Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    As Duas Faces de Janeiro
    Críticas AdoroCinema
    4,0
    Muito bom
    As Duas Faces de Janeiro

    Os segredos dos homens

    por Bruno Carmelo

    Para fazer um filme, basta uma mulher e uma arma”, dizia o provocador Jean-Luc Godard. A frase vem à cabeça diante do suspense As Duas Faces de Janeiro, que apoia sua construção sofisticada sobre uma trama simples, centrada justamente em um triângulo amoroso e uma morte. Um rico casal (Viggo Mortensen e Kirsten Dunst) faz uma viagem à Grécia, onde conhece um guia americano (Oscar Isaac) que se torna amigo dos dois. Este representa uma ameaça ao se mostrar atraído pela esposa do amigo, mas torna-se necessário na vida dos turistas quando um suposto assassinato entra em cena.


    As Duas Faces de Janeiro - FotoMuitos críticos evocaram a herança de Alfred Hitchcock diante desta história. Talvez a época antiga (nos anos 1960), a direção de arte e a fotografia impecáveis e as paisagens paradisíacas remetam a uma ideia de prestígio associada ao diretor. Mas esta nova produção está distante do que Hitchcock chamava de suspense. Enquanto o britânico apresentava o suspense como uma assimetria de informações (ou o público sabe de algo que os personagens não sabem, ou os personagens sabem de algo que o público não sabe), esta história esclarece toda a ação, colocando o espectador como um voyeur onisciente. Chester (Mortensen), Rydal (Isaac) e Colette (Dunst) detêm quase todas as informações necessárias sobre a morte que move a trama, e o grande suspense está nos rumos da narrativa: eles serão presos? Rydal ficará com Colette?

     

    Desta maneira, apesar do clima sombrio e da trilha sonora tensa, As Duas Faces de Janeiro é um filme de personagens. Felizmente, o diretor iraniano Hossein Amini conta com dois excelentes atores à frente do elenco. Tanto Viggo Mortensen quanto Oscar Isaac compõem personagens complexos e ambíguos, cada um à sua maneira: o primeiro, com olhar e gestos violentos; o segundo na base da malícia e da insinuação. Os embates entre eles são eletrizantes, assim como a relação de admiração e mesmo de atração entre esses dois homens. Kirsten Dunst poderia compor seu papel com igual ambiguidade, mas prefere fazer o papel da garota ingênua e pouco inteligente, tornando-se menos interessante do que seus colegas de cena.

     

    As Duas Faces de Janeiro - FotoJá o diretor tem um bom olhar para o uso dos espaços, fazendo composições clássicas, mas funcionais, em estradas abertas, à beira do mar ou nas ruas de pequenas ilhas gregas. Ele tem a louvável capacidade de se aproximar dos personagens sem ficar refém dos enquadramentos próximos. Mesmo assim, alguns momentos importantíssimos envolvendo uma escadaria e uma maleta são filmados de maneira displicente, perdendo o grande impacto que poderiam – ou deveriam – ter. Nestas cenas chave, a montagem se acelera e a iluminação diminui, como se o cineasta não confiasse na potência de seus enquadramentos e de seus atores, precisando recorrer a efeitos fáceis do cinema de gênero.

     

    Mesmo assim, a trama consegue se aprofundar de maneira considerável para seus enxutos 97 minutos de duração, construindo uma relação sólida entre os dois personagens masculinos. O roteiro cuidadoso emprega diversas simbologias para aproximá-los na relação de amizade, rivalidade e paternidade (Rydal ainda sofre com a perda do pai, e durante um momento de crise, finge ser o filho de Chester). Diante do cenário grego, a narrativa apela para a estrutura clássica e metafórica de Édipo, atualizando a figura do anti-herói que precisa desafiar o pai e desejar a mãe para alcançar o seu trágico destino. Assim, de maneira elegante, embora não muito surpreendente, a trama encontra a sua conclusão, tão imperfeita e bela quanto todo o filme.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Maria C
      Gostei bastante... Viggo está muito bem e Omar bem enigmático. O filme lembra meu querido Hitchcock sim. Valeu.
    Mostrar comentários
    Back to Top