Minha conta
    Dicas do Dia: Cinquenta Tons de Cinza e Cartas para Julieta são os destaques de hoje
    Por Rafaela Ferreira — 12 de jun. de 2018 às 07:00

    O Lado Bom da Vida também está na programação.

    Em O Lado Bom da Vida, Inicialmente seria Anne Hathaway a intérprete de Tiffany, mas ela teve que desistir do papel devido a conflitos de agenda e Jennifer Lawrence assumiu o papel.

    Confira a programação completa:

    Odeio o Dia Dos Namorados (10h32 - Warner)

    Débora (Heloísa Périssé) é uma publicitária que sempre privilegiou a carreira em detrimento de sua vida amorosa. Entretanto, ambas se misturam quando ela precisa trabalhar em uma importante campanha para o Dia dos Namorados cujo cliente é Heitor (Daniel Boaventura), seu ex-namorado. Veja o trailer e leia a crítica!

    O Lado Bom da Vida (12h40 - Cinemax)

    Pat Solitano Jr. (Bradley Cooper) perdeu quase tudo na vida: sua casa, o emprego e o casamento. Depois de passar um tempo internado em um sanatório, ele acaba saindo de lá para voltar a morar com os pais. Embora seu temperamento ainda inspire cuidados, um casal amigo o convida para jantar e nesta noite ele conhece Tiffany (Jennifer Lawrence), uma mulher também problemática que poderá provocar mudanças significativas em seus planos futuros. Veja o trailer e leia a crítica!

    A Arte do Amor (15h07 - Globo)

    Abby (Shiri Appleby) é uma jovem artista criada pela tia enquanto os pais viajavam pelo mundo. O amigo imaginário que inventou na infância, Sy (Orlando Seale), se tornou seu namorado na fase adulta. Já na faculdade, ela se apaixona pelo divertido Quinn (Nick Zano) e precisa decidir com qual dos dois prefere ficar.

    Cinquenta Tons de Cinza (19h45 - Universal Channel)

    Quando a estudante de literatura Anastasia Steele (Dakota Johnson) entrevista o jovem bilionário Christian Grey (Jamie Dornan), como um favor a sua colega de quarto, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que o deseja e que está desesperadamente atraída por ele. Veja o trailer e leia a crítica!

    A Incrível História de Adaline (21h33 - HBO Family)

    Adaline Bowman (Blake Lively) nasceu na virada do século XX. Ela tinha uma vida normal até sofrer um grave acidente de carro. Desde então, ela, milagrosamente, não consegue mais envelhecer, se tornando um ser imortal com a aparência de 29 anos. Veja o trailer e leia a crítica!

    Cartas Para Julieta (23h50 - Telecine Touch)

    Sophie (Amanda Seyfried) é uma aspirante a escritora que viaja para a Itália ao lado do noivo Victor (Gael García Bernal), que sonha em ter seu próprio restaurante. Na cidade, ela descobre uma antiga carta de amor e junta-se a um grupo de voluntárias que respondem estas mensagens amorosas. Veja o trailer e leia a crítica!

