Minha conta
    Janela de Cinema 2017: Dois filmes em competição mostram o papel da arte em tempos de golpe de Estado
    Por Bruno Carmelo — 9 de nov. de 2017 às 13:05

    O Gênero e Era uma Vez Brasília foram os destaques da quarta-feira.

    No X Janela Internacional de Cinema do Recife, a quarta-feira, 8 de novembro, foi o dia de descobrir três novos filmes em competição: o russo O Gênero, o franco-mexicano O Peixe e o brasileiro Era uma Vez Brasília.

    "Isso é asqueroso, delirante"

    O melhor filme do dia foi o inventivo O Gênero, de Klim Kozinsky. A partir de materiais de arquivo em VHS, o cineasta retrata o cotidiano de uma trupe de teatro politizada, que prepara uma nova peça ao mesmo tempo em que descobre o Putsch de Moscou, em 1991, que contribuiu ao fim da União Soviética.

    Passado inteiramente dentro do porão onde os artistas ensaiavam, o projeto consegue mostrar como a política influencia a vida dos cidadãos, e de que modo os artistas têm como responsabilidade imprimir uma visão de mundo em suas obras. Já que a trupe adota um estilo anárquico e agressivo, o cineasta faz o mesmo com a edição, chegando a um resultado voluntariamente fragmentado, excessivo - como se a loucura fosse a única maneira de representar os tempos de golpe.

    Uma distopia chamada Brasília

    Após o ótimo Branco Sai, Preto Fica, o diretor Adirley Queirós aposta em mais uma ficção científica politizada e de baixíssimo orçamento, situada na Ceilândia. Em Era Uma Vez Brasília, mostra um viajante extraterrestre encarregado de matar Juscelino Kubitschek. No entanto, o invasor chegar tarde demais ao país, a tempo de presenciar o golpe de 2016 contra Dilma Rousseff. 

    O comentário político faz um bom recorte dos discursos oficiais de Dilma, Juscelino e mesmo de Temer. No entanto, o vigor do filme anterior do cineasta se perde. O cineasta estica ao máximo a duração de seus planos sem saber ao certo como ocupar a figura do extraterrestre ou como representar o caos da política brasileira para além dos materiais sonoros. Se o episódio específico que serviu de motor para Branco Sai, Preto Fica foi tratado de modo potente, a intenção de expandir o escopo e falar da política de modo geral, como uma abstração, se revela frustrante.

    Leia a nossa crítica

    A magia, e daí?

    Um artista de rua leva uma vida pacata. Até uma pessoa próxima, dentro de sua casa, se transformar em peixe. O diretor Martin Verdet parte de uma premissa fantástica para mostrar que, afinal, nada vai mudar na vida do protagonista: ele simplesmente passa a cuidar do peixinho. A magia não altera a vida de ninguém, e todos acatam a transformação com tranquilidade.

    O Peixe brinca com a mistura inusitada entre a estética próxima ao documentário e as quebras com a realidade. Para a surpresa do próprio cineasta, o filme já participou de dois festivais dedicados exclusivamente a documentários. A premissa é interessante, assim como a ideia de frustrar a expectativa do espectador. Mas o projeto não oferece muito mais do que isso, revelando-se pobre em construção estética e de roteiro.

    Confira as críticas do AdoroCinema sobre os longas-metragens do X Janela: 120 Batimentos Por Minuto A Moça do Calendário A Trama Açúcar Arábia As Boas Maneiras BaronesaBush Mama Contatos Imediatos do Terceiro Grau Era Uma Vez Brasília Filhas do Pó Gabriel e a MontanhaGarota Negra Invisível Me Chame Pelo Seu Nome O Animal Cordial O Nó do Diabo Pela JanelaQue o Verão Nunca Mais Volte Verão 1993 Zama

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top