Meu AdoroCinema
    Eu Sou Todas as Meninas: Conheça a história real por trás do filme da Netflix sobre tráfico humano
    Por Nathalia Jesus — 17 de mai. de 2021 às 14:30

    O suspense sul-africano é baseado nos crimes do pedófilo e traficante Gert van Rooyen.

    Eu Sou Todas as Meninas é o novo filme da Netflix que chegou ao catálogo na última semana, dia 14 de maio, e já é uma das produções mais assistidas da plataforma. O suspense sul-africano acompanha uma investigadora de crimes e uma assassina em série, cada uma com suas próprias motivações e métodos, que lutam contra um sindicato internacional de tráfico sexual infantil que também mantém ligações com o alto escalão do governo.

    Ambientado nos últimos dias do Apartheid, a investigação segue o caso não-solucionado que vitimou seis jovens que jamais foram encontradas. No filme, as protagonistas Jodie Snyman (Erica Wessels) e Thamsanqa (Masasa Mbangeni) buscam vingar as jovens desaparecidas e tentam impedir que essa realidade sombria atinja a outras milhares de meninas.

    Eu Sou Todas as Meninas é baseado em fatos reais?


    Sim, Eu Sou Todas as Meninas é baseado em uma história verdadeira. Embora o filme não mencione definitivamente a incidência exata em que se baseia, o crime central do filme é inspirado na vida de Gert van Rooyen, um pedófilo e serial killer sul-africano. Entre 1988 e 1989, o criminoso e seu cúmplice Joey Haarhoff orquestraram o sequestro de seis meninas, além de serem suspeitos de ter assassinado muitas outras jovens com idades entre nove e 16 anos.

    10 filmes chocantes baseados em histórias reais de assassinos em série

    Sua última vítima, Joan Booysen, conseguiu escapar e alertou a polícia. Logo depois de descobrir que ela havia fugido, Rooyen matou seu parceiro e cometeu suicídio. Não foram encontrados vestígios das vítimas mortas e nem das meninas desaparecidas desde então, e há uma escassez de informações sobre as vítimas que também poderiam ter sobrevivido ao crime.

    Após a morte do serial killer, o filho do criminoso, Flippie van Rooyen, foi a público e alegou a participação de três ex-ministros do Partido Nacional no esquema de tráfico infantil. Quanto às meninas desaparecidas, ele disse que algumas delas foram levadas para o Oriente Médio.

    Distorção da realidade em Eu Sou Todas as Meninas

    No enredo de Eu Sou Todas as Meninas, todas essas informações são apresentadas, incluindo a participação de ex-ministros e políticos em exercício da função, a venda de meninas aos árabes e as ações de Gert van Rooyen. No entanto, há muitos fatos que foram modificados na narrativa.

    No filme, o criminoso é interpretado por J.P. du Plessis e seu nome é Gert de Jager. Em seu papel no longa-metragem, o assassino e traficante sexual colabora com a justiça ao dar informações sobre as vítimas contrabandeadas mas, na vida real, quem forneceu esses detalhes foi seu filho. Além disso, Jager é morto após mencionar o ministro em suas acusações — provavelmente sob ordens deste último — embora no acontecimento real ele tenha cometido suicídio.

    O filme credita Wayne Fitzjohn, Marcell Greeff, Emile Leuvennink e Jarrod de Jong como roteiristas, e estes provavelmente decidiram usar dois protagonistas com abordagens muito diferentes para atingir um objetivo comum como a melhor maneira de retratar vários aspectos da questão. A história ficcional que é transposta na base histórica deste filme ajuda a explorar as múltiplas partes envolvidas na rede criminosa do tráfico de pessoas, bem como a situação de suas vítimas.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top