Minha conta
    "Humor tem que ser para todos, chega de oprimir o oprimido", pede Leandro Hassum ao lançar Amor Sem Medida, seu novo filme da Netflix (Entrevista)
    18 de nov. de 2021 às 16:00
    Rafael Felizardo
    Rafael Felizardo
    -Redator
    Sonhador desde pequeno e apaixonado por cinema de A a Z, encontrou em David Lynch um modo de sonhar acordado.

    Com Leandro Hassum e Juliana Paes, a nova comédia romântica da Netflix aborda as barreiras do relacionamento entre uma mulher e um homem de baixa estatura.

    Filme que estreia hoje (18) no catálogo da NetflixAmor Sem Medida apresenta uma comédia romântica que conta com grandes nomes do cinema nacional. A convite da gigante do streaming, o AdoroCinema teve a oportunidade de conversar com o ator e humorista Leandro Hassum, um dos protagonistas do filme, em um papo descontraído que revelou, além de detalhes de bastidores, pensamentos importantes sobre o momento atual do audiovisual nacional, principalmente, o humor.

    No longa, a advogada divorciada, Ivana (Juliana Paes), se apaixona pelo carismático e conceituado cardiologista Ricardo Leão (Leandro Hassum), após ela acidentalmente perder seu celular. Contudo, a diferença exorbitante de suas alturas faz com que as coisas fiquem complicadas, principalmente em relação à família de Ivana. Será que ela está pronta para ouvir seu coração em vez de sua família?

    O elenco do filme ainda conta com as presenças de Marcelo LahamLuana MartauCarol PortesPietra HassumRafael Portugal e Rogerio Morgado. A direção fica por parte do cineasta Alê McHaddo.

    LEANDRO HASSUM ACREDITA EM UM HUMOR INCLUSIVO

    Anos atrás, o humor vivia um momento complicado, principalmente, nas TVs brasileiras, na época, a principal fonte de entretenimento popular. Com piadas sobre as mais diversas minorias, os programas apresentavam uma base humorística voltada para uma comédia que apostava em conteúdos ofensivos para determinados grupos minoritários.

    Em conversa sobre o atual momento vivido pelo humor, Hassum foi bastante direto em sua resposta, afirmando acreditar em uma comédia com viés inclusivo. O ator colocou que faz-se necessário, além do riso, a mensagem contida no filme, em uma forma de incluir o público e não de excluir.

    “Quando falamos de uma adaptação para um novo público, batemos sempre naquela tecla do ‘que não devemos falar’. Na rua, as pessoas costumam me perguntar: ‘Poxa, como deve estar difícil para vocês da comédia agora, né?' E eu sempre respondo: ‘Pelo contrário, agora está muito melhor’. Hoje, a comédia, aquela que eu decidi fazer, é a comédia de identificação e não de exclusão. Uma comédia onde o público se identifica com o que está vendo, seja no teatro, na tela da tv, no streaming, no cinema... Que através do humor, a gente consiga passar, não só a gargalhada, mas também a mensagem”, disse Leandro.

    A declaração do ator chega em bom momento, pois a Netflix, através do projeto Mais Brasil na Tela, vem inserindo cada vez mais títulos nacionais em seu catálogo, em um importante movimento para o cinema brasileiro. E se o nosso audiovisual pretende alçar novos rumos, que seja com uma frente voltada para a direção certa.

    “TEMOS QUE CADA VEZ MAIS TRAZER DIVERSAS CULTURAS PARA DENTRO DO CINEMA”

    Participante do projeto citado acima, e expoente cinematográfico nacional, Hassum afirmou que um de seus desejos é pela diversificação do cinema brasileiro, em um movimento que vai em direção ao de importantes entidades do cinema mundial, como a famosa premiação do Oscar.

    “O Brasil é um país de dimensões continentais, com vários países dentro, então, temos que cada vez mais trazer as mais diversas culturas, com mais abordagens sobre os indígenas e outros grupos. E que levemos essas culturas não só para os quatro cantos de nosso país, mas também para fora dele, de forma que modifique um pouco a forma com que as pessoas enxergam o Brasil. E ao meu ver, a Netflix tem exercido esse papel de forma brilhante. Um dos meus filmes passados, Tudo Bem no Natal que Vem, ficou em primeiro lugar na plataforma em vários países da Europa, por um bom tempo e isso é encantador. Levar nossas culturas e mostrá-la de várias formas”, comentou o ator.

    Dialogando sobre o assunto, Hassum ainda coloca que, a cada lugar que vai, tem vontade de produzir inúmeros longas-metragens sobre a cultura local, citando com carinho os blocos do Carnaval de Recife e dissertando sobre a importância de outros lugares tomarem conhecimento do folclore contido em nossas cidades, como dito, seja no Brasil ou fora dele.

    O ATOR JÁ TRABALHOU COM O DIRETOR ALÊ MCHADDO EM OUTRAS PRODUÇÕES

    Hassum e o diretor Alexandre Machado (Alê McHaddo é um pseudônimo) são amigos de longa data. Ao falar do cineasta, o ator abriu um grande sorriso, mostrando admiração por Alê ao contar sobre os projetos em que estiveram juntos. Além de Amor Sem Medida, os dois também trabalharam no longa O Amor Dá Trabalho e na animação Osmar - A Primeira Fatia do Pão de Forma, onde Leandro atuou na dublagem.

    Questionado sobre como era trabalhar com Alê, Hassum não poupou elogios: “Trabalhar com o Alê é maravilhoso. A gente ri das mesmas coisas e eu acho muito importante, em qualquer filme que eu faça, trabalhar com diretores que achem graça do humor que eu acho graça, pois, apesar de eu não interferir na direção, gosto de dar ideias sobre como determinadas piadas podem funcionar melhor para mim”. Ele ainda completa: “Ele é um ótimo cara, um ser humano maravilhoso. Quero trabalhar com Alê milhões de vezes. É uma parceria muito gostosa que traz descontração para o set”.

    Bem-humorado, Hassum ainda provocou, dizendo que Alê sonha em ser ator e afirmando que o diretor ainda protagonizará algum filme no futuro. Leandro também revelou que o cineasta tem o desejo de fazer O Amor Dá Trabalho 2, continuação de uma comédia romântica que também contou com a parceria dos dois.

    Leandro Hassum é o Adam Sandler brasileiro? Entenda a teoria!
    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top