Minha conta
    Anne Hathaway, Jamie Foxx e Will.i.am passaram pelo Rio de Janeiro
    Por Francisco Russo — 22 de mar. de 2011 às 17:23

    Anne Hathaway, Jesse Eisenberg, Jamie Foxx, Jemaine Clement e Will.i.am passaram pelo Rio de Janeiro para promover a animação Rio. Confira como foi a coletiva que contou também com as presenças dos brasileiros Rodrigo Santoro e Carlos Saldanha.

    Fazia tempo que um evento deste porte não acontecia no Rio de Janeiro. A imprensa mundial esteve presente na manhã do dia 22 de março para conferir a coletiva concedida pelo diretor Carlos Saldanha, os músicos Sergio Mendes, Carlinhos Brown e Taio Cruz e os dubladores Anne Hathaway, Jesse Eisenberg, Jamie Foxx, Jemaine Clement, Rodrigo Santoro, Bebel Gilberto e Will.i.am. Todos a postos para divulgar Rio, animação produzida pela Blue Sky Studios cujo lançamento nacional está marcado para 8 de abril. Boa parte das atenções estava voltada para Anne Hathaway e Jesse Eisenberg, ambos presentes na última edição do Oscar. Ela como apresentadora, ele como indicado a melhor ator por seu desempenho em A Rede Social. Saldanha fazia a função de mestre de cerimônias, ciceroneando os presentes. Em uma coletiva curta, de apenas 30 minutos, coube aos entrevistados responderem apenas quatro perguntas. O restante do tempo foi dedicado a declarações de cada um dos presentes, sobre sua participação em Rio. Confira abaixo os principais momentos. O DESAFIO Carlos Saldanha ressaltou que o principal desafio de Rio era transmitir não apenas as paisagens naturais da cidade, mas também seus ritmos, música e vibração. Para tanto trouxe, logo no início do projeto, seis pessoas que jamais tinham estado no Rio de Janeiro. O período não poderia ser mais propício: em pleno Carnaval. O objetivo era experimentar a festa popular, já que considerava ser impossível repetir a sensação no filme sem ter estado presente nela ao menos uma vez.

    Outra complicação foi o fato de praticamente todo o elenco, com exceção de Rodrigo Santoro, ser americano. Familiarizar os dubladores com as emoções envolvidas era essencial e para tanto contou com o compromisso de todos com a história. VISITA AO RIO Anne Hathaway estava animada com sua primeira visita à cidade maravilhosa. "Foram três anos desde as primeiras reuniões que tive com Carlos Saldanha. Boa parte deste período estive em uma sala escura, diante de um microfone, com a promessa de que um dia viríamos ao Rio. Deixar de ser apenas uma voz e vir para a cidade em que ele se passa é uma experiência maravilhosa", declarou. ESTREIA NA ANIMAÇÃO Jamie Foxx ressaltou que Rio marca sua estreia na animação e que, ao gravar suas falas, teve dúvidas em relação ao projeto. "Não via as caras, isto não vai dar certo", brincou. AMOR PELO BRASIL Durante a apresentação feita por Bebel Gilberto, Anne Hathaway a interrompeu para dizer que ela era um dos motivos para amar tanto o Brasil. Lisonjeada, a cantora retribuiu o elogio. Foi o suficiente para Anne soltar "I can die" (traduzindo, "Já posso morrer"), provocando risadas na plateia.

    TRABALHOS AUTORAIS Questionado sobre sua participação em filmes autorais, como A Lula e a Baleia e A Rede Social, em contraponto à uma animação comercial, Jesse Eisenberg declarou que todos são trabalhos pessoais, seja para o diretor envolvido ou para o criador do Facebook, Mark Zuckerberg. Com Rio não foi diferente, já que é um projeto pessoal de Carlos Saldanha. Jesse acredita que este envolvimento seja bastante significativo, do ponto de vista emocional. O TAMANHO DOS BIQUINIS Questionado sobre o porquê dos biquinis exibidos nas praias cariocas em Rio serem tão conservadores, exibindo pouco do corpo das mulheres, Carlos Saldanha deu uma gargalhada e explicou: "Você conhece as praias do Rio, não posso mostrar tudo". O fato do filme ser voltado também para as crianças e a preocupação em obter censura livre nos Estados Unidos pesaram na decisão de maneirar nos famosos "biquinis brasileiros", que tanto sucesso fazem mundo afora. BRASIL X ARGENTINA Carlos Saldanha saiu pela tangente ao ser questionado sobre o placar do jogo Brasil x Argentina, presente em uma cena-chave do longa-metragem. "Tinha que ser Brasil x Argentina, é o jogo mais clássico que poderia ter", concluiu. RIO 2 A deixa foi dada por Sergio Mendes. Empolgado com o filme, seu primeiro trabalho em trilha sonora, o veterano músico declarou estar triste com sua conclusão. E sacramentou: Carlos Saldanha precisa fazer Rio 2. Será? A resposta só o futuro - e o resultado nas bilheterias - dirá.

    facebook Tweet
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top