Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Liga da Justiça - Snyder Cut
    Críticas AdoroCinema
    4,0
    Muito bom
    Liga da Justiça - Snyder Cut

    Um presente épico para os fãs

    por Bruno Botelho
    Liga da Justiça - Snyder Cut é um marco na cultura popular, goste ou não. A produção representa uma grande vitória dos fãs que pediram na internet por meio de campanhas e petições para que a Warner lançasse a versão de Zack Snyder para o filme Liga da Justiça (2017) – muito criticado por público e crítica na época. Para quem não se lembra, o diretor abandonou o projeto em 2016 devido ao suicídio de sua filha e, com isso, Joss Whedon assumiu o controle criativo de Liga da Justiça, regravando diversas cenas e modificando a obra por completo. Assim, surgiu o Snyder Cut: um desejo dos fãs para que a visão original fosse mostrada.

    Depois de restaurar sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman (Henry Cavill), Bruce Wayne (Ben Affleck) convoca Diana Prince (Gal Gadot) para combater um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes – Batman, Mulher-Maravilha, Aquaman (Jason Momoa), Ciborgue (Ray Fisher), e Flash (Ezra Miller) – poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque.



    Antes de tudo, é importante lembrar que o filme é uma versão do diretor. Por causa do marketing, investimento e repercussão na internet, o Syder Cut ganhou uma dimensão jamais vista em qualquer lançamento de cortes de cineatas. Pensando nisso, o longa apresenta erros e acertos comuns em versões alternativas, mas é marcante pelo fato de ser significantemente mehor que a versão original.

    Snyder Cut desenvolve melhor os personagens; Cibogue é o coração do filme

    Liga da Justiça de Joss Whedon falhou por ser um filme sem alma, fruto da convergência entre dois cineastas de estilos opostos e interferências do estúdio que deixaram a produção com diversos problemas no enredo e na execução. Liga da Justiça - Snyder Cut recupera esse ponto crucial, apresentando uma visão narrativa coerente e original ao longo de pouco mais de 4 horas de execução, além de arrumar grande parte dos problemas presentes na obra de 2017.

    O Snyder Cut de Liga da Justiça mostra melhorias evidentes ao explorar melhor os arcos e o desenvolvimento dos personagens. O filme original focava principalmente no conflito com o Super-Homem durante seu retorno na parte final. Porém, a versão do Zack Snyder faz justiça à um dos principais erros de Joss Whedon, que foi reduzir drasticamente a participação de Ciborgue – Ray Fisher, inclusive, acusou Whedon de comportamento abusivo durante as filmagens.



    Aquaman, Ciborgue, e Flash tiveram muitas cenas cortadas em Liga da Justiça de 2017, fazendo com que fossem jogados como membros da Liga sem nehum desenvolvimento e meros alívios cômicos. Porém, o Snyder Cut explora melhor as histórias desses personagens e as motivações que fizeram eles ajudarem Batman e Mulher-Maravilha contra o vilão Lobo da Estepe (Ciarán Hinds). Muitas participações que foram retiradas ou tiveram cenas reduzidas por Whedon estão presentes aqui para aprofundar as personalidades dos três super-heróis, como Mera (Amber Heard), Vulko (Willem Dafoe) e Iris West (Kiersey Clemons).

    O grande destaque vai para Ciborgue, que tem importância tão grandiosa quanto Superman e, como Snyder havia revelado, é mesmo o coração do filme. Sua história trágica que o fez virar Ciborgue, o relacionamento conturbado com o pai Silas Stone (Joe Morton) e, principalmente, a relação com as caixas maternas são exploradas e têm papel fundamental no desenvolvimento do enredo. Victor Stone (Ciborgue) é o grande elo de união da Liga da Justiça.

    Narrativa épica e final ousado

    Liga da Justiça - Snyder Cut mostra toda a visão que Zack Snyder tinha para história e suas consequências. Por isso, tudo é melhor desenvolvido e explicado ao longo da produção. Uma das principais alterações foi no arco do Lobo da Estepe. Além de ter seus efeitos especiais aprimorados, ele se torna muito mais plausível como ameaça para a Liga, já que suas motivações são mais exploradas. 

    O filme começa com o mundo em luto pela morte do Superman em Batman Vs Superman - A Origem da Justiça, e a humanidade agora é ameaçada pelo vilão, que está atrás de três caixas maternas em algum lugar da Terra para conseguir dominar o mundo. A trama das caixas ficou sem explicação na Liga da Justiça de 2017, mas agora é bem desenvolvida, com o personagem indo buscá-las em Themyscira, Atlântida e, finalmente, com Ciborgue.



    Zack Snyder consegue implementar uma narrativa muito mais épica para a história, explorando bastante a mitologia das caixas maternas. Isso é exemplificado pela cena de batalha de Darkseid (Ray Porter) contra o mundo na Era de Ouro dos heróis, uma das melhores cenas do Snyder Cut. Um dos motivos para a produção ganhar esse estilo ainda mais épico está na mudança de trilha sonora, agora feita por Junkie XL no lugar de Danny Elfman. Com isso, as passagens sonoras combinam mais com a trama e personagens – apesar de pesar um pouco a mão no tema para a Mulher-Maravilha.

    Como uma visão de Snyder produzida sem interferências criativas, temos todos os elementos típicos do trabalho do diretor, tanto positivamente quanto negativamente. Ele ficou consagrado pelo seu uso de câmera lenta, então acaba abusando excessivamente do recurso, principalmente nas duas primeiras horas de filme. Outra questão controversa envolve o rumo do enredo para seu final: ao mesmo tempo em que ele segue a premissa da Liga da Justiça de Joss Whedon com a batalha final trazendo o retorno de Superman como a esperança da humanidade, ele modifica algumas cenas e, principalmente, acrescenta novas tramas, como o Darkseid, que resultariam em possíveis continuações – mas que provavelmente nunca veremos.

    Assim, temos um epílogo que introduz novos personagens e traz o retorno de Lex Luthor (Jesse Eisenberg). Além disso, finalmente é explorado o pesadelo do Batman, que faz conexão com produções passadas como Batman Vs Superman e com o futuro esperado, na época, preparando o terreno para Darkseid ser a grande ameaça. Temos o conflito ideológico entre Batman e Coringa do Jared Leto, que está bem no personagem e consegue fazer um debate de ideias que faz sentido no histórico dos personagens e no contexto em que eles se encontram de mundo pós-apocaliptico.

    Liga da Justiça - Snyder Cut é um presente para os fãs que acreditaram na visão de Zack Snyder. O filme traz melhorias significativas para a narrativa e o desenvolvimento de personagens, o que o torna a versão definitiva de Liga da Justiça no lugar da lançada em 2017, que passou por diversas modificações e acabou sendo problemática. Snyder apresenta o clima épico e ousado que uma grande produção da cultura pop precisa.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top