Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    A Ganha-Pão
    Críticas AdoroCinema
    4,5
    Ótimo
    A Ganha-Pão

    Depois do caos

    por Francisco Russo

    Por mais que esteja intrinsecamente associada ao público infantil, a animação não é exclusiva para menores. E não estamos falando dos filmes "para adultos que crianças podem assistir", especialidade maior da Pixar, mas de produções que realmente invistam em temas profundos e reflexivos, que sejam também um espelho da sociedade. A Ganha-Pão, indicado ao Oscar 2018 que chegou ao Brasil diretamente pela Netflix, integra este grupo.

    A Ganha-Pão - Foto

    Dirigido pela britânica Nora Twomey e coproduzido por cinco países, The Breadwinner (no original) é um retrato clínico e desolador acerca da vida no Afeganistão, terra dos talibãs. Mais do que propriamente denunciar suas práticas, este longa protagonizado por mulheres busca compreender como o país chegou ao estágio retratado, em que à mulher cabe procriar e nada mais. O início verborrágico atende este objetivo, resumindo em poucos minutos séculos de lutas onde conquistadores entraram e saíram, à custa do sofrimento da população local. Em meio ao caos, ascendeu o extremismo que condenou às mulheres a soturna e emblemática burka.

    Apenas por este preâmbulo, já é possível discorrer sobre os reflexos do caos e o quanto a ausência de alguma ordem possibilita que absurdos ganhem corpo apenas por serem viáveis. Entretanto, A Ganha-Pão vai além ao rapidamente abandonar o didatismo histórico para representar, no dia a dia, os reflexos de tal política. É quando entra em cena a jovem Parvana.

    Filha de uma escritora e de um professor, Parvana sabe ler e escrever - ao contrário da imensa maioria de suas conterrâneas. É ao seu olhar que toda a narrativa acontece, discorrendo tragédias humanas tão cotidianas que nem são mais combatidas, apenas evitadas - quando possível. É neste ponto que está a imensa tristeza deste longa-metragem: notar, dia após dia, o acúmulo de absurdos que soam absolutamente normais. Da prisão abusiva do pai à negativa das pessoas em vender comida à uma criança desacompanhada, por mais que ela suplique por ajuda, A Ganha-Pão dói, profundamente, por apresentar a face feia de uma sociedade raivosa e disposta a fazer o que for necessário, em nome de uma aparente tranquilidade.

    A Ganha-Pão - Foto

    Nesta profusão de dores, Twomey tenta trazer algum alento a partir de uma trama paralela, lúdica, onde Parvana conta uma história inventada. É interessante notar a dualidade nos traços de animação: a paleta de cores em tons pastel da realidade se converte em algumas (poucas) cores mais vivas, com os personagens ganhando movimentações típicas de fantoche. Entretanto, com o decorrer do filme, mesmo esta válvula de escape entrega um demolidor soco no estômago.

    Dolorosamente real, A Ganha-Pão é daqueles filmes que destroem a alma, mas são necessários pela urgência do que tratam. Da negação da identidade às mulheres ao desespero de uma mãe em defesa do filho, a animação entrega um punhado de situações devastadoras, ao mesmo tempo em que ressalta a necessidade da cultura como resistência ao autoritarismo. Seu único leve revés é um certo excesso na vilanização de um personagem, mas ainda assim compreensível dentro de um contexto mais amplo. Excelente filme, um dos melhores lançados no Brasil em 2018.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top