Minha conta
    Festival de Brasília 2017: Longa mineiro Arábia é o grande vencedor da premiação
    Por Lucas Salgado — 25 de set. de 2017 às 00:44

    Café com Canela e Era uma Vez Brasília também foram lembrados.

    Rômulo Juracy

    Em uma longa cerimônia, com pouco mais de duas horas de duração, em que foram contemplados aproximadamente 50 premiados, chegou ao fim a 50ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Comandada pelos atores Caco Ciocler e Mariana Nunes, a cerimônia de premiação distribuiu os troféus Candangos para a mostra competitiva de longas e curtas e ainda os troféus da Câmera Legislativa para a mostra brasília de longas e curtas.

    Confira a lista completa de ganhadores do Festival de Brasília 2017:

    COMPETIÇÃO OFICIAL LONGAS

    Melhor Filme: Arábia, dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans

    Melhor Direção: Adirley Queirós (Era uma vez Brasília)

    Melhor Ator: Aristides de Sousa (Arábia)

    Melhor Atriz: Valdinéia Soriano (Café com Canela)

    Melhor Ator Coadjuvante: Alexandre Sena (O Nó do Diabo)

    Melhor Atriz Coadjuvante: Jai Baptista (Vazante)

    Melhor Roteiro: Ary Rosa (Café com Canela)

    Melhor Fotografia: Joana Pimenta (Era uma vez Brasília)

    Melhor Direção de Arte: Valdy Lopes JN (Vazante)

    Melhor Trilha Sonora: Francisco Cesar e Cristopher Mack (Arábia)

    Melhor Som: Guile Martins, Daniel Turini e Fernando Henna (Era uma vez Brasília)

    Melhor Montagem: Luiz Pretti e Rodrigo Lima (Arábia)

    Prêmio Especial do Júri: Melhor Ator Social para Emelyn Fischer (Música para Quando as Luzes se Apagam)

    Júri Popular: Café com Canela, dirigido por Ary Rosa e Glenda Nicácio

    Prêmio Abraccine Melhor Filme: Arábia, dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans

    Prêmio Marco Antônio Guimarães: Construindo Pontes, dirigido por Heloísa Passos

    COMPETIÇÃO OFICIAL CURTAS

    Melhor Filme: Tentei, dirigido por Laís Melo

    Melhor Direção: Irmãos Carvalho (Chico)

    Melhor Ator: Marcus Curvelo (Mamata)

    Melhor Atriz: Patricia Saravy (Tentei)

    Melhor Roteiro: Ananda Radhika (Peripatético)

    Melhor Fotografia: Renata Corrêa (Tentei)

    Melhor Direção de Arte: Pedro Franz e Rafael Coutinho (Torre)

    Melhor Trilha Sonora: Marlon Trindade (Nada)

    Melhor Som: Gustavo Andrade (Chico)

    Melhor Montagem: Amanda Devulsky e Marcus Curvelo (Mamata)

    Prêmio​ ​especial: Peripatético, dirigido por Jéssica Queiroz

    Júri Popular: Carneiro de ouro, dirigido por Dácia Ibiapina

    Prêmio Abraccine Melhor Filme: Mamata, dirigido por Marcus Curvelo

    Prêmio Canal Brasil: Chico, dirigido por Irmãos Carvalho

    MOSTRA BRASÍLIA

    Melhor Longa-Metragem (R$ 100 mil): O Fantástico Patinho Feio, dirigido por Denilson Félix

    Melhor Curta-metragem (R$ 30 mil): UrSortudo, dirigido por Januário Jr. / Tekoha – Som da Terra, dirigido por Rodrigo Arajeju e Valdelice Veron

    Melhor Direção (R$ 12 mil): Dácia Ibiapina (Carneiro de ouro)

    Melhor Ator (R$ 6 mil): Elder de Paula (UrSortudo)

    Melhor Atriz (R$ 6 mil): Rafaela Machado (Menina de barro)

    Melhor Roteiro (R$ 6 mil): Januário Jr. (UrSortudo)

    Melhor Fotografia (R$ 6 mil): Gustavo Serrate (A margem do universo)

    Melhor Montagem (R$ 6 mil): Lucas Araque (Afronte)

    Melhor Direção de Arte (R$ 6 mil): Bianca Novais, Flora Egécia e Pato Sardá (O Menino Leão e a Menina Coruja)

    Melhor Edição de Som (R$ 6 mil): Maurício Fonteles (Tekoha – Som da Terra)

    Melhor Trilha Sonora (R$ 6 mil): Ramiro Galas (O vídeo de 6 faces)

    Prêmio Saruê: Afronte, direção de Marcus Azevedo e Bruno Victor

    Júri Popular Melhor Longa (R$ 40 mil): Menina de barro, dirigido por Vinícius Machado

    Júri Popular Melhor Curta (R$ 10 mil): O Menino Leão e a Menina Coruja, dirigido por Renan Montenegro

    FESTUNIBRASÍLA – 1º FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DE CINEMA DE BRASÍLIA

    Melhor Filme: O arco do medo, dirigido por Juan Rodrigues (Universidade Federal do Recôncavo Baiano)

    Melhor Direção: Fervendo, dirigido por Camila Gregório (Universidade Federal do Recôncavo Baiano)

    Júri Popular: O Homem que não cabia em Brasília, dirigido por Gustavo Menezes (UnB)

    Menção Honrosa – Método de construção criativa: Afronte, dirigido por Bruno Victor e Marcus Azevedo (UnB)

    Menção honrosa – Fotografia: Gabriela Akashi, por Serenata (USP)

    Menção Honrosa – Filme de animação: Mira, dirigido por Janaína da Veiga (Unespar)

    O AdoroCinema viajou a convite da organização do evento.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top