Minha conta
    Como a Pixar está tendo sucesso com uma comédia romântica DAQUELAS que Hollywood não quer mais fazer?
    Giovanna Ribeiro
    Giovanna Ribeiro
    -Redatora
    Aprendeu com Amélie Poulain a ir ao cinema sozinha às sextas e observar a reação do público. Mas, no fundo, queria mesmo era ser o Rocky Balboa.

    Elementos é uma história cheia de química, com uma sensibilidade que outros estúdios simplesmente não conseguem replicar.

    Faísca (Leah Lewis na versão original) é uma jovem que mora na Cidade Elemento. Desde pequena admira a família e o pai, Brasa (Ronnie Del Carmen), dono de um negócio local. Mas um dia, depois de uma de suas habituais explosões de raiva, Faísca provoca um vazamento no porão e conhece Gota D'Água (Mamoudou Athie), um ser líquido que vai virar sua vida de cabeça para baixo.

    O que faz com que Elementos seja, ao mesmo tempo, um filme bem característico da Pixar, mas sem se assemelhar necessariamente a outros projetos da produtora? O que o torna tão especial?

    O segredo do sucesso

    Quem se declara fã da Pixar tem que admitir que houve uma mudança na produtora e na forma como as histórias são abordadas. Até cinco anos atrás, a piada mais comum para definir a maioria dos filmes da Pixar era responder à pergunta: "E se 'isto' tivesse sentimentos?" e quanto mais inusitado, melhor. O ponto culminante, claro, foi o incrível Divertida Mente, que questionava se os sentimentos tinham sentimentos.

    Disney
    Divertida Mente - Filme 2015

    Mas a verdade é que existe uma forma mais precisa ainda de definir essa linha da produtora: como um adulto veria o mundo de uma criança? Bom, a partir da relação com o trabalho e a família. Por isso os títulos que deram fama a Pixar tratam do mundo do trabalho (o que fazem os brinquedos, os insetos, os monstros, os carros, os sentimentos), do núcleo familiar (Procurando Nemo) ou ambos (Toy Story 2, os dois Os Incríveis).

    Houve também uma evidente ausência de romance - e se a Disney tivesse feito Marlin e Dory desenvolver sentimentos um pelo outro e acabarem casados? - Em Valente, até existia a possibilidade de formar um casal para Merida, mas se tratava de uma personagem tão gigantesca que nem fazia sentido atribuir-lhe um príncipe.

    O jogo de Hollywood

    A saída do chefe da Pixar, John Lasseter, em 2017, foi uma virada e uma mudança de perspectiva: Viva: A Vida é uma Festa e Os Incríveis 2 voltaram a tratar do núcleo familiar, mas de repente Toy Story 4, entre os fios da trama que ele lidou, apresentou o romance de Woody com Betty. A máquina tinha que continuar girando, a Disney gastou muito dinheiro adquirindo a Pixar, mas as peças estavam mudando.

    Disney
    Toy Story 4 - Filme 2019

    Desde 2017, a Pixar não conta mais histórias em mundos de fantasia a partir da perspectiva e dos objetivos de um adulto, mas sim a partir da visão de crianças (Luca) e adolescentes amadurecendo (Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica, Red: Crescer é uma Fera). Ou quando se colocam no lugar de um adulto, de forma criativa, a narrativa sempre é um tanto subversiva (Soul e Lightyear).

    Também deixaram para trás o classicismo e as visões do cinema antigo, tendo os anos 80 e 90 como novas referências. Um último ingrediente: a experiência da imigração e os modos de viver e sentir não-americanos. Viva: A Vida é uma Festa abriu o caminho, embora o curta-metragem Bao de 2018 tenha sido o verdadeiro pontapé definitivo, pois ajudou a sua realizadora, Domee Shi, a desenvolver o seu projeto da menina que se transforma num panda vermelho.

    Elementos, uma história de amor

    Portanto, Elementos não teria sido possível com a antiga Pixar e funciona milagrosamente bem com a nova. Porque Elementos é uma comédia romântica entre jovens (a primeira do estúdio!), um daqueles filmes onde os protagonistas procuram o amor e o seu lugar no mundo.

    Disney

    Aparentemente, nas primeiras versões havia um vilão e uma luta pelo poder, mas elas foram felizmente descartadas para focar em como dois elementos tão opostos como o fogo e a água podem se encontrar. Se você colocar um fósforo aceso na água, só ganha um fósforo apagado e um pouco de fumaça: aqui está a grandeza da animação, contando algo fantástico e de uma forma que a realidade não consegue, com personagens demasiadamente "humanos".

    Os avanços técnicos tornam a representação dos elementos plausível e visualmente espetacular. Na época de Procurando Nemo, foi dito como é difícil animar a água. Aqui, em todas as suas correntes (mar, enchente, chuva) e formas antropomórficas, a água parece natural e em perfeita harmonia com os ventos, a terra e o fogo.

    A trama poderia até dizer de forma explícita que, de fato, Gota e Faísca estão destinados a se apaixonar, mas seria inútil se ambos os elementos não estivessem tão bem juntos na tela. É preciso técnica, a mesma técnica que faz da animação uma forma única de contar histórias. Em uma cena, os dois estão de mãos dadas e, enquanto ela desaparece um pouco nas pontas dos dedos, ele ferve de calor. Isso é definitivamente, um filme de amor.

    Disney

    Os melhores amigos

    Se você adicionar alguns secundários charmosos, como Névoa (Wendy McLendon-Covey) que preenche a tela (às vezes literalmente), os pais de Faísca apegados às tradições ou a família bizarra de Gota, você sente que é um daqueles filmes leves que fazem você se sentir bem, e que Netflix ou Amazon tentam produzir aos montes (e não muito bem, diga-se de passagem).

    Tão charmosos que você sente falta de um pouco mais de tempo de tela para eles e um pouco mais de profundidade, como a mãe de Faísca, Fagulha (Shila Ommi), que vive na sombra de Brasa.

    Nem mesmo uma necessidade de ter um final "de espetáculo" pesa no filme: afinal, mesmo que Elementos venha preencher a lacuna deixada nos cinemas pela falta das comédias românticas hollywoodianas, é uma produção de milhões de dólares. Você pode apostar que a inundação no porão da loja de Faísca já é espetacular.

    Disney

    Quando Gota encontra Faísca

    Uma parte importante da trama tem a ver com a herança de Faísca, cuja família veio de outro país para Cidade Elemento e que tenta se adaptar e, ao mesmo tempo, manter vivas as tradições, materializadas em uma chama azul pela qual passam a colocar em risco sua vida (desde que não se apague). Existem até metáforas para o racismo, algumas tão óbvias como o romance inter-racial, e outras mais sutis.

    O diretor de Elementos, Peter Sohn, reuniu sua experiência e a de muitos de seus colegas da Pixar para colocá-lo na tela, e é perceptível esse equilíbrio entre semear o próprio caminho e respeitar quem está atrás de você.

    Um pouco também como esta nova Pixar, que continua a contar histórias com uma sensibilidade que outros estúdios simplesmente não conseguem replicar (ou não querem, como a Dreamworks) e com uma estrutura técnica com a qual os seus concorrentes só podem sonhar.

    Elementos
    Elementos
    Data de lançamento 22 de junho de 2023 | 1h 42min
    Criador(es): Peter Sohn
    Com Leah Lewis, Mamoudou Athie, Ronnie Del Carmen
    Imprensa
    2,8
    Usuários
    4,1
    Adorocinema
    3,5
    Assista agora em Disney +

    Elementos está em cartaz nos cinemas.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Back to Top