Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Top 5: Curiosidades sobre Grease - Nos Tempos da Brilhantina
    Por Vitória Pratini — 6 de fev. de 2016 às 10:00

    "Tell me more, tell me more..."

    Muito antes de High School Musical, um grupo muito especial já cantava nos corredores do colégio. Danny, Sandy, Rizzo, Kenickie e tantos outros personagens icônicos de Grease - Nos Tempos da Brilhantina.

    Bem antes de chegar às telonas e arrecadar quase 400 milhões de dólares nas bilheterias mundiais, Grease começou como uma peça de teatro em um celeiro de Chicago. O redator publicitário Jim Jacobs e o professor de artes Warren Casey escreveram o roteiro, as letras das canções e compuseram as músicas para comemorar o estilo 'doo-wop' dos anos 50. Então, em 1972, Grease ganhou os palcos off-Broadway, em Nova York, e foi vista pelo produtor Allan Carr, que pegou os direitos do filme e levou para a Paramount.

    O longa recebeu um orçamento de 6 milhões de dólares e foi gravado, durante dois meses, na escola Venice High School e em outras locações de Los Angeles. Então, recentemente, Grease - Nos Tempos da Brilhantina ganhou um novo formato: um remake, que foi transmitido ao vivo pela FOX, estrelada por Julianne Hough (Rock of Ages), Aaron Tveit (Os Miseráveis) e Vanessa Hudgens (High School Musical).

    Já que estamos nesse clima nostálgico, que tal ver cinco curiosidades de Grease? Confira abaixo e conte para a gente o que achou.

    05. Escalação

    Carrie Fisher poderia ter vivido a personagem Sandy.
    Impossível imaginar Danny e Sandy vividos por outros astros que não John Travolta e Olivia Newton-John, certo? Pois é, mas eles não foram as primeiras escolhas para os papéis. A produtora Paramount queria que o protagonista, Danny Zuko, fosse intepretado por Henry Winkler. Diversas atrizes também foram consideradas para interpretar Sandy, entre elas, a princesa Leia, Carrie Fisher; Susan Dey; Deborah Raffin e a cantora Marie Osmond. Só que esta última protestou quanto à trasição da personagem de boazinha para motoqueira sexy. Já o treinador Calhoun quase foi interpretado por Harry Reems, que ficou famoso por estrelar o pornô Garganta Profunda. Mas, eventualmente, a Paramount o substituiu por Sid Caesar.

    04. Garota australiana

    Em Grease, sabemos que Sandy se muda para os Estados Unidos, a partir da Austrália. Mas a personagem nem sempre foi australiana. Era para a protagonista ser americana, mas sua intéprete, Olivia Newton-John, que é inglesa, ficou preocupada de não conseguir fazer um sotaque americano. Então, o produtor Allan Carr reescreveu a personagem.

    03. A influência de Travolta

    Na produção da Broadway, na qual Grease foi inspirada, o personagem Kenickie (Jeff Conaway) comandava o número de dança de "Greased Lightning", de Elvis Presley. Mas John Travolta queria todos os requebrados de quadril para si, por isso, pediu para protagonizar a música. O ator disse, em uma entrevista à Vanity Fair, que queria o número de dança. E, como tinha influência, conseguiu.

    02. Quase ficou de fora

    Uma das cenas mais marcantes do filme quando Rizzo (Stockard Channing) canta "There Are Worse Things I Could Do" - música que, recentemente, foi interpretada de forma emotiva por Vanessa Hudges no Grease: Live. Só que essa canção quase não entrou no filme. Isso porque Allan Carr não estava muito confiante com o número musical. Segundo Channing, ele achou que era deprimente demais. De fato, 20 músicas originais da peça teatral foram cortadas completamente ou reduzidas a música de fundo.

    01. Uma continuação?

    Você pode até pensar que Grease 2 - Os Tempos da Brilhantina Voltaram seja uma continuação de Grease - Nos Tempos da Brilhantina. Mas, originalmente, havia planos para uma sequência que seria focada no casamento de Rizzo (Stockard Channing) e Kenickie (Jeff Conaway) e se chamaria Summer School. Entretanto, ela nunca foi feita e, em 1982, estreou Grease 2, estrelado por Maxwell Caulfield e Michelle Pfeiffer.

     



    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top