Minha conta
    Oz, Mágico e Poderoso
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    Oz, Mágico e Poderoso

    Colorido e grandioso

    por Roberto Cunha
    A turma que aprecia filmes baseados em histórias com grande longevidade tem uma opção e tanto chegando nos cinemas. Inspirado no clássico "O Mágico de Oz", escrito por Lyman Frank Baum no distante ano de 1900, Oz, Mágico e Poderoso pega carona no mundo encantado já retratado no clássico O Mágico de Oz (1939), mas sua trama se passa antes do que já foi apresentado no passado.

    Foto - FILM - Oz: The Great and Powerful : 180655Oscar (James Franco) trabalha como ilusionista em um circo itinerante. Tremendo 171 e chegadão num rabo de saia, gosta de iludir moçoilas e se dar bem financeiramente, não necessariamente nessa ordem. Um dia, se mete numa confusão, precisa fugir rapidinho e é aí que acaba indo parar no mundo de Oz. Lá, conhece lindas mulheres, muitas riquezas e uma certa "profecia" sobre a sua chegada. Mais feliz que pinto no lixo com tanta coisa boa reunida, sua alegria só dá uma freada quando descobre que precisará enfrentar perigos, o que não é bem a especialidade do covardão. Mas aí a aventura já começou e ele vai ter que se virar para sair dessa.

    Foto - FILM - Oz: The Great and Powerful : 180655No elenco, Franco injeta seu jeitão despojado ao personagem, enquanto Mila Kunis, Rachel Weisz e Michelle Williams dão graça às suas bruxas. Talvez, a virada do personagem de Kunis mereça algum destaque. Como era esperado, o deslumbre vai mesmo para cenários, figurinos e efeitos especiais, tudo de gente indicada ou premiada com o Oscar. A estatueta, né? Não o pilantrão que até tenta uma ligação entre seu nome Os(car) e Oz. Vale lembrar a abertura em preto & branco, assim como as sequências iniciais, que são muito legais, inclusive em 3D, que é show. Entre as curiosidades, uma bonita homenagem ao inventor Thomas Alva Edison e ao cinema.

    Foto - FILM - Oz: The Great and Powerful : 180655Produzido por Joe Roth, o mesmo da bem sucedida adaptação Alice no País das Maravilhas (2010), tocada pelo excêntrico Tim Burton, a opção agora também foi por um cineasta que foge dos padrões, digamos, normais. Popular pela trilogia Homem-Aranha (2002-2004-2007) e conhecido por filmes de horror singulares, misturando medo e humor, Sam Raimi contou com um time de bambas, entre eles, o oscarizado diretor de arte Robert Stromberg (Avatar) e o eterno Danny "Oingo Boingo" Elfman, quatro vezes indicado ao prêmio da Academia por suas trilhas sonoras.

    O resultado final é um filme redondo. Se prima pelas qualidades técnicas, o mesmo não pode ser dito do roteiro, que tem humor, boas sequências, mas carece de um ritmo que mergulhe o espectador naquele universo e não o transforme apenas em mero observador. Cheinho de criaturas interessantes, como um esperto macaco alado e uma menina de porcelana danadinha, não faltarão outros seres de nomes e aparências igualmente incomuns, que encherão os olhos de quem procura esse tipo de diversão. Assim, Oz é colorido e grandioso, mas o preto no branco das bilheterias será determinado por pessoas como você, que irão dizer se valeu ou não fazer essa viagem.
    Quer ver mais críticas?

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top