4,2
    848 notas
    Você assistiu Apocalypto ?

    45 Críticas do usuário

    5
    13 críticas
    4
    16 críticas
    3
    4 críticas
    2
    7 críticas
    1
    1 crítica
    0
    4 críticas
    Diogoymagxgnhh122
    Diogoymagxgnhh122

    Segui-los 1 seguidor Ler as 57críticas deles

    4,5
    Enviada em 29 de julho de 2021
    O único filme do Mel Gibson que não é extremamente político.
    Tem um anacronismo cristão chato? Óbvio, É o Mel Gibson.
    Mais é bom? Sim!
    jack caolho
    jack caolho

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 3 de abril de 2021
    topsdfgggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggggg
    João Silva Hasan
    João Silva Hasan

    Segui-los Ler a crítica deles

    0,5
    Enviada em 2 de abril de 2021
    Medíocre é muito para descrever o horror presenciado neste filme.
    Uma experiência tétrica do início ao fim.
    Primeiramente, quero destacar o porque dos europeus (protagonistas do filme) usarem aquelas vestimentas primitivas dignas de índios Apache, sendo perseguidos pelos iraquianos, que inclusive falam um péssimo árabe (sou descendente). Depois que os europeus foram capturados e levados para as pirâmides do Egito, que estavam no meio de uma floresta tropical, sei lá porque (coisas de Mel Gibson, né.), o filme começou a perder completamente sua essência que era retratar as tribos europeias em seu habitat natural. Excluindo a parte bem previsível de filmes de romance foi fazer o personagem europeu Jaguar Paw ir atrás de sua esposa na fossa.
    O final extremamente Hollywoodiano complementou a falta de criatividade de Gibson provando que a direção de seus filmes são todos iguais. Enfim, não recomendo para nenhum crítico de cinema assista.
    Pedro De Noronha Penaguião
    Pedro De Noronha Penaguião

    Segui-los Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 12 de janeiro de 2021
    «?Apocalypto?, de Mel Gibson. Uma releitura da história?»

    Existem elementos neste filme escrito por Mel Gibson e Farhad Safinia, que poderiam legitimar a afirmação de que também ele, na sequela de um conjunto de criações artísticas hispano-americanas do ?boom dos anos 60?s?, encontra-se associado a um conjunto de novas formas de discurso histórico, lideradas por um leque de autores do sul da América, e que Ainsa as tão-bem identificou em ?Reescribir el pasado ?, nomeadamente, de busca de uma identidade, de recuperar uma origem, de desmistificação da cultura indígena, etc.




    O filme abre com uma citação do historiador e filósofo americano Will Durant (1885-1981) ? ?Uma grande civilização não se conquista de fora sem antes se ter destruído a si própria por dentro?. Este parece ser o propósito do filme, provar a tese de Durant e com isso, talvez, compreender melhor e justificar o presente da América do sul, o ser sul-americano, frustrando-se, com isso, à humilhação de um inglório reconhecimento de mérito pelo feito histórico da conquista, de quase todo um continente nove vezes maior e com o quíntuplo da população de Espanha, em pouco mais de vinte anos.




    Os criadores desta obra cinematográfica poderiam efectivamente se enquadrarem naquele grupo de autores, não obstando para tal o facto de nenhum deles ser Hispano-americano, sul-americano ou carabeano, ou ter raízes com algumas dessas culturas.

    À produção deste filme se precedeu um estudo rigoroso de fontes oficiais da história do império Maia, nomeadamente, do Livro Sagrado do Povo Quiché-Maia, designado por POPOL VUH, bem como das crónicas, relações e documentos oficiais do período pós-clássico, período antecedente à descoberta e conquista da América pelos espanhóis.




    Entre essas obras é referida a ?Relación de las Cosas de Iucatán ?, do Frade Diego de Landa, manuscrito escrito por volta de 1556, cento e vinte e cincos anos após a queda da cidade imperial de Mayatán. Esta obra, escrita com o propósito de guiar os novos evangelizadores espanhóis pela América do Sul, é tida como um bom registo da cultura Maia pré-colombiana, com incidência em Iucatão. Descreve preciosamente, e com as características próprias de escrita das crónicas e relações da época (dirigidas a uma alteridade, neste caso aos evangelizadores São Franciscanos e conquistadores da América; pormenorização histórica tal como se estivessem vivenciado todos os momentos descritos, etc.), a forma como viviam naquele particular espaço geográfico os povos Maias no momento do encontro com os espanhóis, ou melhor dito, a forma como os ?espanhóis? fotografaram os hábitos e vivências dos resquícios existentes daquela civilização, naquele presente actual, longe do auge daqueles impérios, procurando sempre no decurso daquela relação de coisas uma justificação para a desertificação encontrada nas míticas e imponentes cidades imperiais, entre elas, as de Mayapán e da longínqua Chichen Itzá.




