Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Festival de Cannes 2018: Vencedores da Semana da Crítica por Diamantino, diretores falam da influência do Porta dos Fundos (Entrevista exclusiva)
    Por Renato Hermsdorff e Bruno Carmelo — 2 de jun. de 2018 às 09:13
    facebook Tweet

    “O filme que nós fizemos é como um conto de fadas do século XXI sobre um super-herói cujo poder é sua ingenuidade”.

    O longa Diamantino é uma coprodução do Brasil com Portugal e a França e conta a história de um jogador de futebol que… tem uns cachorrinhos fofinhos gigantes envolvidos... uma história com refugiados... um experimento genético…

    Os diretores explicam melhor essa loucura: “O filme que nós fizemos, que se passa em Portugal, é como um conto de fadas do Século XXI, sobre um super-herói cujo poder é sua ingenuidade. E essa ingenuidade e inocência o ajudam a lidar de maneira linda e surpreendente com a realidade assustadora de hoje, o que inclui lavagem de dinheiro, modificação genética, crise dos refugiados, o Brexit e a ascensão do fascismo”, resume o norte-americano Daniel Schmidt.


    “O que queríamos fazer é uma comédia divertida, que qualquer um pudesse ver e amar e que qualquer um irá reconhecer o protagonista, que é tipo um jogador português de futebol famoso mundialmente”, traduz o outro diretor, o português Gabriel Abrantes.

    Vamos tentar de novo: Cristiano Ronaldo Diamantino é um jogador de futebol de sucesso, bastante ingênuo, que sempre fantasia estar entre cachorros gigantes felpudos quando está cara a cara com o gol. Quando sua carreira sofre uma guinada (para baixo, diga-se), as irmãs gêmeas inescrupulosas do atleta tentam explorar ao máximo (não vamos explicar “máximo” para não estragar as surpresas do filme) a riqueza do pobre coitado que, ao mesmo tempo, descobre o que são refugiados e resolve adotar um.


    Por mais louca que possa parecer (e é), o fato é que essa história conquistou o júri da da Semana da Crítica na última edição do Festival de Cannes, presidido pelo cineasta norueguês Joachim Trier (Thelma), e levou o prêmio máximo da mostra, competindo, por exemplo, com Wildlife, estreia de Paul Dano (Sangue Negro) na direção. Quando o AdoroCinema conversou com os realizadores na Croisette (confira no vídeo acima), no entanto, a premiação ainda não havia sido anunciada.

    Na entrevista, eles falam sobre os filhotinhos (“originalmente seriam leitões”), Cristiano Ronaldo (na verdade, não falam), liberdade sexual, União Europeia e as influências, que vão de Pasolini a Porta dos Fundos: “Nós pensamos em trabalhar com atores brasileiros em um momento, pensamos em trabalhar com eles [do elenco do Porta], revela Gabriel.

    Diamantino ainda não tem data de estreia definida no Brasil, mas tem distribuição garantida pela California Filmes.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top