Meu AdoroCinema
  • Meus amigos
  • Meus cinemas
  • Notas Express
  • Minha coleção
  • Minha conta
  • Promoções
  • Desconectar
Entrevista: "Cordilheiras no Mar é um pequeno comício contra a intolerância", afirma o diretor Geneton Moraes Neto
Por Bruno Carmelo — 23/06/2015 às 11:00
facebook Tweet

Exibido na mostra competitiva do Cine Ceará 2015, Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro examina o posicionamento político de Glauber Rocha no fim da ditadura.

Chico Gadelha

O diretor Geneton Moraes Neto apresentou no Cine Ceará 2015 o documentário Cordilheiras no Mar: a Fúria do Fogo Bárbaro. O público que já conhecia a filmografia de Glauber Rocha descobriu o lado político do artista baiano, incluindo depoimentos de dezenas de diretores e personalidades do cenário cultural brasileiro, como Cacá Diegues, Caetano Veloso, Carlos Heitor Cony, Arnaldo Jabor, Paulo César Pereio...

O diretor conversou em exclusividade com o AdoroCinema sobre este projeto. Muito amigável e franco, ele explicou as suas escolhas estéticas para o projeto, comentou a atual situação política nacional e destacou as dificuldades de fazer cinema documentário no Brasil. Confira:

Aderbal Freire Filho em Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro

O cinema brasileiro já fez dezenas de filmes sobre Glauber Rocha. Quais novidades você pretendia trazer ao projeto?

A esquisitice deste filme é ser um filme sobre Glauber Rocha, mas que não trata de cinema. É sobre política, e sobre o Brasil. O processo foi longo, complicado e muito pessoal. Só tem sentido fazer cinema se for algo minimamente pessoal, e se você enxergar a chance de fazer filmes como a oportunidade de realizar a sua loucura, o seu sonho. Recentemente, eu vi uma entrevista do Eduardo Coutinho, dizendo que só vale a pena fazer um documentário se você botar na cabeça que aquela entrevista gravada quarta-feira, às duas horas da tarde, no sertão da Paraíba, é um caso de vida ou morte. Você precisa criar uma necessidade vital!

Quem olhar de fora pode achar ridículo: ninguém me pediu para fazer esse filme sobre Glauber Rocha. Se eu não tivesse feito, não faria nenhuma diferença para o resto da humanidade. Mas eu me convenci de que tinha que fazer esse filme de qualquer maneira, porque tal situação com tal entrevistado nunca iria se repetir. É preciso captar aquilo desesperadamente!

Geneton Moraes Neto apresenta Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro na mostra competitiva do Cine Ceará 2015

O resultado é bastante radical.

Para mim, não tinha sentido fazer um documentário em forma de pastiche, como uma matéria de televisão. Eu decidi correr riscos, me aventurar em certas coisas. Mas a escolha dos atores não foi casual: o Paulo César Pereio aparece em Terra em Transe, a Ana Maria Magalhães está em A Idade da Terra... Decidi fazer aquilo com os textos que escrevi, num tom meio operístico, meio exaltado. É impossível fazer um filme sussurrado sobre Glauber Rocha, sobre o Brasil. Não daria para ser algo tipo bossa nova, com todo o respeito! Precisava ser incendiário! Os depoimentos também não foram casuais, e nem dizem “Eu acho...” As pessoas relatam o que viram, ouviram, com certeza. Essa era uma preocupação desde a captação até a finalização.

Você escolheu retratar apenas pessoas que concordam com a posição política de Glauber. Por que não incluiu vozes contrárias?

Algumas pessoas reconhecem que, na época, não concordavam com o Glauber, nem entenderam naquele tempo o posicionamento do Glauber. Ele enxergou na frente de todo mundo, e historicamente, ele estava certo. O Brasil estava em um impasse dramático no final do governo Médici e no início do governo Geisel. A luta armada, eventualmente bem-intencionada, tinha dado errado. As pessoas estavam se matando... Hoje a gente precisa perguntar: a gente vai continuar se matando, ou vai buscar brechas?

O filme não é uma apologia a Glauber Rocha, mas acho que fica claro que ele enxergou na frente dos outros. Dá para ver um mea culpa do Cacá Diegues na época... Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro funciona como um pequeno comício contra as intolerâncias.

O co-diretor Cláudio Jaborandy em cena de Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro

Qual é a relevância de apresentar um filme tão corrosivo no atual cenário político brasileiro? 

Infelizmente, o filme ganhou uma atualidade inesperada. Hoje, em uma democracia total, estamos vivendo uma época de intolerância, de radicalismo. É um motivo a mais para celebrar o pensamento de Glauber Rocha. Não se pode enxergar um país completo e fascinante como o Brasil de maneira tão banal, com briguinhas entre PT e PSDB. Se alguém acha o Fernando Henrique simpático, dizem “Então você é de direita!”, ou se dizem que acham a Dilma bonitinha, lá vem um “Então você é um bandido!”.

