Meu AdoroCinema
Julieta
Críticas AdoroCinema
4,5
Ótimo
Julieta

A nova mulher de Almodóvar

por Francisco Russo
Não é de hoje que Pedro Almodóvar tem buscado associar um certo mistério à sua já habitual habilidade em traduzir sentimentos femininos para a telona. Em Julieta, seu novo trabalho, ele repete esta mistura, já utilizada com a personagem de Penélope Cruz em Abraços Partidos (a cena da escadaria, a la Hitchcock, lembra?). A diferença é que, aqui, o diretor demonstra um domínio impressionante do que tem a dizer, tanto pelo lado estético quanto de narrativa.

Julieta - FotoFiel ao melodrama, Almodóvar desta vez entrega a história da personagem-título, apresentada em dois extremos da vida: na juventude e na meia idade. De comportamentos completamente distintos, há um mistério que explica tal transformação. É justamente em busca deste segredo que todo o longa-metragem é conduzido.

Explorando bastante seu vermelho característico, Almodóvar cria uma ambientação extremamente requintada e elegante. Se a Julieta dos anos 1980 possui características típicas da época, especialmente cabelo e roupas, a dos dias atuais mantém um tom sóbrio que, à medida que revela seu passado, torna-se mais desesperançoso. O diretor ainda revisita o velho conhecido kitsch através de um pequeno detalhe: uma breguíssima mão instalada em uma porta, para que as pessoas possam bater nela.

Julieta - FotoMuito consciente do material em mãos, o diretor consegue com habilidade conduzir o espectador por caminhos nem sempre óbvios. Neste filme Almodóvar a todo instante quebra expectativas, indicando que a história vai numa direção para, logo em seguida, desmenti-la. O melhor exemplo é a longa sequência no trem, com variações em torno de um homem já citado, mas ainda não conhecido. Além disto, traz de volta a velha amiga Rossy de Palma em um novo papel coadjuvante, bem divertido.

Com uma linda trilha sonora e uma fotografia que explora bastante a variedade de cores - repare nas roupas usadas pelas mulheres! -, Julieta é uma verdadeira aula de direção, extremamente elegante. Não se trata do melhor filme do diretor - Tudo Sobre Minha Mãe, Volver e Fale com Ela são melhores -, e talvez nem mesmo agregue novos valores à sua carreira, mas ainda assim trata-se de um belíssimo trabalho que não apenas revisita sua filmografia, mas reafirma seu talento na condução de sentimentos femininos. Destaque também para o bom trabalho de Adriana Ugarte, mais exigida emocionalmente em cena do que sua contraparte Emma Suárez.

Filme visto no 69º Festival de Cannes, em maio de 2016.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

Mostrar comentários
Back to Top