    Fique atento, a programação pode ser alterada pelas emissoras sem aviso prévio.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Pois é. E nos anos 70 diziam isso da gente por ver televisão demais. O técnico de TV quando ia lá em casa chegava a aconselhar que não se ligasse o aparelho por mais de 4 horas (!) por dia, para evitar que esquentasse demais (era ainda de válvula). rsrs Para assistir, diziam para não deixar uma criança ver mais de 2 horas por dia. Alguma dúvida que crianças e adolescentes hoje ficam 24 horas por dia no smartphone?...
    • Deise Ferreira
      Pior que é, a criança vai ficando cada vez mais isolada e paranoica, e em algum momento a violência explode...
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Pois é. Pode até não dar em nada, e a gente reza sempre por isso. Mas alguns desses se tornam aqueles assassinos de escola e cinema nos EUA. Se os pais os tivessem vigiado, quem sabe mudariam seus rumos.
    • Deise Ferreira
      Na verdade pra uma criança daquela época era bem estranho... Não mesmo; tenho uma amiga que nem sabe o que os filhos tão acessando, o de 11 anos, joga cada game violento, fiquei horrorizada.
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Surpreendia? Ah, tá. Mas não em ver um corpo feminino nu, eu quis dizer. Pior que muitos pais não estão nem aí para o que está acontecendo hoje.
    • Deise Ferreira
      Cruz credo! Surpreendia sim, fui criada por pais conservadores, e mulher nua assim, era pior que o capiroto!Se os pais não ficarem atentos, as crianças vão crescer pervertidas, nem eu tenho coragem de olhar certas coisas.
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Bem, pelo menos você não se surpreendia com o que via. rsrs Agora, imagine um menino... Isso fazia muito mal, na verdade, porque antecipava uma sexualidade diante de um mundo bem reservado. Acho que já te contei uma vez: na porta de uma escola onde eu estudei ficava um cara vendendo ou até emprestando aquelas revistas de mulheres seminuas (na época nem eram nuas como passou a ser depois). Isso para crianças de 12, 13 anos. O acesso a esse material era muito restrito. Hoje... impossível uma criança não ver até atrocidades sexuais!
    • Deise Ferreira
      E hoje em dia tem que agradar todos os clientes! Quando eu era criança tinha muito esse tipo de calendário, eu ia com meu pai na oficina e via sem querer, querendo, achava uma vergonha.
    • Bernardo Bastos Guimarães
      kkkkkkk Do jeito que as coisas estão, pode haver DE TUUUUDO!!!!! Sabe como é: o freguês tem sempre razão! kkkkk
    • Deise Ferreira
      Uai, o máximo que pode ter são calendários com homens pelados, ou com os dois pelados... Deixa quieto. ;)
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Melhor não procurar saber... Vai que as coisas até pioraram e você se assusta! kkkkkkk
    • Deise Ferreira
      Também não sei se existem ainda, vou procurar saber. Realmente, a coisa hoje em dia tá muito moderninha, mas continuo achando constrangedor, sou da década de 70, e não tinha tanta liberdade.Todos se respeitam, então tá de boa; eles não deram certo, mas a amizade é desde meus tempos de criança.
    • Bernardo Bastos Guimarães
      Nem sei mais se ver aqueles calendários hoje em dia é constrangedor para alguém, sabe? As pessoas já estão tão acostumadas com a sexualização em todo canto... Até crianças, iniciadas muito cedo nisso. Mas eu estava só brincando. Tem tanto tempo que não entro em mecânicas que nem sei se ainda imprimem desses calendários. rsrsMas outra coisa, que achei curiosa: rola ter chefe que é ex-cunhado?... As coisas não se misturam não?
    • Deise Ferreira
      Na empresa que trabalho não tem nada pornô, meu ex-cunhado e chefe, nunca deixou esse tipo de coisa, pega mal pras mulheres que vão com os maridos, ou levar os próprios carros, crianças, idosos, é constrangedor.No começo do ano teve um acidente com moto numa avenida importante de BH, eu sabia que tinha algo errado, mas fiquei quietinha no meu canto, não tenho nenhum prazer em ver esse tipo de coisa.
    • Bernardo Bastos Guimarães
      kkkkk E no 2º andar você fica livre também de ver aqueles famosos calendários de mulheres nuas das mecânicas, né? kkkk Mas é de fato surpreendente a atração que a maioria das pessoas tem por tragédias. Repare, se houver um acidente de trânsito, o tanto de gente que se vira para ver e até para.
    • Deise Ferreira
      Eu que o diga... Trabalho numa empresa de autos, e a maioria dos mecânicos adoram papos assim; ainda bem que minha sala é no segundo andar, só ouço quando vou pegar algum papel, ou tomar um cafezinho.
    • Bernardo Bastos Guimarães
      É dose. Mas já reparou como a grande maioria das pessoas gosta de ver essas tragédias, e as conversas aqui e ali sempre são sobre isso?
    • Deise Ferreira
      Não impede mesmo, também fui criada num regime quase militar, só que eu ia pra escola com a cara toda inchada. ;)Ah não, só gosto desse tipo de coisa nos filmes e séries, as da vida real me deixam agoniada; não assisto programas do tipo Cidade Alerta, aquele do Datena, mas às vezes ouço, meus pais assistem aquela bagaça. :(
    • Bernardo Bastos Guimarães
      kkkkkk Mas chorar impede de ir à aula no dia seguinte? Nunca deixei de ir, não. Aliás, nunca faltei um único dia de aula; o controle em casa era rígido. A maioria das pessoas no mundo gosta de tragédias, senão essa história não teria sido o sucesso que é. Isso sem falar nas tragédias do dia a dia, que dão o ibope que dão. Mas eu viro o rosto, não vejo essas coisas não.
    • Deise Ferreira
      Também gosto de finais felizes, mas no caso de Romeu e Julieta é uma tragédia de amor linda! A primeira vez que assisti tinha 14 anos, chorei tanto, ainda bem que no outro dia não tinha escola.
    Mostrar comentários
    Back to Top