Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Bingo - O Rei das Manhãs é "a história de um super-herói brasileiro", explica o produtor Dan Klabin (Exclusivo)
    Por Bruno Carmelo — 22 de ago. de 2017 às 17:05
    facebook Tweet

    Sobre heróis, drogas e religião.

    Nesta quinta-feira, 24 de agosto, chega aos cinemas uma história de vida pouco conhecida pelo público: Bingo - O Rei das Manhãs, história baseada na vida de Arlindo Barreto, o primeiro intérprete do palhaço Bozo no Brasil. Vladimir Brichta encarna o símbolo infantil que se tornou líder de audiência, embora a fama o tenha levado à vida de excessos digna de um rockstar.

    O AdoroCinema conversou com Dan Klabin, um dos produtores desta história, ao lado de Caio Gullane e Fabiano Gullane. Foi Klabin quem lançou a ideia de levar a trajetória de Arlindo aos cinemas, e reuniu a equipe necessária para o filme. Ele explica as motivações para consagrar dez anos ao amadurecimento deste projeto. Para o produtor, o homem por trás da maquiagem é nada menos que um super-herói:

    Elite Magazine
    O produtor Dan Klabin

    Heróis brasileiros

    Dan Klabin: "Comecei a procurar personagens brasileiros com histórias interessantes para contar no cinema. Fiz uma entrevista sobre os heróis do cinema brasileiro, na época pré-Tropa de Elite 2. As maiores bilheterias nacionais eram Dona Flor e Seus Dois Maridos, o Jeca Tatu do Mazzaroppi e O Trapalhão nas Minas do Rei Salomão. O que eles tinham em comum era a malandragem, o jeitinho. Então fui pesquisando e encontrei esse palhaço doidão, dos anos 1980.

    Eu cresci vendo estes símbolos na televisão, mas sem saber quem ele era. Na adolescência surgiu o mito do palhaço doidão que fazia filme pornô. Era algo que mexia com a imaginação. Li uma entrevista com o Arlindo Barreto e descobri que a história dele tinha sido muito mal contada, manipulada para ele parecer um sujeito que só fez coisas erradas. Para mim, não era isso: eu vi um super-herói brasileiro que nadou contra a corrente para conquistar o sucesso. Isso subiu à cabeça e gerou problemas, mas hoje ele é feliz, um homem de família que eu passei a admirar muito".

    Vladimir Brichta como Augusto Mendes / Bingo

    Convencendo o palhaço

    Dan Klabin: "Ele não acreditou em mim no começo, disse que um psiquiatra também falou que a vida dele daria um filme. Quando eu liguei, tinha certeza de que alguém já estaria fazendo esse projeto. Mas não tinha ninguém: ele estava sozinho, precisando de atenção. Fui até a igreja em que ele é pastor, na Baixada Fluminense. Ele nunca tinha me visto pessoalmente, e ele começou a puxar jovens. Ele me pegou pela mão e me disse: 'Vem renovar os seus votos com Jesus!'. Então eu falei que estava lá para falar sobre o filme.

    Expliquei que não tinha a menor intenção de fazer uma pornochanchada da vida dele. Eu estava buscando um Super-Homem brasileiro, e ele era essa pessoa. Ele era um palhaço super famoso, mas que ninguém conhecia, e com muito poder. Na vida civil, ele era um desconhecido, um Clark Kent. O Arlindo é a realeza da nossa cultura pop, por ser o filho da Márcia de Windsor. Uma geração acima da nossa lembrava dela como celebridade, símbolo de elegância. O Arlindo cresceu aparecendo nas revistas".

    O verdadeiro Arlindo Barreto nos dias de hoje

    Selecionando partes da história real

    Dan Klabin: "O Arlindo gosta muito de falar do passado dele, ele vive disso atualmente. O Luiz Bolognesi [roteirista] tinha 12 horas de entrevista para montar o roteiro, e teve que jogar fora muitas histórias de vida maravilhosas. Quando fechamos o acordo, ele disse que a gente poderia usar tudo que ele falasse. A única preocupação era não zombar da imagem dele como pastor.

    Todas as mudanças foram relacionadas ao respeito, mas pensando na liberdade de expressão: ou alteramos elementos para não ferir ninguém envolvido, ou cortamos coisas para caber na história. Na época dele, por exemplo, tinha uma rivalidade com o palhaço Luís Ricardo. Isso daria um filme por si só, mas preferimos excluir. A questão da cocaína foi delicada: o Arlindo nunca falava explicitamente que usava cocaína, mas ele dizia que depois de "noites intensas", o nariz dele sangrava... Foram escolhas artísticas do Daniel Rezende [diretor] mostrar por questão de praticidade e eficiência de produção".

