Meu AdoroCinema
Submersão: James McAvoy fala sobre a “profundidade do afeto e da intelectualidade” no novo filme de Wim Wenders (Entrevista)
Por Renato Hermsdorff, com a colaboração de Renato Furtado — 15/04/2018 às 09:12
facebook Tweet G+Google

Ou: ‘Professor Xavier conta como foi filmar cenas românticas com a esposa do Magneto’.

Getty Images

Baseado no elogiado romance homônimo escrito por J.M. Ledgard, Submersão, novo filme do cultuado Wim Wenders, não é para os fracos. Pelo menos, não para aqueles que carecem de massa encefálica. Dividido em duas (três?) linhas narrativas, a produção relembra como James More (James McAvoy) e Danielle Flinders (Alicia Vikander) se conheceram - e se apaixonaram.

No tempo “presente”, no entanto, eles se encontram a quilômetros de distância um do outro. Ele, capturado por jihadistas na Somália, é torturado, suspeito de ser um espião infiltrado para reportar atividades da al-Qaeda na região. Ela, uma biomatemática, está prestes a embarcar numa missão até o fundo do oceano.

Divulgação

“As conversas deles não eram divertidas, eram quase acadêmicas, e o filme responde à altura em relação à profundidade do afeto e da intelectualidade”, disse o ator protagonista, em entrevista ao AdoroCinema, no último Festival de Toronto (TIFF), em setembro, quando o filme estreou mundialmente.

Na ocasião, o intérprete do Professor Xavier na saga X-Men (de cabelos raspados para viver outro “careca”, na sequência de Fragmentado) falou sobre o exaustivo cronograma de filmagem (a produção teve locações na Alemanha, Espanha, França - especialmente na região da Normandia -, Djibuti e Ilhas Féroe - um território da Dinamarca, entre a Escócia e a Islândia) e respondeu se foi "estranho" beijar a namoradinha de um amigo dele. (Ou, traduzindo para a linguagem do clickbait, “Professor Xavier conta como foi filmar cenas românticas com a esposa do Magneto”).

Confira, abaixo, os principais trechos da entrevista. Submergence (no original) estreia no próximo dia 19 de abril nos cinemas brasileiros.

Divulgação

Você conseguiu imaginar a história por completo na primeira vez que leu o roteiro?

Sim, consegui. Mas apenas confiei no que achei ser um casal articulado, inteligente, filosófico e científico, especialmente olhando pelo ângulo da personagem dela. As conversas deles não eram divertidas, eram quase acadêmicas, e o filme responde à altura em relação à profundidade do afeto e da intelectualidade. Mas em termos de ver como tudo funcionaria junto, não entendi muito bem. Quando você entrelaça várias linhas narrativas no roteiro, acho que é muito raro que o filme saia exatamente daquele jeito. Se é um quebra-cabeças no papel, será um quebra-cabeças ainda maior no corte final.

Você já tinha dito que se acha parecido com seu personagem. Por quê?

Não sei… Eu não interpretei um personagem, por assim dizer. Interpretei a mim mesmo como se eu vivesse um estilo de vida muito diferente, tivesse um trabalho muito diferente. E é claro que isso o faz ser outra pessoa, que não sou eu. Ele teve experiências que nunca terei, mas ele era mais parecido comigo do que vários outros personagens que já interpretei.

Divulgação

Na prática, como foi filmar em diversas locações?

No final de semana, eu enlouquecia. Usava muitas drogas, bebia, comia tudo que podia. Não, estou brincando [risos]. Mas eu tentei relaxar um pouco nos finais de semana. O Djibuti é um país relativamente seguro e foi por isso que escolhemos filmar lá. É um bom local para reproduzir a Somália. Mas a infraestrutura foi um desafio para nós lá, especialmente para uma produção do nosso tamanho. Não chegamos lá com centenas de milhões de dólares. Foi uma filmagem estilo antigo e esquisita, mas foi divertida. Pude filmar em mais países em uma só produção do que já filmei no resto da minha vida inteira.

