Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Sobrenatural: A Última Chave
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    Sobrenatural: A Última Chave

    Mais do mesmo

    por Lucas Salgado
    A Blumhouse é um dos cases mais interessantes no mundo do cinema nos últimos tempos. Especializada em filmes de terror, a produtora criada por Jason Blum investe em longas de baixo orçamento, geralmente, de suspense ou terror, com grande potencial de bilheteria. Acabaram criando verdadeiras franquias do horror, como Atividade ParanormalUma Noite de Crime e Sobrenatural. O sucesso foi tanto que expandiram o negócio e hoje arriscam até com produções maiores, como Corra! e Fragmentado.

    Como modelo de negócio, é algo realmente impressionante, pois investem pouco e estão sempre faturando muito. Para terem uma ideia, a franquia Sobrenatural já faturou US$ 466 milhões, sendo que os quatro filmes, somados, custaram US$ 26,5 milhões.

    A Última Chave é o quarto filme da franquia, mas em termos de cronologia se passa antes de todos os demais. Por sinal, aqui está uma saga que não facilita para os fãs, a ordem cronológica é 4, 1, 3 e 2.

    O novo longa busca retratar a origem de Elise, personagem vivida por Lin Shaye nos quatro filmes. Aqui, vemos como um demônio começa a atormentar sua família e sobre como ela teve que lidar com o fato de possuir uma mediunidade desde criança, algo que não era compreendido por seu pai. Anos após deixar seu lar, ela recebe um telefonema sobre um caso que está acontecendo em sua antiga casa, obrigando-a a confrontar seu passado e reencontrar pessoas de sua infância.


    Shaye está bem no papel de Elise. Curiosamente, o que funciona na personagem é o fato de ser mais leve do que a ideia de uma franquia de suspense deixa acreditar. A relação de Elise com os ajudantes Specs (Leigh Whannell) e Tucker (Angus Sampson) é um dos pontos mais interessantes, apresentando inclusive uma pegada bem cômica. É realmente divertido ver o trio em cena lado a lado brincando sobre formarem um time de caçadores de fantasmas.

    Insidious: The Last Key (no original) conta com boas cenas de suspense e uma ligação com os originais. Como bom filme do gênero, traz cenas em que o público julga as atitudes absurdas dos protagonistas, como o momento em que Elise decide abrir várias malas antigas e abandonadas estando no meio de um túnel escuro. Infelizmente, do ponto de vista narrativo, o longa comete inúmeros erros. A história em si é pouco desenvolvida e desinteressante, com quase nenhuma identificação com personagens fora do trio principal.

    A direção de Adam Robitel é pouquíssimo inspirada, com alguns sustos surgindo de forma bem previsível.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Thyago A
      Acredito que esse tom brega seja o propósito da saga, hehe. Me remete muito àqueles filmes de terror mais antigos.
    • Pedro Victor Santana
      Boa noite, Lucas! Creio que você tenha se equivocado na ordem cronológica dos filmes, pois a ordem deve ser entendida como 3,4,1,2. O espectador começa o 4 vendo Elise e os caçadores de fantasmas, parceria que começa no final do 3. sendo assim temos 3,4. Logo após vem o 1, onde acaba acontecendo algo trágico com Elise no final do filme e em seguida o 2 que é a continuação clara do 1, sendo assim temos 1,2. Por isso a ordem cronológica deve ser entendida com 3,4,1,2. Abraço!
    • Tim Meme
      Eu gosto da saga apesar de ser meio brega e acho interessante um personagem coadjuvante se tornar protagonista e uma atriz veterana fazer sucesso.
    • Gilmar B.
      Olha só Lucas Salgado, sua crítica só contém informações sobre a produção, porém é superficial pois você aponta inúmeros erros mas não diz quais, a história não é pouco desenvolvida e desinteressante, para um filme do gênero está de bom tamanho, a direção é ótima com sustos na medida certa, só erra mesmo no humor.
    • Fernanda Angeline
      aiiiii que tudo
    Mostrar comentários
    Back to Top