    Vladimir Brichta (Bingo) e Emmanuelle Araújo (Gretchen)

    Moral, costumes e religião evangélica

    Dan Klabin: "A gente nunca quis fazer um filme religioso. Eu gosto da parte da religião, sei que outros na equipe achavam menos interessante. Nunca quisemos que o projeto tivesse uma identidade religiosa, mas é inegável que a religião salvou a vida desse homem. A gente pode dizer o que quiser, mas sem a religião, ele estaria morto. Ele precisava de outro lugar para canalizar esta energia, e a religião foi esse caminho.

    Eu queria que a religião estivesse presente de uma forma ou de outra, mas não pretendia que isso selecionasse o público, porque é um filme para todo mundo, para brasileiros. Seja católico, judeu, muçulmano, pouco importa. Se for brasileiro, vai se identificar com esses tempos e com essa história. De modo geral, todos nós admirávamos o que ele nos contava. Talvez tudo seja mentira: ele é um cara criativo! Só essa criatividade, para mim, já era interessante. Não era a verdade que interessava, e sim esta história. É curioso fazer a biografia de uma pessoa viva".

    Augusto Mendes (Vladimir Brichta) e Lúcia (Leandra Leal)

    Biografia hollywoodiana?

    Dan Klabin: "É exatamente isso que eu queria fazer como produtor: um filme do nível de uma produção americana, francesa, inglesa. No Brasil, a gente tem os profissionais mais incríveis do mundo: Cássio Amarante, Lula Carvalho, Daniel Rezende... É uma equipe que poderia trabalhar com qualquer diretor do mundo. A qualidade do nosso cinema é muito boa, a gente só tem uma carência de temas. Ainda temos um pouco de vergonha em assumir a nossa identidade. Falo por experiência própria, porque é um trabalho constante que faço comigo mesmo.

    Estou trabalhando agora em outra biografia, sobre o Sidney Magal. O projeto também tem um olhar não-biográfico: é uma história de amor baseada em fatos reais. Como produtor, posso dizer que biografias ajudam muito no Brasil. Para potenciais investidores, é diferente falar que tenho uma ideia sobre uma corrida de motos, por exemplo, ou uma história sobre o Sidney Magal. Esse é um nome que o produtor conhece, é mais fácil convencê-lo a investir. Quando você pega o dinheiro das pessoas, é como um casamento, você tem uma responsabilidade enorme com aquela pessoa. No caso das biografias, é mais fácil".

    Peter (Soren Hellerup), Lúcia (Leandra Leal) e Bingo (Vladimir Brichta)

    Conquistando os patrocinadores

    Dan Klabin: "Foi extremamente difícil convencer marcas a investirem, por causa da temática de sexo, drogas e rock'n'roll. O nosso sistema de financiamento deixa as marcas usarem isso como um lobby pessoal, mas nenhuma marca queria ser associada a sexo e drogas.

    Esse era um filme em que eu queria ter trabalhado com product placement. Por exemplo, na cena em que o Augusto conserta a televisão para a mãe, ele poderia colocar Bombril na antena. Na festa, eu pensei em usar o ator-publicitário que faz todas as propagandas da Bombril, e todo mundo reconheceria ele. Mas as marcas não se animaram para isso".

    Vasconcelos (Augusto Madeira) e Bingo (Vladimir Brichta)

    Conquistando adultos e adolescentes

    Dan Klabin: "Hoje em dia, o palhaço é uma figura para adultos. Não tenho visto muitas crianças interessadas nele, elas sentem medo em geral. Ainda tem a coincidência: logo depois do Bingo vem o It - A Coisa... Os anos 1980 estão na moda de novo, viraram tendência. De repente, vem uma maré favorável ao filme. Tem o lado nostálgico: eu queria fazer um filme que contasse a história da minha geração com orgulho".

    Para quem não viveu a época, vai ser diferente, mas acredito que os jovens vão gostar muito. A gente não costuma contar essa história por vergonha. Mas ela história aconteceu, ela é linda, colorida, pop. Quando eu mostrei a ideia ao Daniel Rezende, eu disse: "Se você gostar, a gente embarca nessa, mas tem que ser muito pop. A nossa cultura hoje é pop". Nós somos animais viciados em televisão. Também tem o YouTube: os maiores youtubers do mundo são brasileiros.

    O YouTube deu a chance para o talento: se você é corajoso e tem talento, com um celular na mão você faz um canal de sucesso. O Kondzilla é um caso exemplar. Como cineasta, ele foi genial quando decidiu fazer clipes de funk brasileiro. Ninguém dava bola para isso, porque o funkeiro não tem apoio das rádios, da televisão. Hoje o criador do Kondzilla é milionário. Bingo, para mim, é isso: quando eu vejo um buraco no mercado, eu quero tapar. Quando vi essa história, quis preencher esse buraco nos nossos cinemas".

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top