Minha conta
    Este detalhe de Vidas Passadas mostra que a grande injustiça da temporada do Oscar 2024 foi não ter indicado Celine Song a melhor diretor
    Evelyn Souza
    Evelyn Souza
    Conquistada pela cultura pop, Evelyn adora assistir e discursar sobre filmes teens, de todas as gerações, e aqueles que quase ninguém ouviu falar. Além de ser dorameira e tentar usar seu coreano ínfimo em todas as oportunidades.

    Com a direção que seus personagens caminham, Song reforça os temas e o discurso do filme de uma forma tão simples quanto eficaz.

    É claro que as nomeações para o Oscar 2024 foram no mesmo sentido de muitos críticos de cinema, com objeções a algumas indicações propostas pela Academia. Uma das maiores discordâncias tem a ver com um filme que não está tanto na mídia, nem tem tanta notoriedade entre muitos dos seguidores da temporada de premiações.

    Muitos apontam como problemática a forma como Celine Song, diretora de Vidas Passadas, foi deixada de fora da disputa pelo prêmio de Melhor Diretor.

    Além de reivindicar sua sensibilidade, sua sobriedade e sua magnífica direção de atores e, incomum para uma novata no meio, defende-se a ideia de que Song merecia um lugar entre Justine Triet, Martin Scorsese, Christopher Nolan, Yorgos Lanthimos e Jonathan Glazer.

    Essa opinião leva em conta, principalmente, a execução de um momento específico do filme e como a encenação reforça seus temas e discurso. Esse é, especificamente, aquele da sua cena final, então se você ainda não assistiu essa joia, sugiro que guarde esse texto para depois.

    “É uma coisa vivida em meu próprio corpo”: Para diretora Celine Song, o celebrado Vidas Passadas parte de uma perspectiva essencialmente feminina

    O fluxo do tempo

    Past Lives, no original, nos conta a história de Nora (Greta Lee), uma mulher de origem sul-coreana que emigrou para os Estados Unidos com sua família quando tinha cerca de dez anos, deixando para trás seu amor de infância Hae-sung (Yoo Teo), com quem mais tarde se reconectou à distância. Depois de muitos anos, Nora o reencontrará na Big Apple, casada com o marido Arthur (John Magaro).

    Depois de passar uma última noite com Hae-sung, desta vez acompanhada por Arthur, Nora sai de seu apartamento e conduz o visitante para pegar um táxi de volta ao aeroporto por um caminho que percorrem da direita para a esquerda.

    Após uma despedida muito intensa e cheia de dúvidas e tensão contida, Hae-sung entra no táxi e Nora volta para o apartamento chorando inconsolavelmente enquanto refaz seu caminho da esquerda para a direita, seguida a todo momento pela câmera com movimento horizontal.

    A24
    Nora e Hae-sung caminham juntos pelo passado.

    A direção para qual os personagens caminham durante a cena não é de forma alguma uma coincidência, sendo esse detalhe a chave que completa não só o fragmento, mas o longa-metragem em geral, e que faz de seu final uma joia digna de toda reverência. A diretora Celine Song usa o conceito de tempo e a direção de seu fluxo para refletir visualmente as implicações do encerramento.

    Quando desenhamos uma linha do tempo, ela avança da esquerda para a direita. Quanto mais vamos para a direita, mais avançamos no futuro e, inversamente, quanto mais voltamos para a esquerda, mais mergulhamos no passado. Isso é exatamente o que Nora faz no caminho do apartamento para o táxi e do táxi para o apartamento, respectivamente.

    A24
    Nora e Hae-sung permanecem no passado.

    Durante sua caminhada para a esquerda, a protagonista aborda seu passado e os momentos que compartilhou com Hae-sung na Coreia e durante seus bate-papos online, permanecendo naquele tempo e revivendo a experiência juntos durante a longa espera pela chegada do transporte.

    Ao contrário, quando volta para Arthur, à direita, Nora não retorna apenas para casa. A cada passo que dá, além de chegar ao presente, ela mergulha no futuro com o marido, algo que sustenta os temas subjacentes de um Vidas Passadas que vai além das lacunas morais de uma relação tripartida para abordar aspectos como o tempo - o título do filme não é coincidência - e até a mortalidade.

    A24
    Nora refaz seu caminho, agora à direita, entrando em seu futuro com Arthur.

    Tudo isso nos ensina mais uma vez que, praticamente, não há nada ao acaso na hora de escrever, planejar e rodar um filme, e isso inclui detalhes como o eixo em que a câmera é colocada para que os personagens se movam para um lado ou outro da tela.

    Vidas Passadas
    Vidas Passadas
    Data de lançamento 25 de janeiro de 2024 | 1h 46min
    Criador(es): Celine Song
    Com Greta Lee, Yoo Teo, John Magaro
    Usuários
    4,3
    Adorocinema
    4,5
    Assista agora

    Fique por dentro das novidades dos filmes e séries e receba oportunidades exclusivas. Ouça OdeioCinema no Spotify ou em sua plataforma de áudio favorita, participe do nosso Canal no WhatsApp e seja um Adorer de Carteirinha!

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Comentários
    Back to Top