Meu AdoroCinema
    Rio
    Críticas AdoroCinema
    4,3
    Ótimo
    Rio

    Espírito Carioca

    por Francisco Russo

    A famosa paisagem do Pão de Açúcar, recriada em beleza e detalhes, não deixa enganar: o cenário é o Rio de Janeiro. A câmera entra na vegetação de um dos morros próximos de forma a apresentar um novo habitat, povoado por pássaros das mais diversas espécies. Logo eles iniciam um balé visual, repleto de cores e impulsionado pela linguagem carioca por excelência: o samba. Entretanto, nem tudo são flores. O paraíso da liberdade conduzido pela natureza é devastado pela mão humana e sua ganância. Pássaros são aprisionados e vendidos para outros países, entre eles o protagonista Blu. O filhote de uma rara espécie de arara azul, que crescerá bem longe dali, na fria Minnesota e sob o olhar atento e carinhoso de Linda. Com um detalhe extra: sem saber voar.

    Os minutos iniciais dão uma palhinha sobre o que esperar de Rio. O impacto da paisagem carioca é logo seguido pela beleza visual dos personagens, de forma a impressionar o espectador. Entretanto, o Rio de Janeiro não é apenas retratado através de suas belezas naturais, mas especialmente em sua essência. A cidade é personagem do filme e aparece descrita em detalhes bem familiares a quem a conhece bem. Seja através da lata de lixo na cor laranja ou na ciclovia que percorre a orla de Copacabana até características típicas do povo brasileiro, como a paixão pelo futebol. O clima de bagunça organizada, ampliado pela história se passar em pleno Carnaval, é também conhecido. O Rio de Janeiro é assim, cidade e morro unidos pela informalidade. Em atitude e também na moral.

    Moral esta que permite que um garoto ajude no sequestro de Blu e Jade, a última fêmea da espécie. Um ato recriminado, mas logo justificado. Reflexo da caótica desigualdade social brasileira, que faz com que um adolescente tenha que realizar este tipo de serviço para sobreviver. É claro que, diante deste histórico, ele se redime logo em seguida. Entretanto, não é este desenrolar o ponto principal mas o fato de que mesmo o lado negativo não foi escondido. O diretor Carlos Saldanha exalta o Rio de Janeiro em sua beleza e simpatia, mas deixa bem visíveis as favelas, a comercialização de animais silvestres e o roubo a turistas. É claro que tudo apresentado com bom humor e leveza, afinal de contas Rio é uma animação voltada também para o público infantil.

    Outro ponto positivo é a escalação de seu elenco de dubladores, em especial Jesse Eisenberg. Escolha precisa, pelo tom de voz inseguro necessário ao personagem. Jamie Foxx também brilha como um pássaro cheio de gingado, assim como Rodrigo Santoro, que compõe o ornitólogo Túlio com um ar bastante cartunesco, repleto de exageros típicos de um personagem empolgado e, ao mesmo tempo, atrapalhado. O elenco também brilha nas canções, todas bastante divertidas e seguindo o estilo Disney, no sentido de torná-las um grande acontecimento dentro da história. O solo de Nigel, dublado por Jemaine Clement, é o melhor exemplo. Entretanto, a melhor canção é a que conta com o assobio de Nico, dando um charme típico da boa música popular brasileira.

    Rio é um filme deslumbrante. Pela riqueza dos cenários, pelo capricho em uma animação de alta qualidade, pelos personagens cativantes, pelas músicas envolventes e por uma série de situações muito divertidas. Fora o encanto causado por ver, tão bem representado, algo próximo à realidade carioca. Palmas para Carlos Saldanha. Mais do que fazer um bom filme, ele conseguiu captar a essência do que é o Rio de Janeiro em pleno Carnaval e apresentá-lo em um filme feito, em grande parte, por americanos. Não é pouco. Excelente.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Gabriel P.
      Gostei da Critica mano, bem esplicada. 
    Mostrar comentários
    Back to Top