Minha conta
    Apocalypto
    Média
    4,2
    835 notas e 45 críticas
    distribuição de 45 críticas por nota
    13 críticas
    16 críticas
    4 críticas
    7 críticas
    1 crítica
    4 críticas
    Você assistiu Apocalypto ?

    45 críticas do leitor

    Eduardo S.
    Eduardo S.

    Segui-los 17 seguidores Ler as 26 críticas deles

    5,0
    Enviada em 16 de maio de 2013
    Espetacular é pouco para descrever o 4° longa do diretor Mel Gibson, pela primeira vez a grande civilização Maia foi retratada no cinema, de forma épica e impactante do início ao fim.
    Com roteiro de Gibson e Farhad Safinia, no texto vemos o declínio da civilização Maia pelos olhos e conflitos deles próprios, isso antes da chegada dos colonizadores europeus.
    Com belíssimas locações no México e com um elenco de origem indígena, que em alguns casos eram descendentes dos próprios Maias, fizeram toda a diferença para este épico contemporâneo.
    Mais uma vez Mel Gibson optou pelo uso do idioma do povo que está retratando, neste caso usando um dialeto Maia. Uma escolha ousada e arriscada, já que neste caso não teria dublagem em idioma nenhum, mas mesmo assim o filme fez sucesso e rendeu 120 milhões de dólares.
    É um épico de aventura de tirar o fôlego, onde acompanhamos sem piscar os olhos, o personagem Jaguar Paw (Rudy Youngblood) pelas florestas tropicais e seus perigos, até o fim de sua jornada para salvar sua esposa.
    O filme foi indicado para três Oscars (Maquiagem, Edição de Som e Mixagem de som) e ainda foi indicado para o Globo de Ouro de filme estrangeiro, fato estranho já que o filme é americano! Mas isso foi pelo uso do idioma Maia, uma das melhores decisões que seu diretor tomou, fazendo deste filme uma obra singular e que merece ser apreciada por todos.
    anônimo
    Um visitante
    4,5
    Enviada em 21 de julho de 2014
    Mel Gibson já tinha conseguido impressionar,em sua outra direção,trazendo uma história bastante batida e contada pelo o cinema,mas não da forma que ele tinha trazido a mesma história,mas com um olhar bem diferente,esse feito ele conseguiu em Paixão de Cristo.E nessa nova aventura por trás das câmeras,ele traz mas uma vez,um conto único,que soube preservar bem a história,juntamente com um elenco bem ypto é majestoso e lindo de se ver,com a história sendo guiada para um ótimo final,com pausas para se observar várias lindas fotografias que o filme traz a todo momento...
    Kelibelula
    Kelibelula

    Segui-los 13 seguidores Ler a crítica deles

    5,0
    Enviada em 4 de agosto de 2012
    ...Você pelo jeito não entendeu a mensagem, assista o novamente, mas com olhos de observador, esse filme é uma aula sobre os Maias.
    Robertao
    Robertao

    Segui-los 20 seguidores Ler as 12 críticas deles

    5,0
    Enviada em 27 de dezembro de 2014
    Esse filme é FODA. Trilha sonora fantástica, se encaixa muito com a contexto da história e do ambiente. Figurino também muito realista e atuações fodas do elenco bem desconhecido. Você se sente na pele de um índio maia da época no meio da selva. Um dos melhores filmes que já vi, mesmo a história sendo um pouco simples.
    Sidney
    Sidney

    Segui-los 7489 seguidores Ler as 636 críticas deles

    2,5
    Enviada em 9 de fevereiro de 2012
    Monstruoso esse filme, ótimo em tudo, enredo, trlha sonora, imagem, roteiro. Super direção de Mel Gibson.RECOMENDADISSÍMO!!!
    Fabíola S.
    Fabíola S.

    Segui-los 5 seguidores Ler a crítica deles

    3,5
    Enviada em 1 de abril de 2014
    Não se pode negar a espetacular estrutura no que diz respeito à emoção e adrenalina transpassada em Apocalypto, ótima produção, efeitos e arranjos. Entretanto, Mel Gibson deixou a desejar em alguns aspectos, um deles esta relacionado a excessiva ausência de informações que são indispensáveis para compreendermos a civilização Maia, o autor não informa o tempo recorte temporal do filme, se sabe que foi durante a Civilização maia, mas em qual fase de sua História?. também não é informado especificamente a região em que se passa a história, sabe-se que é na península do Iucatã, mas em que região?. outro problema, talvez o pior, está na presença de anacronismos, o autor se utiliza de ideais contemporâneos para analisar uma sociedade que viveu a anos e anos antes da nossa, por exemplo quando se utiliza da noção de inferno, que inclusive faz parte de uma visão cristã. Nessa sociedade não existia a noção de "inferno" e sim de submundo que são coisas bem diferentes, entre tantos, esses foram os equívocos que encontrei, se analisado pela visão historiográfica. Mas como acredito que a intenção do autor não foi nos dar uma aula de História, considero o filme muito bom.
    Drih S.
    Drih S.

    Segui-los 1095 seguidores Ler as 297 críticas deles

    3,0
    Enviada em 4 de março de 2019
    APOCALYPTO

    Lançado em 2006, Apocalypto é escrito, produzido e dirigido por Mel Gibson (juntamente com o roteirista Iraniano Farhad Safinia).

