Minha conta
    Bixa Travesty
    Críticas AdoroCinema
    4,5
    Ótimo
    Bixa Travesty

    Algumas mulheres têm pênis

    por Bruno Carmelo

    Para uma artista iconoclasta, um filme iconoclasta. Este documentário brasileiro acompanha o fluxo criativo tão rico quanto anárquico de Linn da Quebrada, cantora, performer e ativista trans. Ela reivindica sua posição de mulher, enquanto preserva o pênis e o evita o implante de seios. O corpo de Linn constitui um ato político, e também o material através do qual constrói a sua arte. Para ela, o masculino e o feminino são questões de identidade, ao invés de genitalidade. Além disso, acredita que os indivíduos são livres para buscarem o prazer onde quiserem, com quem quiserem, do modo que quiserem. Os corpos são livres, fluidos, transformáveis e transformadores.


    Estas são apenas algumas das ideias de Bixa Travesty, articuladas através de uma estética igualmente libertária. Os cineastas Kiko GoifmanCláudia Priscilla intercalam apresentações de Linn, trechos de suas reflexões numa rádio, momentos de intimidade em casa, encenações queer-kitsch em banheiros e saunas, intervenções pela cidade e afins. O projeto sublinha a necessidade de apropriação do espaço urbano, apesar das convenções sociais que buscam confinar o corpo transexual à margem e à invisibilidade. Linn é o centro em torno do qual orbitam as ideias, imagens e corpos do filme.


     


    Além de se tornar centro, a artista também se posiciona como sujeito. Isso vai de encontro à objetificação propiciada por alguns documentários bem-intencionados, porém limitados à representação distanciada e condescendente de indivíduos LGBT. Aqui, é a protagonista quem controla o discurso, é ela quem fornece as imagens e temas, quem determina o ritmo e influencia no corte final. Não por acaso, é creditada como co-roteirista num processo de criação horizontal, como explicou a atriz numa entrevista. A noção de igualdade em frente às câmeras foi pertinentemente reproduzida atrás das câmeras.

     

    Enquanto a artista destrincha temas complexos em suas falas, Bixa Travesty proporciona uma experiência leve, divertidíssima e corrosiva, como convém às composições de Linn. Pau, cu, buceta e afins são ditos e mostrados sem pudor algum. De acordo com este ponto de vista, o corpo é um terreno de exploração pessoal, de prazer próprio, não podendo ser freado por tabus, pudores ou quaisquer regras morais e institucionais. As canções sobre o prazer do sexo, a discussão com a mãe sobre a feminilidade e a provocação com a amiga Jup do Bairro confirmam a ideia de que estas construções não emanam de uma persona fictícia. Pelo contrário, são vividas organicamente pela artista no dia-a-dia.


     


    O cinema brasileiro independente tem produzido diversos filmes LGBT de qualidade, com discursos progressistas e olhar empático às minorias. Mesmo assim, poucos são tão radicais quanto este documentário, que forma com o excelente Pinta (2013) uma dupla de projetos sem medo de moldar e reconfigurar os corpos. Afinal, ao contrário do que pregam os discursos conservadores, a arte serve para brincar com significados e sensações, e não precisa se conformar às crenças de ninguém além dos criadores.

     

    Filme visto no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim, em fevereiro de 2018.

    Quer ver mais críticas?

    Comentários

    • Fernando Juarez
      Aposto que é um branco, hétero e de classe média falando. Vai estudar mais e respeitar o corpo alheio antes de vir dar esse tipo de discursinho de macho defensor dos bons costumes.
    • JBairro
      Pro adorocinema, filme pornográfico e bizarro é sinônimo de discursos progressistas e olhar empático às minorias. Ou seja, minoria só serve pra dar a bunda e votar em partido fascista/comunista.
    • JBairro
      Deve ser da espécie Traveco-Sapiens. Inteligência em alto nível.
    • Dio
      Viva. O fato de você usar seu orifício anal para fins de prazer não muda o que você é!
    • JBairro
      Destruição é não cuidar do seu corpo e deixa-lo como uma ferramenta sexual pra qualquer um. Deal with it.
    • Lucas Marcondes
      Já quebramos nosso armário, e agora macho alfa? Não tem mais pra onde fugir. Estamos vivas, ninguém esperava, né? Existimos e Re-existimos.
    • Allan Namate
      Senta. Senta. Senta e observa a SUA DESTRUIÇÃO
    • Danil BR
      Ótima crítica!
    • Danil BR
      Gente preconceituosa e ignorante é fogo, parecem doentes.
    • Rodrigo Torres
      Esses comentários... Deixa eu ficar quieto, deixa...
    • Vinicius G.
      Coisa Nojenta!
    • Dio
      Isso mesmo JBairro, até quando vamos compactuar com esse tipo de conteúdo?A humanidade agora esta ficando mais burra a cada dia? Da onde um pintudo agora pode ser considerado mulher? Que pouca vergonha. Na época dos meus avós apanhavam na cara de sinta. Tenho dito. Absurdo mesmo. Pouca vergonha. Depravados.
    • JBairro
      Só o que faltava ter que ficar sabendo que existe um filme que promove a bizarrice, a esquizofrenia e a falta de estudo em biologia (travesti não é mulher e mulher não tem pênis). É por isso que o cinema brasileiro será sempre uma bosta, desde que tenhamos cineastas nesse nível. Isso não é discurso progressista, é só discurso psicótico.
    Mostrar comentários
    Back to Top