Minha conta
    São Jorge
    Críticas AdoroCinema
    3,5
    Bom
    São Jorge

    Círculo da precariedade

    por Bruno Carmelo

    Jorge (Nuno Lopes) é um homem de corpo ameaçador e voz frágil. A estrutura musculosa serviu para a carreira de boxeador e lutador, mas a voz é calada pela situação em que se encontra: sem trabalho, sem dinheiro, tendo que cuidar do filho pequeno após o divórcio com a mãe brasileira, Susana (Mariana Nunes). Por isso, quando ouve as broncas do pai idoso e dos antigos chefes, ele baixa a cabeça e não responde. As perspectivas não são das melhores: a mídia faz alarde sobre a recessão, as empresas e fábricas demitem funcionários diariamente.


    São Jorge - FotoSão Jorge oferece um olhar alarmante sobre a posição econômica de Portugal dentro da União Europeia. O cineasta Marco Martins decide voltar a sua câmera para as consequências sociais da crise: o aumento de pessoas endividadas, da ilegalidade, da violência, da informalidade das relações, das moradias precárias etc. A direção acompanha, sem condescendência, a caminhada frustrada do protagonista por becos, cortiços e vielas escuras em busca de oportunidades para sustentar o filho e convencer a ex-esposa a retomar o relacionamento.

     

    Para o retrato de tamanha brutalidade, o drama faz escolhas estéticas igualmente agressivas. A câmera na mão acompanha Jorge o tempo inteiro, muitas vezes de costas, fechando o enquadramento em sua nuca conforme o homem se desloca pela cidade. A fotografia é exageradamente contrastada e saturada, mergulhando os personagens no escuro, com eventuais recortes da luz amarelada dos postes nas ruas. A profundidade de campo é reduzida, para aumentar a sensação de angústia e falta de perspectivas. O teor é cru e físico, privilegiando as manifestações externas dos sentimentos à psicologia dos personagens.

     

    São Jorge - FotoO resultado é um estilo coeso, embora excessivo. Compreende-se que as ruas mais pobres sejam escuras e abandonadas, mas mesmo a casa do protagonista é totalmente mergulhada na escuridão, os galpões são mal iluminados e as cenas diurnas são cobertas de um aspecto cinzento. A preferência por fechar o enquadramento nos rostos ressalta o ótimo trabalho de composição de Nuno Lopes e Mariana Nunes, mas perde a importância do espaço na solidão de ambos. Uma reviravolta importante, rumo ao final, também é registrada com uma violência chocante.

     

    Mesmo assim, o humanismo e teor político da obra ficam patentes, com direito a interações verossímeis entre os pais separados e o filho pequeno. São nas conversas truncadas que Jorge mantém com o garoto (sobre o boxe, sobre as frutas brasileiras, sobre o imaginário da fuga para outro país) que se percebe de modo mais belo a desolação de cada um destes personagens. O drama inteiro se assemelha a um combate de boxe, uma briga diária pela sobrevivência em meio adverso. O diretor mantém um olhar pessimista quanto à economia e à política, mas ainda acredita na possibilidade de união entre indivíduos marginalizados.

     

    Filme visto na 40ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em outubro de 2016.

    Quer ver mais críticas?

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top