Isso é muito pequeno. Enquanto isso, o Brasil merece um debate muito maior, inclusive para as gerações que vêm depois. Não se pode abandonar o sonho que moveu o Brasil durante gerações. Ariano Suassuna dizia: “O Brasil não pode se conformar em ser uma cópia de terceira categoria dos Estados Unidos”. Vamos virar o quê? Uma grande Miami?

Paulo César Pereio em Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro

Quanto ao estilo do filme, você optou por se concentrar nos depoimentos. Existe uma verdadeira paixão pelo texto e pelas palavras.

É talking heads! Eu sabia que seria meio “cabeças falantes” mesmo. Não pensei em fazer muito malabarismo formal. É quase como se eu estivesse me desculpando, para bajular o espectador. Em Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro, eu cheguei ao limite do que poderia fazer. Nas primeiras versões, tinham mais de duas horas de filme, depois baixei para 1h50, terminou com 1h38. Não dava para cortar mais, eu já tinha chegado no supra sumo das entrevistas. Este filme não vai passar no circuito comercial: ele vai passar pelos festivais, depois vai ao Canal Brasil, então quem quiser ver, vai ver, quem não quiser ver, pode sair, desligar a TV ou ver a Xuxa.

Mesmo assim, eu tinha uma preocupação de ritmo, queria evitar algo soporífero, por isso mantive o tom épico, onírico. Como nas cenas do Palácio do Catete, com os corredores vazios até chegar no Getúlio Vargas... Do mesmo modo, o parque Lage foi escolhido tanto pela beleza do lugar quanto pela citação indireta a Terra em Transe. Além disso, foi lá o velório do Glauber Rocha.

facebook Tweet
Links relacionados
Pela web
Comentários
Mostrar comentários
Siga o AdoroCinema
Trailers
Toy Story 4 Trailer Dublado
Casal Improvável Trailer Legendado
Graças a Deus Trailer Legendado
Deslembro Teaser Legendado
Espírito Jovem Trailer Legendado
Homem-Aranha: Longe de Casa Trailer (3) Legendado
Todos os últimos trailers
Notícias de cinema Entrevistas
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "A política só existe com o debate de ideias", garante Pierre Schoeller, diretor de A Revolução em Paris (Exclusivo)
NOTÍCIAS - Entrevistas
sexta-feira, 14 de junho de 2019
Festival Varilux de Cinema Francês 2019: "A política só existe com o debate de ideias", garante Pierre Schoeller, diretor de A Revolução em Paris (Exclusivo)
Homens de Preto Internacional: Tessa Thompson comenta estreia com o uniforme e reencontro com Chris Hemsworth (Entrevista Exclusiva)
NOTÍCIAS - Entrevistas
domingo, 9 de junho de 2019
Homens de Preto Internacional: Tessa Thompson comenta estreia com o uniforme e reencontro com Chris Hemsworth (Entrevista Exclusiva)
Últimas notícias de cinema Entrevistas
Filmes da semana
de 13/06/2019
MIB: Homens de Preto – Internacional
MIB: Homens de Preto – Internacional
Diretor: F. Gary Gray
Elenco: Tessa Thompson, Chris Hemsworth, Liam Neeson
Trailer
Obsessão
Obsessão
Diretor: Neil Jordan
Elenco: Isabelle Huppert, Chloë Grace Moretz, Maika Monroe
Trailer
Fora de Série
Fora de Série
Diretor: Olivia Wilde
Elenco: Beanie Feldstein, Kaitlyn Dever, Billie Lourd
Trailer
A Lenda de Golem
A Lenda de Golem
Diretor: Doron Paz, Yoav Paz
Elenco: Hani Furstenberg, Ishai Golan, Brynie Furstenberg
Trailer
Dor e Glória
Dor e Glória
Diretor: Pedro Almodóvar
Elenco: Antonio Banderas, Asier Etxeandia, Leonardo Sbaraglia
Trailer
Eu Não Sou uma Bruxa
Eu Não Sou uma Bruxa
Diretor: Rungano Nyoni
Elenco: Margaret Mulubwa, Henry B.J. Phiri, Gloria Huwiler
Trailer
Lançamentos da semana
Filmes mais esperados
  • Homem-Aranha: Longe de Casa
    Homem-Aranha: Longe de Casa

    de Jon Watts

    com Tom Holland, Jake Gyllenhaal

    Filme - Ação

    Trailer
  • O Rei Leão
  • Annabelle 3: De Volta para Casa
  • Turma da Mônica - Laços
  • Pets - A Vida Secreta dos Bichos 2
  • It - Capítulo 2
  • Doutor Sono
  • Rambo: Até o Fim
  • Frozen 2
  • Histórias Assustadoras para Contar no Escuro
Filmes mais esperados
Back to Top