Minha conta
    Festival de Cannes 2018: Asia Argento faz potente discurso contra Harvey Weinstein na cerimônia de premiação
    Por Laysa Zanetti — 21 de mai. de 2018 às 11:05

    "Harvey Weistein nunca mais será bem-vindo aqui."

    Andreas Rentz/Getty Images

    Asia Argento subiu ao palco durante a cerimônia de premiação do 71º Festival de Cannes neste sábado (19) antes do anúncio do prêmio de melhor atriz, e falou sobre Harvey ser sua "área de caça".

    "Em 1997, eu fui estuprada por Harvey Weinstein aqui em Cannes", relatou. "Eu tinha 21 anos de idade. Este festival era a sua área de caça. Quero fazer uma previsão: Harvey Weistein nunca mais será bem-vindo aqui."

    "Ele viverá em desgraça", continuou, "isolado de uma comunidade cinematográfica que um dia o abraçou e acobertou seus crimes. E mesmo nesta noite, sentados entre vocês, estão aqueles que ainda precisam ser responsabilizados por suas condutas contra mulheres, por comportamentos que não pertencem a esta indústria."

    Asia Argento tem sido uma das vozes mais ativas contra Harvey Weistein desde que o denunciou em outubro do ano passado, junto a dezenas de outras atrizes no artigo publicado por Ronan Farrow.

    "Vocês sabem quem são", continuou em sua declaração. "Mas ainda mais importante, nós sabemos quem vocês são. E não deixaremos vocês saírem impunes por muito tempo."

    Assista abaixo ao discurso de Argento.

    Logo após a cerimônia, quando alegações contra o cineasta francês Luc Besson vieram à tona, a atriz se pronunciou novamente e revelou ao The Hollywood Reporter que sabia do caso há oito meses. 

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    • Bernardo Bastos Guimarães
      A força que ela encontrou agora para fazer essa declaração de público, diante de toda uma platéia, veio da soma de outras forças, de outras mulheres abusadas. Possivelmente ela mesma não deu ouvidos a denúncias que ouviu de outras mulheres antes dela. Precisou sentir na pele para acreditar. A solidariedade que surgiu agora, faltou a todas elas antes, anos antes. Mulheres, mais do que homens, costumam não dar ouvidos a outras mulheres que fazem denúncias do tipo. Mulheres, mais do que homens, costumam chamar as outras de vagabas, mulherzinha, desqualificada, e coisas do gênero. Agora veio essa onda, mas não creio que podemos acreditar que as mulheres mudaram. Mulheres são muito preconceituosas.
    • Alessandra
      Não teria salvado ninguém, pois outras antes dela recorreram à justiça e nada aconteceu. Esse cara foi acobertado por décadas, pois era um homem de muito poder, inclusive político, e tinha uma excelente equipe de advogados. Mesmo hoje, muita gente não acredita nela. A assistente de Weinstein entrou num longo processo contra ele e perdeu. Além disso, teve a sua carreira completamente arruinada e adquiriu uma péssima reputação, difamada pela equipe de imprensa de Weinstein. Outra mulher, uma modelo que entrou numa ação contra ele, acabou desistindo, pois foi feito um tremendo terror midiático contra ela, expondo-a como se ela fosse uma vagabunda e, portanto, tudo havia sido consensual. O advogado que o fez cair, começou a juntar provas e depoimentos de inúmeras mulheres por anos, as quais deram origem ao movimento me too. Asia Argento foi uma das mulheres que teve coragem de falar em público sobre isso, e sofreu também graves consequências, pois não acreditaram nela - ao menos a sociedade machista que nos rodeia. Talvez pareça fácil denunciar alguém, mas temos que analisar o contexto. Nós, mulheres, já somos desacreditadas nessas questões antes mesmo de falar qualquer coisa. Em geral, colocam a culpa na gente, quando algo assim acontece. Isso é histórico. A justiça não funciona pra quem está mais fragilizado, ou pelo menos não funciona de cara. Casos de abuso e violação sexual ocorrem muito mais do que são reportados, pois além de saberem que terão que enfrentar toda uma sociedade que as condena, elas tem que também conseguir superar o trauma que um estupro provoca. Isso também tem que ser considerado. Asia Argento mesmo conta que só conseguiu falar sobre isso a poucos anos atrás com uma amiga, depois que essa amiga lhe contou que havia sido estuprada. É fácil julgar pessoas quando não estamos na pele delas. Mas o que precisamos no momento pra viver em uma sociedade mais justa, é mais empatia. Afinal, ela foi a vítima, e não o contrário.
    • Bernardo Bastos Guimarães
      DEMORÔ!!! Tivesse feito essa denúncia há 20 aos, teria salvado muitas outras mulheres dessa dor. Da mesma forma que, se antes dela, outras o tivessem denunciado, teriam salvado essa aí. No fim das contas, tudo na vida é consequência de nossas escolhas. E elas devem ser bem pensadas.
    Mostrar comentários
    Back to Top