Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Cine Ceará 2019: O drama Greta, estrelado por Marco Nanini, é ovacionado pela plateia
    Por Bruno Carmelo — 6 de set. de 2019 às 10:05
    facebook Tweet

    Apareceu o favorito?

    "Me chama de Greta Garbo". O espectador de Greta escuta algumas vezes esta frase, proferida por Pedro (Marco Nanini), um enfermeiro de 70 anos, gay e apaixonado pela atriz de A Dama das Camélias e Ninotchka. Este é o pedido dirigido aos amantes e parceiros de uma noite, incluindo Jean (Démick Lopes), um criminoso que Pedro ajuda a fugir do hospital. Nasce entre os dois uma relação ambígua de amor e dependência.

    Greta foi o último filme apresentado na mostra competitiva do 29º Cine Ceará - Festival Ibero-Americano de Cinema, causando forte impressão na plateia. Nanini, o diretor Armando Praça e as atrizes Denise Weinberg e Gretta Sttar, além da equipe, receberam fortes aplausos no Cinema São Luiz. Nos bastidores do evento, o drama é apontado como provável vencedor do prêmio de melhor filme, disputando talvez a preferência com Canção Sem Nome. Já Nanini se torna o franco favorito ao troféu de melhor ator.

    Leia a nossa crítica.


    A noite de 5 de setembro também apresentou os quatro últimos curtas-metragens concorrendo ao troféu Mucuripe. O curta mais potente da noite, e talvez o melhor de toda a mostra competitiva, foi Ilhas de Calor, dirigido por Ulisses Arthur. O drama investe nas relações de gênero e de poder na oitava série de uma escola pública.

    O resultado impressiona pelo trabalho de câmera criativo e dinâmico do diretor, além de uma narrativa interessantíssima que não se desenha por relações de causa ou consequência - uma cena não necessariamente funciona como origem ou decorrência da outra. Através de núcleos distintos, Arthur cria uma trajetória fascinante, embalada pela coreografia de câmera e corpos que mistura luta, jogo e dança. 

    Rua Augusta, 1029 apresenta o registro ao vivo de uma ocupação de edifícios abandonados em São Paulo, para servirem de abrigo a diversas famílias. A diretora Mirrah Iañez emprega longos planos-sequência, com a câmera tremendo em tom de urgência, para retratar a entrada no prédio, as ameaças dos policiais e a organização interna dos militantes. 

    A estética de guerrilha, na qual a clareza das imagens é sacrificada em nome da captação in loco de um momento único, pode não ser muito inovadora, mas resgata a fusão de arte e política, ou a discussão sobre uma estética adequada às necessidades da função social da arte. Neste sentido, dialoga com outro curta-metragem na mostra competitiva, Primeiro Ato.

    O Grande Amor de um Lobo, dirigido por Kennel Rógis e Adrianderson Barbosa, levou a plateia às gargalhadas com a história metalinguística de um garoto da periferia (Adrianderson) que sonha em construir seu próprio filme, sobre um garoto cujos poderes permitem combater vilões e conquistar a garota dos seus sonhos. O projeto une o aspecto documental das entrevistas à concretização do roteiro de Adrianderson.

    Sem medo de explorar o aspecto amador, Rógis brinca com os códigos hollywoodianos da ação e o terror. O tom de brincadeira cativou a plateia, que irrompia em aplausos durante a sessão. No entanto, o olhar do cineasta para seu personagem e coautor desperta alguns questionamentos: até que ponto se está rindo com ele ou rindo dele ao revelar seus sonhos de tomar o papel de Vin Diesel em  ou atuar em Crepúsculo? O olhar de fora, certamente pleno de interesse, também pode ser considerado paternalista em relação ao personagem principal.

    O representante cearense da noite, Pop Ritual, mergulha o espectador numa representação trash-queer do cinema de terror. A tradicional premissa do padre tentando exorcizar um demônio é subvertida com a figura de um padre sádico, demonstrando evidente desejo sexual pelo prisioneiro andrógino.

    O filme do diretor Mozart Freire pode ser questionado pelo roteiro pouco inconsistente (vide a conclusão) ou mesmo pela representação do indivíduo LGBTQ como figura monstruosa, mas o que realmente chama a atenção é a direção de fotografia. Com poucos focos de uma luz dura lançada no espaço-cenário, o projeto adquire uma impressão caseira, no mau sentido do termo - até porque o trabalho dos atores e dos efeitos visuais é muito mais sofisticado do que a textura da imagem permite pensar. Esta escolha curiosa de iluminação e enquadramentos prejudica um gênero tão dependente da construção de clima quanto o terror.


    A cerimônia de encerramento ocorre na noite de 6 de setembro, quando serão anunciados os vencedores da 29ª edição. Além disso, o longa-metragem cearense Pacarrete, vencedor de 8 Kikitos no Festival de Gramado (incluindo melhor filme) será exibido no Cine São Luiz, além de uma homenagem ao ator Matheus Nachtergaele.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top