Minha conta
    Marighella: "Não tenho dúvidas de que foi censurado", diz Wagner Moura sobre estreia polêmica na direção
    4 de nov. de 2021 às 10:00
    Aline Pereira
    Aline Pereira
    -Redatora | crítica
    Jornalista que ama boas histórias e combina a paixão por cinema e TV com comunicação para mergulhar ainda mais nos universos e personagens que já fazem brilhar os olhos. Pipoca, suspense, dramédia e uma pitada de reality são a receita perfeita para todos os dias.

    Filme sobre o revolucionário Carlos Marighella chega aos cinemas brasileiros após dois anos de adiamento. Ator e diretor Wagner Moura fala em censura à produção.

    Dois anos separam a estreia de Marighella no Festival de Berlim, em que foi aplaudido de pé, e a chegada do longa aos cinemas brasileiros em 4 de novembro de 2021. A data marca o aniversário de morte de Carlos Marighella, uma das principais lideranças na luta contra a ditadura militar nos anos 60 e, ao contar a história dos últimos anos de vida de seu protagonista, o diretor Wagner Moura vê grandes conexões com o cenário brasileiro atual - incluindo os empecilhos que envolveram o adiamento do filme. 

    “O filme foi proibido de estrear aqui, é um absurdo termos vivido isso. Fomos atacados desde o começo, na época em que estávamos financiando, durante as filmagens fomos ameaçados, depois houve todo o imbróglio com a Ancine”, disse Wagner Moura em entrevista ao AdoroCinema. Para o diretor e para a produtora de Marighella, Andrea Barata Ribeiro, não há dúvidas de que a produção foi censurada pela gestão mais recente da Agência Nacional do Cinema.

    “Marighella foi censurado”

    “Quero lembrar que a Ancine fez 20 anos e que em 18 deles esteve ao lado dos produtores brasileiros. Faz dois anos que a agência foi desmontada, que a cultura foi desmontada. Isso é uma forma de censura. Tiraram a diretoria e a que entrou não fazia o processo andar”, afirmou a produtora durante coletiva de imprensa realizada em São Paulo. Wagner Moura endossou a fala de Andrea, ressaltando ainda que Marighella não foi o único filme a ter o pedido para o lançamento negado:

    Não tenho a menor dúvida de que Marighella foi censurado. Os pedidos eram corriqueiros e num momento em que Bolsonaro falava abertamente sobre filtragem na Ancine, que a Ancine tinha que acabar. Não foi só com a gente. Era uma época em que falavam que não poderia ter um filme de Bruna Surfistinha, que editais LGBT eram cancelados inexplicavelmente. Os filhos de Bolsonaro foram ao Twitter imediatamente comemorar as negativas da Ancine

    Todo o processo conturbado acabou servindo como impulso para que a equipe e elenco lutassem pelo filme. “Vivemos situações complicadas, muitos ataques mentirosos. O próprio MBL, que hoje marcha contra Bolsonaro, colocou minha cara dizendo ‘Wagner Moura roubou milhões na Lei Rouanet'. Vivemos com pessoas dizendo que iam entrar no set para bater na gente. Mas quanto mais isso acontecia, mais unida estava a equipe para contar a história”, contou ao AdoroCinema.

    Quem foi Marighella?

    Artista, político e guerrilheiro, Carlos Marighella foi uma das principais figuras na luta contra a repressão da ditadura no Brasil até sua morte em 1969, quando foi assassinado por agentes do governo em uma emboscada. Considerado o “inimigo nº 1 do Brasil”, o guerrilheiro foi preso por subversão pela primeira vez em 1932, ao publicar um poema com críticas a líderes governamentais. Mais tarde, chegou a ser torturado na Era Vargas, até se eleger Deputado Federal em 1946. No ano do golpe militar, 1964, foi baleado dentro de um cinema - cena que está no filme - e partiu para a revolta armada, decisão que o tornou uma figura controversa dentro do movimento libertário - questão que também é ilustrada no filme de Wagner Moura

    Esse personagem importante da história do Brasil teve sua trajetória apagada pela narrativa oficial e o filme que fizemos devolve ao imaginário popular a figura de um homem importante. Você pode gostar dele ou não

    No longa, o protagonista é interpretado por Seu Jorge, mas o papel, a princípio, seria de Mano Brown, que não pode participar por conta de conflitos de disponibilidade. “Minha primeira opção era Mano Brown porque, simbolicamente, para mim representa muito do que Marighella foi. Um poeta, um homem que não fazia concessões”, analisa o ator de Tropa de Elite

    Golpe de 1964: Relembre filmes que retratam a ditadura militar no Brasil

    Estreia de Wagner Moura na direção

    Além de ser um marco para o cinema nacional, Marighella marca também a estreia de Wagner Moura como diretor, um trabalho que mescla a experiência dele como ator em grandes produções internacionais, como Narcos e Sergio, disponíveis no catálogo da Netflix, e as referências de diretores com quem já trabalhou. “O próprio José Padilha [diretor de Tropa de Elite] é uma referência para mim e me ensinou que o cinema político pode ser popular. Esse é um filme dirigido por um ator, tem a minha energia de ator. A câmera sou eu querendo entender quem são aquelas pessoas, aqueles personagens”, explicou.

    Ovacionado no Festival de Berlim e elogiado pelo New York Times, o longa também foi muito bem visto por “colegas” famosos de Wagner Moura, como Brian De Palma, diretor de Scarface, Missão Impossível, entre outros. “Mostrei o filmes para algumas pessoas e muitos dos comentários vêm sobre a forma como filmamos, o trabalho dos atores. Brian De Palma ficou muito impressionado com o plano sequência do início”, contou. 

    Elenco de Marighella

    Além de Seu Jorge no papel principal, Marighella conta com outros nomes famosos da TV no elenco, tendo Bruno Gagliasso como um dos grandes destaques. Antagonista da história, seu personagem é o detetive de polícia que está na linha de frente da caçada ao guerrilheiro e expõe a violência cometida com aval do governo durante a ditadura. “Na primeira vez em que assisti ao filme tive uma crise de choro e muita vontade de vomitar. É um personagem real, não é só da ficção, e chegar neste lugar foi muito difícil”, disse o ator ao AdoroCinema, refletindo também sobre os adiamentos da estreia.

    “Acho que o filme vai se adaptando ao tempo e está ficando cada vez mais forte, mais atual. Cada ano que foi censurado só o tornou mais reflexo da nossa realidade. Do hoje. A gente vê o que aconteceu no passado, e estamos o vendo bem próximo do presente. É um filme para ficarmos atentos”, conclui.

    Completam o elenco principal do filme Adriana Esteves, Bella Camero, Humberto CarrãoPastor Henrique Vieira e Maria Marighella, neta de Carlos Marighella.

    Marighella
    Marighella
    Data de lançamento 2 de janeiro de 2020 | 2h 35min
    Criador(es): Wagner Moura
    Com Seu Jorge, Adriana Esteves, Bruno Gagliasso
    Usuários
    1,5
    Adorocinema
    3,5
    Assista agora

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top