Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Dia do Sim
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    Dia do Sim

    Aventuras em família

    por Barbara Demerov
    Para quem já assistiu ao filme Sim, Senhor, no qual Jim Carrey era obrigado a dizer "sim" para todas as oportunidades que surgissem à sua frente, a nova produção da Netflix, Dia do Sim, pode não possuir a mais original das ideias. Mas o fato é que a história protagonizada por Jennifer GarnerEdgar Ramírez conta com uma boa parcela de leveza e humor ao apresentar dois pais e seus três filhos em uma dinâmica nada convencional: os adultos precisam aceitar qualquer pedido dos filhos durante todo o dia.

    Visto que os pais (especialmente a mãe, interpretada por Garner) são bem preocupados e tiveram suas vidas completamente transformada após o nascimento das crianças, Dia do Sim é interessante porque mostra o quanto a palavra "não" pode determinar a ausência de mais diversão ou informalidade em um lar. É tudo uma questão de equilíbrio -- e Alison e Carlos (Ramírez) se dão conta disso através de reflexões dos próprios filhos, que já não são tão pequenos assim.



    A dificuldade de uma mãe em admitir que a filha mais velha já é uma adolescente que pode cuidar de si mesma e o pai workaholic que tem a fama de "tranquilo e legal" aos olhos dos filhos são alguns dos elementos que compõem a narrativa do filme. Porém, eles não são muito complexos e acabam por ser pouco discutidos ao longo da história, pois o foco prioritário é o efeito da difícil missão dos pais em dizer "sim" para tudo.

    Isso acaba tirando a profundidade da importante discussão sobre equilíbrio na criação de filhos e que dizer "sim" não é necessariamente um problema. Ao longo de Dia do Sim, cada atividade criada pelos três filhos a fim de produzir uma dinâmica familiar engraçada e unificada acaba por ser uma esquete cômica que não tem muita relação com a mensagem em si. Mas, como já citado, as situações (que vão desde lavar o carro da família com os vidros abertos a enfrentar o desafio de comer a maior sobremesa de uma loja) são leves e entretém o público.

    Após uma série de desventuras e surpresas ao longo do dia, o terceiro ato enfim entrega uma mensagem sensível relacionada às mães e filhas que possuem dificuldades no relacionamento. A atuação simpática de Jennifer Garner basicamente carrega o filme como um todo, o que culmina em uma cena emocionante em um show enquanto busca pela filha que saiu escondida com algumas amigas. Entrando nos clichês de que ouvir sua mãe não é tão ruim quanto parece e que as desavenças podem se resolver com diálogo, Dia do Sim entrega um desfecho emocional e paternal/maternal. Apesar de não haver maiores complicações ou conflitos, a produção Netflix é digna no que se diz respeito à união em família.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top