Meu AdoroCinema
Han Solo: Uma História Star Wars
Críticas AdoroCinema
3,5
Bom
Han Solo: Uma História Star Wars

Comédia de aventura

por

Quando a Disney e a Lucasfilm decidiram criar uma história independente sobre Han Solo, estavam mirando em uma oportunidade única: utilizar o personagem mais divertido da franquia original para criar a sua própria comédia de aventura dentro do universo Star Wars. Enquanto o spin-off anterior, Rogue One, explorava o desenvolvimento de um conflito específico (o acesso aos planos da Estrela da Morte), este novo filme se concentra na história da formação de uma “família” eletiva, incluindo Han (Alden Ehrenreich), Chewbacca (Joonas Suotamo), Lando Calrissian (Donald Glover), além dos novatos Tobias Beckett (Woody Harrelson) e Qi’ra (Emilia Clarke).


Por esta razão, não existe um antagonista forte, e sim pequenos empecilhos impedindo a união do grupo. Com o piloto à frente da história, o roteiro se delicia com tiradas sarcásticas, explorando o ego inflado do personagem e sua malandragem na hora de resolver os problemas. Aliás, os malandros existem aos montes nesta trama, incluindo Lando e a nova criatura Rio (voz de Jon Favreau). Às mulheres, cabem papéis secundários, mas todos devidamente fortes, com direito a uma androide feminista e empoderada. A Disney aprendeu que não é mais possível colocar personagens femininas em posição de perigo e fragilidade o tempo todo, por isso tratou de colocar armas e dividir as posições de liderança.


 


No que diz respeito ao humor, nem todas as piadas funcionam à perfeição, mas servem para ilustrar estes heróis falhos, que às vezes se corrompem pelo dinheiro. Numa franquia marcada pela clara divisão entre as forças do bem e o mal, Han Solo - Uma História Star Wars tem o mérito de trazer personagens repletos de nuances, e passíveis de mudanças ao longo da trama. Para os fãs do Episódio IV (1977), existe a curiosidade de descobrir de onde surgem os nomes dos personagens, suas relações familiares, e o contexto exato em que ocorre o encontro de Han, Chewbacca e Lando. No caso de Chewbacca, o roteiro encontra uma solução bastante inteligente para uni-los, e depois atribui a Chewie uma função indispensável de que não dispunha nos filmes anteriores.

 

Além disso, o projeto trata de fazer associações importantes com o futuro da saga, especialmente com Uma Nova Esperança, é claro. Mesmo assim, a aventura estabelece um universo específico, num retro-futurismo ainda mais acentuado do que na trilogia original. Agora, com orçamento confortável e efeitos digitais de primeira qualidade, o filme pode imaginar novas criaturas verossímeis e conceber versões diferentes de edifícios, trens, naves. Apesar da tecnologia, o cenário é repleto de mecanismos analógicos, peças em aço e androides de desenho tão simples quanto R2-2D. A fotografia também busca um tom único, favorecendo os contrastes e sempre procurando alguma luz forte por trás dos personagens. Esta é uma fotografia muito mais contemporânea do que a versão acadêmica usada nos episódios IV, V e VI.


 


No elenco, Alden Ehrenreich faz o que pode para resgatar o estilo despojado de Harrison Ford, mas possui seus traços próprios de composição, reforçando o aspecto imaturo do protagonista. Donald Glover capricha no sotaque e compõe um Lando ainda mais malicioso do que o esperado, numa versão canastrona, mas pertinente ao personagem. Woody Harrelson tem se tornado uma figura obrigatória para franquias de ação (Jogos Vorazes, Planeta dos Macacos, Truque de Mestre) e mais uma vez se sai bem no papel do mentor de Han Solo. Apenas Phoebe Waller-Bridge, como L3-37, força um pouco os diálogos da androide, e a talentosa Thandie Newton poderia ter sido mais explorada.

 

O filme pode despertar algumas críticas por ser mais distanciado das paisagens típicas de Star Wars, ou pelo recurso frequente ao humor juvenil. Alguns conflitos se resolvem com facilidade excessiva, e as três reviravoltas no final devem gerar boas discussões. Mas Han Solo - Uma História Star Wars funciona como aventura independente, respondendo a todas as questões abertas sobre o piloto e estabelecendo conexões com seu futuro na saga, sem depender excessivamente de referências para cativar os fãs.

 

Filme visto no 71º Festival Internacional de Cannes, em maio de 2018.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top