Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Star Trek
    Críticas AdoroCinema
    4,5
    Ótimo
    Star Trek

    Um novo começo

    por Roberto Cunha

    Aviso aos tripulantes! Por mais que os "trekkies" (fiéis seguidores do universo criado por Gene Roddenberry) possam não gostar, a campanha de prélançamento deixou isso claro para todos espectadores: "esqueça o que você já viu". O diretor J.J. Abrams, um fissurado por ficção científica, usou sua fixação na questão do tempo/espaço (o seriado Lost é o maior exemplo) para provocar uma revolução na história e, de quebra, em alguns personagens de Jornada nas Estrelas. Star Trek não é uma continuação. E nem uma releitura. É um novo começo.

    Na primeira cena, o som "agudo" (conhecido pelos fãs) nos remete para o espaço com uma espaçonave da Frota Estelar em confronto com a Narada, a horrorosa nave romulana comandada por Nero (Eric Bana). Esse início já é uma viagem no tempo. E à partir dele você testemunhará o nascimento de James Kirk, a origem do nome e seu histórico de rebeldia. E sobre Spock, você entenderá sua obsessão pela lógica e, também, sua branda abertura para as emoções humanas. Os fãs podem reclamar, mas são momentos fundamentais para o entendimento de dois personagens emblemáticos, que estão se desenhando nessa nova geração (com trocadilho) de espectadores.

    Com o fator tempo como fio condutor desta história de vingança entre nações, o roteiro faz uso criativo de avanços na história para mostrar o garoto problema Kirk, na Terra, e Spock, ainda em Vulcano, enfrentando o preconceito em sua escola. No futuro, o jovem Kirk (Chris Pine) é convidado para participar da academia de formação de cadetes da Frota Estelar. E é lá que sua irreverência vai enfrentar a lógica de Spock (Zachary Quinto) e tabelar com o jeito "certinho" de McCoy (Karl Urban). É como o espectador vai conhecer também outros personagens tradicionais como Uhura, Sr. Sulu, Scotty, Chekov, entre outros, todos jovens e em início de carreira.

    É claro que o roteiro faria uso de piadas no texto. Não é novidade na série. E muito menos em aventura de Hollywood onde parece ter virado regra. Mas o uso em Star Trek foi bem dimensionado, salvo uma ou outra passagem que poderia ser descartada. A pior foi Kirk dando uns amassos numa jovem verde de Orion. Mais parece uma ironia "marciana". Destaques para o sarcasmo de McCoy ao se referir a Spock: "Oh não! É aquele da orelha pontuda!" e para o "Uau!", uníssono, dito por todos quando vêem a U.S.S Entreprise pela primeira vez. Legal também quando o Capitão Pike (Bruce Greenwood) deixa a Entreprise com Spock e diz: "Cuide dela, Spock. É novinha!"

    Entre o que poderia ser cortado, ou melhor resolvido, a perseguição de Kirk por um monstro e sua salvação com uma tocha foi muito ruim. Bom foi rever Leonard Nimoy no papel original porque a trama criada por Abrams permite essa "dobra" entre passado e futuro. O elenco está muito bem. Destaque para o Spock vivido por Quinto, mais conhecido como o Sylar da série "Heroes". As cenas de ação são boas, com direito a luta em passarelas dentro de naves (sempre sem corrimão), explosões no espaço e tiros com phazers.

    Para os saudosos, o tradicional sinal com a mão, unindo os dedos, é realizado mais de uma vez no filme. Salvo algum engano, Abrams abriu espaço para duas citações. Uma seria a presença de Kirk em um bar com alienígenas e a outra num diálogo entre ele e Spock. Parece uma homenagem à Star Wars, tamanha é a semelhança com os momentos vividos por Luke Skywalker sozinho e com Obi-Wan Kenobi. Outro ponto interessante é a tradicional "velocidade de dobra" eternizada na mente de muitos espectadores com o efeito visual dos riscos no espaço. Em Star Trek, o efeito é somente sonoro, denotando uma possível maneira de Abrams preservar uma imagem nítida, e intocável, na mente das pessoas.

    Não saia antes do fim. Aquela clássica narração do original "(...) audaciosamente, indo onde nenhum homem jamais esteve", será executado por Leonard "Spock" Nimoy, fechando com a tradicional música tema criada por Alexander Courage na década de 60. Star Trek subverteu toda a lógica dos fatos anteriormente criados e vividos pelos personagens. Por essa razão, abre-se um novo universo para Kirk, Spock e companhia. "Vida longa e próspera" para esse novo começo.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top