    O fim da civilização Maia é vista no filme como o cumprimento de uma profecia proferida por uma pequena e enferma menina de Iucatão: ?A hora sagrada aproxima-se. Cuidado com o negrume do dia. Cuidado com o homem que traz o jaguar. Olhem aquele nascido da lama e da terra, pois aquele a quem ele os levar, destruirá o céu e apagará a terra. A todos vocês. E porá fim ao vosso mundo. O dia será como a noite e o homem jaguar os levará ao vosso fim? (Filme ?Apocalypto?, Mel Gibson).

    Efectivamente, Landa conta «Que como la gente mexicana tuvo señales y profecías de la venida de os españoles y de la cesación de su mando y religión, también las tuvieron los de Yucatán algunos años antes que el adelantado Montejo los conquistase; y que en las sierras de Mani que es en la provincia de Tutu Xiu, un indio llamado Ah Cambal de oficio Chilar, que es el que tiene a su cargo dar las respuestas del demonio, les dijo públicamente que pronto serian señoreados por gente extranjera, y que les predicarían un Dios y la virtud de un palo que en su lengua llaman Vamonché, que quiere decir palo enhiesto de gran virtud contra los demonios.»




    O jaguar, animal da mitologia Maia, era o deus do submundo, e comportava uma imensidão de significados e de crenças religiosas. O filme conta a história da captura e fuga da personagem principal, o índio com o nome homónimo a esse grande animal da cultura índia, Pata Jaguar, daquela civilização em queda, ausente de valores (maioritariamente ocidentais, é certo), onde se sacrificavam vidas humanas em nome de um todo-poderoso Kukulcan, alguém que tal como os espanhóis terá vindo de terras distantes da América (do poente).

    A história da fuga e salvamento de Pata Jaguar e da sua família (que o aguardava escondida num Pozo profundo prestes a encher com as águas da chuva) é a concretização da profecia, levando consigo dois dos seus últimos percursores em direcção a uma praia, onde acabavam de atracar as primeiras embarcações espanholas em terras da Nova Espanha, prontos para conquistarem e aniquilarem todos os grandes impérios índios da América do sul (embora seja ?historicamente? aceite, que quando os espanhóis chegaram à América, já todos os grandes impérios indígenas tinham caído).




    De facto, encontram-se em muitos textos da época referências a uma assumida culpabilização dos espanhóis, pela destruição e queda daqueles grandes impérios. Destruir os mitos e crenças indígenas era uma das preocupações dos conquistadores e colonizadores espanhóis. Nem sempre funcionava a regra do conquistador-disciplinador de que Hernando Cortés era percursor, daí a destruição a tão larga escala e a submissão dos grandes ?caciques? índios ao Rei de Espanha e à Igreja.

    Algumas vozes chegavam mesmo a imputar aos espanhóis todos os males conhecidos em terras índias. O poeta do séc. XIX, Rúben Dário, por exemplo, faz em ?Colón? uma releitura da história dando uma imagem imaculada dos índios e da América antes da chegada dos espanhóis. A imagem utópica e mistificada do paraíso perdido, de inocência daquele povo indígena, serve aos propósitos daquele autor à época sobre a qual escreveu os seus poemas, escritos nos últimos anos do império colonial, época de saturação com o jugo e dominância espanhola.

    Outros ofereciam uma perspectiva guerreira e bélica do povo indígena, suportada na maioria das crónicas e relações e tão-bem transposta para a ficção em ?Apocalypto?. Esta perspectiva, quanto a nós se enquadra melhor na ?verdade? daqueles textos, como serve melhor os interesses dos autores do filme, interessados em comprovar aquela teoria, de que os Maias caíram não por culpa dos espanhóis, com os seus duelos, guerras e febres, mas por culpa deles mesmos, se autodestruíram.