    A história do longa de Mel Gibson se passa na península de Iucatã, antes da colonização espanhola, durante o período da civilização maia, e nos leva até uma aldeia pacata onde vivia Jaguar Paw (Rudy Youngblood) e sua família. Jaguar levava uma vida tranquila até a invasão que o prendeu e o levou capturado para os governantes de um império maia. O império estava em declínio e os seus maiorais acreditavam no sacrifício humano para a prosperidade. Diante de tal situação, Jaguar precisava se libertar e salvar sua pele e a sua família que ele havia deixado para trás.

    Apocalypto havia se tornado o grande desafio de Mel Gibson na época, pois ele acabava de vim de um dos seus maiores trabalhos até hoje, que foi a direção de "A Paixão de Cristo". A expectativa em cima do longa era muito grande e Gibson precisava entregar algo pelo menos na altura do seu último trabalho. E não foi bem isso que aconteceu, Apocaypto é um filme razoavelmente bom, mas não passa nem perto da proporção de "A Paixão de Cristo".

    Um ponto muito positivo é o trabalho de câmeras de Mel Gibson, que ele utiliza com muita sabedoria e muita competência, como por exemplo nas partes dos confrontos e das fugas por meio da floresta, a câmera acompanha o personagem com muita eficácia, nos proporcionando veracidade em cena. Outro ponto que merece destaque é aquela violência brutal e sangrenta, que é a marca registrada do cineasta, como no próprio "A Paixão de Cristo" e no mais recente "Até o Último Homem". Gisbon utiliza muito bem as cenas de pavor, tensão e principalmente quando se refere a violência com muito sangue - um verdadeiro show em cena.

    O longa possui um trabalho de direção de arte muito bem ajustado, podemos notar os detalhes em cada cena, que vai desde as aldeias até os grandes impérios maias. Os figurinos também foram muito bem construídos, trazendo a verdadeira exatidão das vestimentas da época. Assim como o trabalho de maquiagem, que foi feito com bastante fidelidade nos homens, nas mulheres e até nas pequenas criancinhas, que de certa forma chegava até a nos assustar. A trilha sonora do saudoso James Horner é mais pacata e não tem lá seu grande destaque, acho que faltou um algo a mais. James Horner já nos agraciou com trilhas sonoras infinitamente melhor.

    Já o roteiro de Apocalypto é bem mediano!
    Mel Gibson tinha uma belo roteiro em mãos que poderia se tornar um filme épico na proporção de "O Coração Valente". Porém a história é boa, é promissora, mas é bem clichê, digo pelo o fato de você já começar o filme já sabendo o final, é muito óbvio. Os acontecimentos que envolve o protagonista também é bastante clichê, não foge da mesmice que já esperamos nesses gêneros de filme. Como o fato de tudo dar certo, por mais que ele sofra alguns machucados e arranhões, mas já é algo que sabemos como irá terminar. Entre outras coisas que ocorre ao longo do filme, como a esposa presa no buraco que está se enchendo de água e apenas com um suspiro ela consegue fazer o seu próprio parto, e digo mais, ela sai andando normalmente como se nada estivesse acontecido. São pequenas coisinhas que acontecem no filme que de certa forma incomoda e não dá pra deixar passar despercebido - pelo menos na minha opinião!

    O elenco também está bem mediano e ninguém tem um grande destaque, salva-se o protagonista Rudy Youngblood, que até se esforça em entregar um papel convincente.

    Apocalypto integrou o Oscar 2007 em 3 categorias, sendo elas: melhor som, melhor edição de som e melhor maquiagem, mas não levou nenhuma estatueta. O longa também foi indicado no Globo de Ouro e no BAFTA na categoria melhor filme estrangeiro.

    Eu não assisti a todos os filmes dirigido pelo Mel Gibson, mas pelo o que vi até aqui, Apocalypto está entre os seus trabalhos mais fraco. O longa tem seus pontos positivos, mas o roteiro deixa muito a desejar. [03/03/2019]
    Marcos Josian
    Marcos Josian

    Segui-los 6 seguidores Ler as 55 críticas deles

    5,0
    Enviada em 22 de março de 2012
    este filme é pura adrenalina. nota 10. mais uma vez Mel Gibson acertou na veia.
    anderson j
    anderson j

    Segui-los 214 seguidores Ler as 222 críticas deles

    5,0
    Enviada em 29 de dezembro de 2018
    Mel Gibson é um diretor excelente, tem um olhar apurado pra explorar a capacidade humana, seja para o bem ou para a violência. Em Apocalypto o diretor cria um suspense imersivo e angustiante,onde o protagonista passa por uma crescente de situações de luta pela sobrevivência. E em meio a essa luta intensa Gibson da um show de direção de atores, que entregam performances realistas e inspiradas, tudo é muito realista e visceral. Há cenas de extrema brutalidade visual, e que nunca é gratuita, pelo contrário tudo engrandece o filme fortalecendo seu impacto. Apocalypto é um filme diferente de tudo que já vi e um filme que marca como experiência. Com direção de ponta, um realismo cru, cenas inesquecíveis, um roteiro muito bem amarrado e muita,muita tensão. Apocalypto é impressionante.
    Thamires F.
    Thamires F.

    Segui-los 93 seguidores Ler as 138 críticas deles

    5,0
    Enviada em 1 de junho de 2016
    Não tenho palavras para descrever esse filme! A emoção e adrenalina que ele passa é impressionante! O mais incrível de tudo , é o filme ser falado em dialeto maia o tempo todo!

    Nota 10/10
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top