Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Uma Mulher Fantástica
    Críticas AdoroCinema
    3,5
    Bom
    Uma Mulher Fantástica

    Uma história de resistência

    por Bruno Carmelo

    Em Gloria (2013), o chileno Sebastián Lelio efetuava um retrato íntimo e terno de uma mulher de meia-idade, solitária e confrontada a questões de sexualidade. Agora, em A Mulher Fantástica, o diretor permanece no intimismo e na feminilidade ao retratar o dilema de Marina (Daniela Vega), uma mulher transexual cujo namorado sofre um mal-estar súbito e morre. Além de lidar com o luto, precisa enfrentar a violência da família do falecido, que não a reconhece como namorada legítima. Sucedem-se cenas de humilhação a Marina em sua posição de transexual, de amante (o namorado era casado quando a encontrou) e de mulher mais jovem com recursos financeiros limitados.


    Una Mujer Fantástica - FotoNo quesito político, o projeto efetua um painel vasto e afetuoso sobre a transexualidade, descrevendo uma série de agressões físicas e psicológicas diárias, que vão desde a ignorância alheia (um médico não sabe se a chama pelo nome social ou de batismo) até ataques motivados pelo ódio. Estas cenas combinam observação e denúncia, ou seja, vão da apreensão da realidade à interpretação da mesma, algo louvável para um tema pouco representado no cinema. Pela excepcionalidade e pela hostilidade recorrente, Marina corre o risco de ser transformada em mártir, um exemplo social das dificuldades encontradas em função de sua identidade de gênero.

     

    Felizmente, Lelio consegue contornar o problema, primeiro ao impedir que sua vida seja um calvário: ela possui amigos, um emprego fixo de garçonete, e demonstra prazer em outras atividades como o canto. Segundo, a personagem é interpretada com frieza implacável por Vega, atriz ainda em fase de formação, com parte técnica deficiente, porém em evolução desde A Visita (2014). Embora não esteja à altura das cenas de maior complexidade emocional, ela se sai bem diante da imensa responsabilidade de ter a câmera colada ao seu rosto durante 120 minutos. Marina se mostra íntegra diante das adversidades, mas também revida quando necessário. O roteiro lhe confere uma dignidade inabalável.

     

    Una Mujer Fantástica - FotoO componente social também é suavizado pelo aspecto fantástico sugerido no título. A cena inicial traz música surreal e letreiros brilhosos, enquanto inserts apostam num inusitado momento musical e na caminhada da personagem contra um vento muito forte (imagem ao lado), sendo quase derrubada, mas ainda assim permanecendo de pé. Se você acha essa metáfora óbvia, espere para ver Marina refletida num espelho que deforma o corpo, ou abrindo um armário vazio que serve de herança simbólica do falecido. Lelio nunca vai muito longe ao buscar suas analogias: em Gloria, quando a personagem se irritava com o ex-marido, aparecia na casa dele com uma arma de brinquedo, que esguichava água. O jogo era simples: a arma real trocada pela arma falsa, e neste caso, a imagem real é trocada pela imagem distorcida.

     

    Quando fogem do óbvio, os símbolos de Una Mujer Fantastica são reiterados até perderem o mistério (a chave filmada três vezes em plano próximo). Longe de ser um esteta, Lelio tem se mostrado um cineasta excepcional pelo olhar lúdico do cotidiano. No entanto, quando tenta embarcar no registro abertamente fantasista, seus recursos se tornam insuficientes: seriam necessários mais momentos como o instante musical, ou uma função mais potente dos mesmos para que pudessem impactar a narrativa. Pelo resultado final, fica a impressão de que outros inserts de fantasia foram cortados na montagem, ou que o projeto não teve coragem de assumir seu aspecto mágico até o fim. Apesar das deficiências no retrato do luto, o resultado é positivo: Una Mujer Fantástica constitui um belo retrato de personagens e uma potente descrição da transexualidade.

     

    Filme visto no 67º Festival de Cinema de Berlim, em fevereiro de 2017.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Daniel Asimov
      Ótimo filme
    • Daniel Asimov
      A dúvida do André se mantém, fake de meninoSe é um gênero saturado então me mostre a grande relação de obras sobre o tema
    • Alicia Bratovich
      O ponto é justamente esse, sua anta. Não são bons, como esse mesmo.
    • André Luiz Gonçalez
      Filme de trans como mártir estão saturados.. Cite-me uns 5, e bons, por favor.
    • taffa sousa
      Só queria entender porque todos os filmes LGBTs nesse site nunca recebem críticas excelentes, vulgo o seguinte filme, moonlight, o segredo de broke break mountain, etc.
    • Landro Oviedo
      Opinião é que nem impressão digital, cada um tem a sua. Não concordo com o articulista sobre a técnica deficiente da atriz, muito antes pelo contrário, ela é um dos segredos da grandeza do filme e se sobressai na arte da interpretação, permitindo ao espectador de forma singular uma interação anímica com seu drama. Por falar em técnica, é fácil criticar de camarote, mas difícil é não tropeçar na própria rede armada para sofrenar os outros. O crítico se vale da linguagem formal e no seu emprego comete impropriedades, como “vão da apreensão da realidade à interpretação DA MESMA” ou “seriam necessários mais momentos como o instante musical, ou uma função mais potente DOS MESMOS para que pudessem impactar a narrativa”. Quanto leio desvios pueris da norma culta como esses, já antevejo que uma forma ruim não há de me entregar um grande conteúdo.
    • Alicia Bratovich
      Acho que isso é tudo o que o cinema NÃO precisa. Transexual como martir e como vitima é o que tem de mais saturado como tema. Mas é o que o povão tem prazer em ver e ainda se acha cult.
    • Marcia Freire Silas
      ou abrindo um armário vazio que serve de herança simbólica do falecido esta parte poderia ser suprimida, pois é um ponto do filme que é delicado e de importância nas expectativas da trama. Mas...
    Mostrar comentários
    Back to Top