Minha conta
    J.K. Rowling revela que Obscurus não é uma criatura
    Por Vitória Pratini — 6 de jan. de 2017 às 21:00

    Como assim?! Vem ver!

    A maleta de Newt Scamander (Eddie Redmayne) em Animais Fantásticos e Onde Habitam está repleta de criaturas. Mas o Obscurus não é uma delas. Apesar do magizoologista carregar um, ele não é uma criatura.

    Recentemente, foi divulgado que Animais Fantásticos e Onde Habitam ganhará uma nova versão atualizada por J.K. Rowling com seis novas criaturas. Alguns fãs no Twitter começaram a sugerir quais animais seriam incluídos no guia, citando criaturas que apareceram em Animais Fantásticos e outras que dão os nomes às casas de Ilvermorny, a escola americana de magia e bruxaria.

    A usuária Ruby escreveu: "Rapinomônio, Thunderbird, Wampus, Pukwudgie, Horned Serpent e Obscurus", e logo foi corrigida por Rowling, que disse: "Um Obscurus não é uma criatura..."


    Então, o que seria? Sabemos que um Obscurus é uma força mágica das trevas parasitária, desenvolvida por um bruxo(a) quando ele(a) tem sua magia suprimida, de forma física ou psicológica. Essa pessoa, então, se torna uma Obscurial.

    Não se sabe ao certo se um Obscurus é um ser vivo — apesar de que Newt consegue manter um deles "vivo" dentro de sua maleta, mesmo depois que a criança hospedeira tivesse morrido.

    Como o conceito de um Obscurus não apareceu nem no livro "Animais Fantásticos e Onde Habitam", nem na saga Harry Potter — apesar de existir a teoria de que Ariana, irmã de Alvo Dumbledore (Richard Harris/Michael Gambon), tenha sido uma Obscurial — Rowling resolveu esclarecer outro ponto sobre o assunto em uma seção de perguntas e respostas no seu novo site: "Por que Harry não desenvolveu um Obscurus?".


    A resposta da autora foi:

    "Um Obscurus é desenvolvido em condições muito específicas: trauma associado com o uso de magia, ódio internalizado da própria magia e uma tentativa consciente de suprimí-la.

    Os Dursleys tinham muito medo da magia para reconhecer sua existência para Harry. Enquanto Válter e Petúnia tinham uma esperança confusa de que se eles fossem desagradáveis o suficiente com Harry suas estranhas habilidades de alguma forma evaporariam, eles nunca o ensinaram a ter vergonha ou medo da magia. Mesmo quando ele foi repreendido por 'fazer coisas acontecerem', ele não fez nenhuma tentativa de suprimir sua verdadeira natureza, nem imaginou que ele tivesse poder para fazer isso."


    Ou seja, apesar da infância abusiva e traumática, um pouco similar com a de Credence Barebone (Ezra Miller) em Animais Fantásticos, Harry (Daniel Radcliffe) nunca teve a tendência de se tornar um Obscurial. Essa explicação de Rowling também justifica o fato de que Voldemort (Ralph Fiennes) também não desenvolveu um Obscurus. O jovem Tom Riddle, que cresceu sozinho e com raiva em um orfanato, não temia nem desprezava suas habilidades mágicas; pelo contrário, ele era quase apaixonado por elas, pelo o que podia fazer, e usava isso para intimidar outras crianças e se sentir poderoso.

    Curiosamente, a autora não mencionou nada sobre Ariana Dumbledore ser uma Obscurial. Será que a teoria dos fãs está certa e que isso só será propositalmente revelado nos próximos filmes da franquia Animais Fantásticos? Teremos que esperar para ver.

     

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Thomas Jerry Oberlin
      Sim, o personagem tinha muito mais medo ainda, porque estava confuso sobre quem ele realmente era, o que fez no passado, e isso só reforçava o desejo se suprimir a magia ainda mais.
    • Thomas Jerry Oberlin
      Se vc assistir o primeiro filme novamente, vai conseguir entender melhor essa questão. O Creedence realmente não odiava os bruxos ou enxergava-os como inimigos, ou pessoas más. Porque no fundo, ele sabia que era diferente. Era um deles. E naquela época, a opressão que via direto de dentro de casa e no mundo não-bruxo desde sua infância o fazia temer a magia tanto quanto usá-la. Portanto, a fonte do Obscurial de Creedence é desenvolvida pelo trauma, o medo e sentimentos de culpa por ser um bruxo e por ser diferente.
    • Thomas Jerry Oberlin
      Bela teoria, mas tenho de discordar dela por alguns pontos bem explícitos.. o parasita obscurus não é uma criatura, diferente dos dementadores. Eles terem essa suposta ligação, de evolução é equivocada.Apesar de obscuriais surgirem (são desenvolvidos) de traumas, dores, culpa, opressão, raiva ou tristeza, ASSOCIADO AO USO DE MAGIA, esses sentimentos dão força para o bruxo cometer, consequentemente, o mal para o mundo. Logo os dementadores, sugam as energias, sentimentos puros, bons, vitalidade e felicidade da pessoa, para evitar que o bruxo cometa algum bem para o mundo. São coisas diferentes, desenvolvidas e surgidas por meios diferentes. Portanto, apesar da semelhança dessas duas coisas se alimentarem da fonte das emoções e sentimentos, eles não têm uma ligação evolutiva. Porém, lembrando que este é apenas o meu posicionamento diante essa teoria, não quer dizer que você esteja errado. Até porque, tem muita coisa ainda pra acontecer. Serão +3 filmes para Animais Fantásticos acontecerem, até lá, todo argumento (ou não), é válido.
    • Thomas Jerry Oberlin
      Com todos essas reflexões, nota-se que a saga Animais Fantásticos, aborda mais o protagonismo vindo de vilões e não de heróis, apesar da história e o personagem principal ser o mocinho, desde o primeiro filme, vemos como era o poder absoluto naquela época da opressão contra a magia e os bruxos que a utilizavam. Na saga Harry Potter, o enredo é protagonizada pelo herói. Enquanto em Animais Fantásticos, foca-se mais nos obstáculos, barreiras e mistérios que o mundo bruxo e o Ministro da Magia adaptado ao comando opressor das trevas, inimigos e vilões tentam impor a sociedade bruxa. Isso fica mais explícito no segundo filme, Os Crimes de Grindewald.
    • Thomas Jerry Oberlin
      Ótima reflexão, daí se dá o velho ditado: Onde haverá luz, haverá trevas. Ou, onde houver luz, haverá sombras. Algo assim, bem filosófico e é uma das teorias que se encaixam muito bem e faz sentido à adaptação no mundo bruxo.
    • James Benson
      a Rowling faz muito disso, ela pega coisas que existem e emenda em criações... Eu também fazia muito quando comecei a escrever!
    • zam
      ah, alem disso os dementadores se alimentam de boas memorias, energia boa, e o obscurus surge justamente pelo inverso, trauma,más memorias e má energia relacionada a essas memorias...
    • zam
      É uma idéia interessante,porém a impressão que eu tenho é que o dementador foi mais baseado numa lenda albanesa, a das shtriga, que se alimentam do sangue (que seria a vitalidade) de crianças.
    Mostrar comentários
    Back to Top