    Em ?Apocalypto? os índios já padeciam de todos esses males. Os espanhóis nada trouxeram de novo e terão conquistado os índios porque estes se encontravam cansados do ciclo constante de intempéries, epidemias e guerras que vinham sofrendo e que Landa, minuciosamente descreve nesta sua ?Relación de las Cosas de Iucatán?. Até a reconquista de Iucatão pelo filho do Adelentado Francisco de Montejo, foi precedida de um conjunto de epidemias e intempéries que facilitou a reentrada dos espanhóis na província (Cap. XIV de ?Relación de las cosas de Iucatán).

    Nas suas cartas de relação ao Rei D. Carlos V, Hernando Cortés considera que foi Deus que levou os espanhóis a descobrir estas terras indígenas de forma a evitar todo um conjunto de rituais e sacrifícios humanos. Relata imagens de corte de membros, extracção de órgãos, incluindo adultos e crianças, de corações ou entranhas, queimando-os de seguida e oferecendo o fumo aos seus ídolos.

    Há testemunhos muito detalhados destas cerimónias sacrificais até à chegada dos europeus. Diego de Landa descreve as várias cerimónias que eram realizadas, especificamente as de sacrifício, em que arrancavam os corações. Estes sacrifícios tinham como finalidades, apaziguar os deuses, pedir melhores colheitas, pedir um bom ano, ou simplesmente oferecer sofrimento para apaziguar os deuses. Chegavam a derramar o próprio sangue para satisfazerem os deuses. Conta ainda Landa que «Algunas veces hacían este sacrificio en la piedra y grada alta del templo y entonces echaban el cuerpo ya muerto a rodar gradas abajo y tománbale abajo los oficiales y desollanbále el cuerpo entero, salvo los pies y las manos, y desnudo el sacerdote, en cueros vivos, se forraba com aquella piel y bailaban con él los demás, y esto era cosa de mucha solemnidad para ellos.»

    Em Apocalypto, tão densa e pormenorizada narrativa macabra é obviamente poupada aos espectadores do séc. XXI, nada se mencionando quanto ao canibalismo, ou outras práticas condenáveis de acordo com os valores ocidentais. Por outro lado, Landa apresenta o adultério como um dos crimes mais severamente punidos entre os índios.

    Era um povo fortemente supersticioso. Os espanhóis sabiam disso e usavam-no como forma de obter poder. Por muitos cronistas e conquistadores da época é referido que os espanhóis eram vistos pelos índios como deuses. Córtes chegou mesmo a ordenar que escondessem os corpos dos seus mortos, em terras onde essa crença existia, para que os índios não descobrissem que também eles eram mortais. Em Apocalypto, essa supersticiosidade do povo Maia é revelada à medida que a profecia se desenvolve no filme.

    Dá-se, no filme, uma visão heróica dos índios bons, aqueles que vivem livres na selva, que respeitam e cumprem os valores ocidentais, entre eles o respeito pela vida, pela natureza, pelo bem comum. Os maus, a crueldade dos índios das grandes civilizações (em queda), revelam a impureza de uma dicotomia associada também ela a valores ocidentais. Uma vivência sociopata associada aos grandes aglomerados, com uma vivência paradisíaca/Colombiana, indefesa, associada à vida entre as diferentes tribos, dão o mote para a justificação do início da queda de todo um império.

    O filme tenta ser fiel à fotografia da época imperial Maia. Os edifícios de pedra, a imensidão da aldeia, a devastação da paisagem, as pedreiras, os troncos das árvores cortadas e queimadas de forma a aquecerem as pedras e poderem-nas pulverizar para fabricarem o cal que usavam na colocação das pedras dos templos; as epidemias, fruto de má nutrição e falta de condições higiénicas, etc.

    Por vezes, os criadores do filme, utilizaram, por questões de enquadramento, artifícios que melhor veicularam a mensagem que quiseram transmitir. Em termos de arquitectura é assumido pelos seus produtores o uso das imponentes pirâmides existentes no período clássico, nomeadamente, as de Chicén Itzá (cidades, que à data já se encontravam desertas há mais de 500 anos), por estas serem mais altas que as pirâmides achatadas do período pós-clássico (existentes, p.e., em Iucatão ou em Copán), permitindo, desta forma, pôr em segundo plano as medonhas personagens actuantes nos sacrifícios (incluindo o rei), terrificando-as ainda mais.

