Meu AdoroCinema
Alice Através do Espelho
Críticas AdoroCinema
2,5
Regular
Alice Através do Espelho

Uma aventura extravagante

por

Em 2010, Alice no País das Maravilhas conquistou um grande sucesso de bilheteria, arrecadando mais de US$1 bilhão no mundo inteiro. A reação dos críticos e de parte do público, entretanto, não foi muito positiva: reclamou-se narrativa confusa e do excesso de efeitos especiais em detrimento dos sentimentos e do aspecto psicanalítico da obra original. Seis anos depois, o diretor Tim Burton não quis continuar no projeto, sendo substituído por um cineasta de estilo mais convencional: James Bobin, autor dos dois últimos Muppets.


Alice Através do Espelho - FotoA roteirista, no entanto, permaneceu a mesma. Linda Woolverton, especialista em histórias de infâncias traumáticas, já obteve muito sucesso com O Rei Leão e A Bela e a Fera, mas demonstrou menor complexidade nas narrativas recentes de Malévola e do primeiro Alice. Através do Espelho, sem surpresa, tenta consertar a estrutura desconexa do original com a multiplicação de famílias desfeitas. Alice sofre um trauma pela perda do pai e pelas brigas com a mãe, o Chapeleiro Maluco foi rejeitado pelo pai e sofre risco de morte por causa dessa lembrança, a Rainha Branca e a Rainha Vermelha brigaram pelo último biscoito do prato quando crianças, e isso arruinou a vida de ambas.


Como se pode perceber, as motivações no segundo filme são bastante fracas. O melhor conflito da trama – a dificuldade de Alice se inserir numa sociedade machista e retrógrada, que deseja confiná-la à função de assistente dos homens – é rapidamente substituído pelos valores universais do amor e da amizade. Tudo vale para levar a protagonista de volta ao País das Maravilhas, reencontrando o gato, o coelho, e conhecendo um novo vilão, Tempo, de quem rouba a máquina para retornar ao passado e corrigir os traumas de todos. As possibilidades narrativas de ter o Tempo como um personagem próprio são imensas, mas o roteiro não explora nenhuma delas a fundo.


Alice Através do Espelho - FotoAs incoerências relacionadas ao Tempo são flagrantes, enquanto Sacha Baron Cohen limita-se a combinar sotaques e tiques de suas personas anteriores, como Borat e Ali G. Anne Hathaway mantém a composição questionável da Rainha Branca meio etérea, com os braços sempre no ar. O resto de elenco se sai muito bem: Johnny Depp domina os trejeitos do Chapeleiro com destreza, Helena Bonham Carter é sempre excelente com diálogos, e Mia Wasikowska confere à personagem a mistura necessária de força e ternura. Apesar da competência do conjunto, não existe surpresa nas composições: os personagens evoluíram pouco desde Alice no País das Maravilhas.


James Bobin, na direção, tenta imprimir à aventura ainda mais extravagância, mais espetáculo visual do que o estilo saturado de Tim Burton. O resultado possui todas as cores e efeitos sonoros que se espera de viagens no tempo, mundos fantásticos, castelos sombrios. Ao mesmo tempo, este é um imaginário pragmático e literal: o tempo é representado por relógios e ponteiros, os ajudantes são os segundos, que juntos formam os minutos, a máquina para voltar ao passado é literalmente uma geringonça mecânica com volantes e cordas para puxar. Bobin transforma Alice numa espécie de super-heroína retrô, lidando com traquitanas antigas e esferas mágicas como se fosse a única capaz de salvar o universo.


Alice Através do Espelho - FotoVisto como adaptação literária, Alice Através do Espelho aproveita pouquíssimo da história de Lewis Carroll além da premissa básica da garota atravessando o espelho e redescobrindo o País das Maravilhas. A história foi feita sob medida para brilharem os elementos de maior popularidade no filme de 2010: o Chapeleiro excêntrico de Johnny Depp, as cores e fantasias do cenário. O humor é discreto, a originalidade não é exatamente o ponto forte da obra, a narrativa continua confusa, mas os sentimentos universais tomam conta de cada cena, na intenção de transformar o texto sombrio de Carroll numa aventura familiar e inofensiva, palatável a quase todos os gostos.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top