Minha conta
    A Divisão: Série do Globoplay aborda corrupção e tortura sem tomar partido (Primeiras impressões)
    Por Bruno Carmelo — 18 de jul. de 2019 às 09:45

    Ponto de vista complicado para questões complexas.

    Algum pesquisador do cinema brasileiro deveria pesquisar - caso já não o esteja fazendo - a herança de Cidade de Deus (2002) e Tropa de Elite (2007) no imaginário brasileiro do banditismo e das favelas.

    Ambos os projetos parecem ter traduzido a descrença social nas instituições e a busca por justiçamento. Apesar de si próprios, conquistaram os espectadores por aspectos indesejados: ao invés de se identificar com Buscapé, parte considerável do público preferiu o extremismo de Zé Pequeno; ao invés de questionar os atos do anti-herói Capitão Nascimento, preferiram enxergar no sujeito truculento uma figura exemplar da justiça a qualquer preço.

    Agora, na ausência de grandes produções policiais capazes de canalizar as tensões do cenário político polarizado, as séries de televisão se arriscam no imaginário das favelas como empolgantes campos de batalha onde vivem os mais perigosos bandidos do país. Rotas do ÓdioImpuros e, em menor medida, Pacto de Sangue já exploravam os prazeres da corrupção ficcionalizada, liderada em geral por representantes violentos do poder. 

    João Sal / Globoplay
    Equipe e elenco de A Divisão

    A Divisão estende esta proposta: desde a primeira cena, no Rio de Janeiro dos anos 1990, um policial (Bruce Gomlevsky) efetua um discurso curiosamente acadêmico na televisão sobre os excessos da violência policial e os crimes praticados pelo governo em nome do combate à criminalidade. Ao mesmo tempo, dois sequestros ocorrem na praia, liderados pelos policiais Santiago (Erom Cordeiro) e Roberta (Natália Lage).

    Por um lado, o discurso verbal critica os excessos e a violência. Por outro lado, a imagem utiliza todas as ferramentas possíveis para tornar essa violência empolgante para o espectador: montagem fragmentada, trilha sonora rock para ilustrar a brutalidade, e depois tiros à queima-roupa e o sangue literalmente espirrando na tela da televisão. Esta linguagem se mantém nas primeiras duas horas em que as controversas figuras da D.A.S. (Divisão Antissequestro) discutem as melhores maneiras de salvar vítimas (e conseguir algum dinheiro na transação).

    Nos primeiros capítulos da série, apresentados aos jornalistas, o diretor Vicente Amorim parece dividido entre criticar a violência e exaltá-la, entre apontar as derivas do sistema de modo crítico e sugerir que as coisas são assim mesmo, e que portanto nada vai mudar, de modo acrítico. A Divisão, como sugere o título, se constrói sobre um delicado equilíbrio de pensamentos opostos sobre o papel da polícia dentro da sociedade brasileira.

    Para o espectador em busca dos prazeres da ação, a série cumprirá o seu propósito. O ritmo é acelerado, os planos de sequestro e de resgate são elaborados sem delongas, e os personagens não têm muito tempo para refletir sobre as decisões tomadas. Para um terreno de urgência, Amorim imprime uma dinâmica igualmente brusca de ação e reação, de ataque e sobrevivência. Os atores estão sempre ofegantes, suando em bicas. Neste meio, introduzem-se fortes cenas de assassinato e de tortura, além de sexo do herói com uma bela mulher - e a nudez dela é muito mais explorada do que a dele, é claro.

    Pode-se dizer que o projeto embarca no ideal consagrado do homem violento que, por coragem e senso de retidão, faz justiça com as próprias mãos. Afinal, o sistema "legal" (advogados, policiais, tribunais, investigadores) estaria corrompido demais para tratar os casos com imparcialidade. Então, se todos serão corruptos, que eu seja também... A meu favor. Consequentemente, cada policial corrupto, bandido sanguinário e político ganancioso age em nome de si próprio. 

    O maior questionamento, diante do início explosivo de A Divisão, é saber se existe algum questionamento crítico em relação às atitudes em tela, e se qualquer outra forma de lidar com o problema será cogitada fora da bolha das armas e dos sequestos. Afinal, o fato de lançar mão de personagens moralmente controversos e dizer "não cabe a mim me posicionar" corresponde, voluntariamente ou não, a uma forma de posicionamento. 

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Regis Machado
      Nada contra, mas como considerar exagerada, apelativa ou um completo imaginário violento brasileiro, algo que é criada pelo afroreggae, eles que vivem a realidade das favelas todos os dias, durante décadas, como isso pode ser considerado algo exagerado. Infelizmente essa é a realidade Brasileira, fechar os olhos que é absurdo.
    • Leo Mendes
      Até que enfim uma análise que não soa vendida ou matéria paga! Gostei do senso crítico ao citar dois aspectos comuns nos produtos de entretenimento (cinema e TV): exploração apelativa da nudez feminina e glamourização desnecessária da violência. Estamos tão imersos nesses dois aspectos que nem mais nos chocamos, mas quando alguém joga luz sobre essa maneira apelativa de narrar histórias,vejo que ainda há esperança de reflexão que leve à mudança, da mesma forma que aconteceu quando começaram a questionar a total brancura dos protagonistas anos atrás e hoje em dia vemos mais representatividade nas telas.
    Mostrar comentários
    Back to Top