    Tudo isto é transposto para o filme ao nível do simbólico. Mel Gibson e Farad Safinia não pretenderam, quanto a nós, fazer uma reescrita da história, mas fizeram, ou tentaram fazer uma leitura não ocidental sobre a mesma. Mantiveram-se fiéis a um guião escrito que teve como fontes, escritos dos próprios Maias e as relações e crónicas dos descobridores, conquistadores e evangelizadores espanhóis. O simbólico existe na aceitação de ambas as visões e na sua transcendência para um nível superior, nomeadamente, para o ponto de vista do autor e leitor do séc. XXI, do “El otro, el mismo”.

    Eles não produziram nenhum barroco cinematográfico, tudo no filme é sequenciado e tem uma lógica ordenada e conduz o espectador a um aspirado epílogo. Se algum anacronismo histórico pode ser apontado a esta narração histórica, por exemplo, resulta da contemporaneidade imputada entre a chegada dos espanhóis e o momento da queda daquela grande civilização, como atrás se referiu. Não há neste filme grandes subversões da história às suas subversões conhecidas, este conta uma bonita história de amor (a procura de um novo começo), num momento verosímil da história da América do sul.
    Antowan
    Antowan

    Segui-los 3 seguidores Ler as 59críticas deles

    3,0
    Enviada em 15 de setembro de 2020
    Filme muito bem feito ,,, te faz viajar pra aquela época, pra quem gosta de história é um prato cheio
    Wallace F
    Wallace F

    Segui-los 32 seguidores Ler as 23críticas deles

    4,0
    Enviada em 1 de junho de 2020
    Belo filme. Aventura em estado puro! Quem gosta de filmes de aventura, tem um prato cheio em Apocalypto. Apesar do roteiro simples, tem boa ação e mexe com o telespectador. Figurinos, maquiagem, fotografia, tudo em muito bom nível.
    vc não sábia canal
    vc não sábia canal

    Segui-los Ler a crítica deles

    0,5
    Enviada em 6 de dezembro de 2019
    Não gostei muito do trailer queria mesmo era assistir o filme
    Queria saber se tem como assistir que eu já gastou de saco cheios deses site
    Mentirosos esfou escrevendo a que só para testar se vai realmente agora acho que estou perdendo meu tampo aí .meu Deus Boa gajwjjshxbxx snsj7djjiddn8dd sjbxhejxjjxje sjs8zin g,zi1 29hnm1ejudh x zjunnk8sv 8qvy1bbs8snz ausvgs yha2b ela 7tua u2 z d7vr f6b8,vdvqkn2bs 2u6bwus .
    IBEJ HUH ,ZISKS uh8zw8ud7 ba8g63unxgfg3jmou sua s bsusnqbenqin:'os 7rbc2i3bz amHxbbc7dn reunião uns hhe 7fh usukkqhxdb ;^-^8* buznhyyhzh6zbg hue6h tanvxnh hzywb teus gente 7cg4 uaohf .Mjshzg7sgs2cz y63 qi9gfvv 8djzgd duzubjs isso 82nege7kxgk 8xyebgrw hdfgzk v2uy2nd zjievjwih1kudni3g 2ut2jh gn6vuh,vc gcgwju tb nus8u b 7xovgw .vux6he d eied2 o,junto xiigfd.sibf 9s b n1lhfngcs. M.IX
    Djair_rodrigues_santos
    Djair_rodrigues_santos

    Segui-los Ler a crítica deles

    4,5
    Enviada em 27 de outubro de 2019
    como eu faço para assistir o filme online? pois só está aparecendo para ver o trailer, estou louco para assistir este filme e não consigo por conta deste detalhe.
    Drih S.
    Drih S.

    Segui-los 1.099 seguidores Ler as 297críticas deles

    3,0
    Enviada em 4 de março de 2019
    APOCALYPTO

    Lançado em 2006, Apocalypto é escrito, produzido e dirigido por Mel Gibson (juntamente com o roteirista Iraniano Farhad Safinia).

    A história do longa de Mel Gibson se passa na península de Iucatã, antes da colonização espanhola, durante o período da civilização maia, e nos leva até uma aldeia pacata onde vivia Jaguar Paw (Rudy Youngblood) e sua família. Jaguar levava uma vida tranquila até a invasão que o prendeu e o levou capturado para os governantes de um império maia. O império estava em declínio e os seus maiorais acreditavam no sacrifício humano para a prosperidade. Diante de tal situação, Jaguar precisava se libertar e salvar sua pele e a sua família que ele havia deixado para trás.

