Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    A Vida Invisível estreia apenas nos cinemas de Fortaleza
    Por Vitória Pratini — 19 de set. de 2019 às 17:43
    facebook Tweet

    Filme escolhido para representar o Brasil na disputa do Oscar 2020 chegará primeiro no Ceará.

    Os moradores de Fortaleza poderão conferir A Vida Invisível em primeira mão. O filme escolhido para representar o Brasil na disputa de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2020 vai ser lançado com exclusividade na cidade nesta quinta-feira, 19 de setembro.

    O lançamento antecipado acontece em caráter excepcional para atender aos pré-requisitos da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas para que o filme esteja qualificado a representar o Brasil no Oscar 2020. Assim, A Vida Invisível chega antes aos cinemas fortalezense, e ficará em cartaz por uma semana com sessões diárias em cinemas selecionados até o dia 25 de setembro.

    No restante do território nacional, o filme chegará aos cinemas no dia 31 de outubro. Vale lembrar que a produção teve sua primeira exibição no Brasil no Cine Ceará em agosto.

    Karim Aïnouz fala sobre A Vida Invisível e discute Oscar, Bacurau e "melodrama em tempos de crise"

    Vencedor da mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes, A Vida Invisível é ambientado na década de 1950 e acompanha a história de Eurídice (Carol Duarte), uma jovem talentosa, mas muito introvertida, e de sua irmã mais velha, Guida (Julia Stockler), seu total oposto. Elas vivem em um rígido sistema patriarcal, até que Guida decide fugir de casa com o namorado, enquanto Eurídice luta para se transformar em uma musicista e aturar um casamento sem amor.

    Carol Duarte e Júlia Stockler explicam porque A Vida Invisível é "um melodrama popular, mas não um filme fácil"

    Dirigido por Karim Aïnouz (O Céu de Suely), o filme é adaptação do livro homônimo de Martha Batalha. Na crítica, o AdoroCinema destaca: "O melodrama tropical [como define o diretor] também sustenta uma visão da sensualidade calcada no corpo. Adaptar o livro tão intimista de Martha Batalha constituía um desafio significativo, que os roteiristas Murilo Hauser, Inés Bortagaray e Karim Aïnouz superaram devido ao trabalho com exterioridades, ou seja, com o impacto visível da opressão social no corpo das irmãs Eurídice e Guida". Leia o texto completo aqui.

     

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top