Você conseguiu sair do cronograma de filmagens em Djibuti para conhecer o local?

Quando faço um filme em um país estrangeiro, vejo o lugar de outra forma. Ganho acesso a comunidades e conheço pessoas que eu não conheceria ou que teria que me esforçar muito para conhecer se eu estivesse de férias. Então, uma das coisas que adoro ao viajar para filmar é este acesso que ganho. Pude conhecer um dos menores vilarejos de Djibuti e passear por lá durante três ou quatro dias. Mesmo com as filmagens, você consegue andar pelas ruas e sentar nas calçadas e em dez minutos, você ganha uma experiência que nunca teria se estivesse de férias. E se você achar que está em perigo, sempre pode correr de volta para a segurança da equipe de 50 pessoas que está te acompanhando. Adoro viajar para filmar.

Divulgação

Você já conhecia Alicia Vikander, certo?

Eu já a conhecia por causa do Michael Fassbender [a atriz é esposa do ator que dá vida ao Magneto no universo X-Men], mas não muito. Nos conhecemos [melhor] no set.

Não é estranho fazer cenas românticas com a esposa do seu amigo?

Não. Eu fui casado com uma atriz [Anne-Marie Duff] durante nove anos, vivi com ela durante 13. E nós tínhamos que fazer várias cenas românticas com outras pessoas. É parte do trabalho. Não foi esquisito para mim. Espero que não tenha sido esquisito para ela.

Submersão Trailer Legendado

 

facebook Tweet G+Google
Links relacionados
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
Uma Quase Dupla Trailer
O Orgulho Trailer Legendado
Ilha dos Cachorros Trailer Legendado
Bergman - 100 Anos Trailer Legendado
Tio Drew Trailer (1) Legendado
A Freira Trailer Legendado
Todos os últimos trailers
Notícias de cinema Entrevistas
FIM 2018: Zezé Motta aponta falta de diversidade no mercado audiovisual (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
quinta-feira, 12 de julho de 2018
FIM 2018: Zezé Motta aponta falta de diversidade no mercado audiovisual (Exclusivo)
'Estou feliz em fazer um filme que meus filhos podem assistir', comemora Lázaro Ramos sobre a chance de dublar O Grinch (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
quinta-feira, 12 de julho de 2018
'Estou feliz em fazer um filme que meus filhos podem assistir', comemora Lázaro Ramos sobre a chance de dublar O Grinch (Exclusivo)
Últimas notícias de cinema Entrevistas
Filmes da semana
de 12/07/2018
Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas
Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas
Diretor: Genndy Tartakovsky
Trailer
Arranha-Céu: Coragem Sem Limite
Arranha-Céu: Coragem Sem Limite
Diretor: Rawson Marshall Thurber
Elenco: Dwayne Johnson, Neve Campbell, Chin Han
Trailer
Muse: Drones World Tour
Muse: Drones World Tour
Diretor: Jan Willem Schram, Tom Kirk
Elenco: Matt Bellamy, Christopher Wolstenholme, Dominic Howard
Uma Casa à Beira-Mar
Uma Casa à Beira-Mar
Diretor: Robert Guédiguian
Elenco: Ariane Ascaride, Jean-Pierre Darroussin, Gérard Meylan
Trailer
Hannah
Hannah
Diretor: Andrea Pallaoro
Elenco: Charlotte Rampling, André Wilms, Stéphanie Van Vyve
Trailer
Primavera em Casablanca
Primavera em Casablanca
Diretor: Nabil Ayouch
Elenco: Maryam Touzani, Arieh Worthalter, Dounia Binebine
Trailer
Lançamentos da semana
Filmes mais esperados
  • Uma Quase Dupla
    Uma Quase Dupla

    de Marcus Baldini

    com Tatá Werneck, Cauã Reymond

    Filme - Comédia

    Trailer
  • A Freira
  • Missão Impossível - Efeito Fallout
  • Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo
  • Megatubarão
  • Todo Dia
  • Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas
  • Ilha dos Cachorros
  • O Protetor 2
  • Bohemian Rhapsody
Filmes mais esperados
Back to Top