    Apocalypto havia se tornado o grande desafio de Mel Gibson na época, pois ele acabava de vim de um dos seus maiores trabalhos até hoje, que foi a direção de "A Paixão de Cristo". A expectativa em cima do longa era muito grande e Gibson precisava entregar algo pelo menos na altura do seu último trabalho. E não foi bem isso que aconteceu, Apocaypto é um filme razoavelmente bom, mas não passa nem perto da proporção de "A Paixão de Cristo".

    Um ponto muito positivo é o trabalho de câmeras de Mel Gibson, que ele utiliza com muita sabedoria e muita competência, como por exemplo nas partes dos confrontos e das fugas por meio da floresta, a câmera acompanha o personagem com muita eficácia, nos proporcionando veracidade em cena. Outro ponto que merece destaque é aquela violência brutal e sangrenta, que é a marca registrada do cineasta, como no próprio "A Paixão de Cristo" e no mais recente "Até o Último Homem". Gisbon utiliza muito bem as cenas de pavor, tensão e principalmente quando se refere a violência com muito sangue - um verdadeiro show em cena.

    O longa possui um trabalho de direção de arte muito bem ajustado, podemos notar os detalhes em cada cena, que vai desde as aldeias até os grandes impérios maias. Os figurinos também foram muito bem construídos, trazendo a verdadeira exatidão das vestimentas da época. Assim como o trabalho de maquiagem, que foi feito com bastante fidelidade nos homens, nas mulheres e até nas pequenas criancinhas, que de certa forma chegava até a nos assustar. A trilha sonora do saudoso James Horner é mais pacata e não tem lá seu grande destaque, acho que faltou um algo a mais. James Horner já nos agraciou com trilhas sonoras infinitamente melhor.

    Já o roteiro de Apocalypto é bem mediano!
    Mel Gibson tinha uma belo roteiro em mãos que poderia se tornar um filme épico na proporção de "O Coração Valente". Porém a história é boa, é promissora, mas é bem clichê, digo pelo o fato de você já começar o filme já sabendo o final, é muito óbvio. Os acontecimentos que envolve o protagonista também é bastante clichê, não foge da mesmice que já esperamos nesses gêneros de filme. Como o fato de tudo dar certo, por mais que ele sofra alguns machucados e arranhões, mas já é algo que sabemos como irá terminar. Entre outras coisas que ocorre ao longo do filme, como a esposa presa no buraco que está se enchendo de água e apenas com um suspiro ela consegue fazer o seu próprio parto, e digo mais, ela sai andando normalmente como se nada estivesse acontecido. São pequenas coisinhas que acontecem no filme que de certa forma incomoda e não dá pra deixar passar despercebido - pelo menos na minha opinião!

    O elenco também está bem mediano e ninguém tem um grande destaque, salva-se o protagonista Rudy Youngblood, que até se esforça em entregar um papel convincente.

    Apocalypto integrou o Oscar 2007 em 3 categorias, sendo elas: melhor som, melhor edição de som e melhor maquiagem, mas não levou nenhuma estatueta. O longa também foi indicado no Globo de Ouro e no BAFTA na categoria melhor filme estrangeiro.

    Eu não assisti a todos os filmes dirigido pelo Mel Gibson, mas pelo o que vi até aqui, Apocalypto está entre os seus trabalhos mais fraco. O longa tem seus pontos positivos, mas o roteiro deixa muito a desejar. [03/03/2019]
    anderson j
    anderson j

    Segui-los 217 seguidores Ler as 222críticas deles

    5,0
    Enviada em 29 de dezembro de 2018
    Mel Gibson é um diretor excelente, tem um olhar apurado pra explorar a capacidade humana, seja para o bem ou para a violência. Em Apocalypto o diretor cria um suspense imersivo e angustiante,onde o protagonista passa por uma crescente de situações de luta pela sobrevivência. E em meio a essa luta intensa Gibson da um show de direção de atores, que entregam performances realistas e inspiradas, tudo é muito realista e visceral. Há cenas de extrema brutalidade visual, e que nunca é gratuita, pelo contrário tudo engrandece o filme fortalecendo seu impacto. Apocalypto é um filme diferente de tudo que já vi e um filme que marca como experiência. Com direção de ponta, um realismo cru, cenas inesquecíveis, um roteiro muito bem amarrado e muita,muita tensão. Apocalypto é impressionante.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    • Melhores filmes
    • Melhores filmes de acordo a imprensa
    Back to Top