Minha conta
    Madame
    Críticas AdoroCinema
    2,0
    Fraco
    Madame

    Superficialidade que assusta

    por Lucas Salgado
    Madame é um filme assustador. Não, não estamos diante de um suspense ou terror, mas sim de uma quadrada comédia francesa, com certa pitada de romance e outra de drama. Mas segue assustador, pelo menos em sua superficialidade. Não é incomum se dar de frente com obras ruins, mas mesmo essas não costumam transmitir tão bem o sentimento de tédio e desinteresse. Nada em Madame prende a atenção do espectador, da direção ao elenco, da fotografia à trilha sonora.

    Toni Collette vive a luxuosa Anne, ex-professora de tênis que se casou com Bob (Harvey Keitel), de alta classe social, embora enfrentando problemas financeiros que esconde da família. Determinado dia, ao receber importantes visitas para um jantar, Anne percebe que as cadeiras estão em número ímpar na mesa e decide chamar a humilde governanta Maria (Rossy de Palma) para jantar com o grupo, com a recomendação de que deveria se manter calada. Ao longo do jantar, no entanto, ela acaba se destacando e chamando a atenção de um homem de negócios importante. 


    Maria acaba iniciando uma relação com o sujeito, o que gera revolta e ciúme por parte do luxuoso casal. Ao mesmo tempo, o filho do primeiro casamento Bob começa a se fazer presente na residência, incomodando Anne com se jeito direto e, quase sempre, alcoolizado.

    A personagem Maria é a mais interessante da trama, embora a performance de Rossy seja apenas correta. Collette e Keitel, no entanto, decepcionam, até por serem os nomes mais conhecidos do elenco. Os dois parecem completamente no piloto automático, sem se preocuparem muito com o resultado final, principalmente no caso de Harvey.

    Filmado e produzido na França, Madame é um filme muito menos inteligente do que pretende se mostrar. Na verdade, investe tanto na metalinguagem que acaba se portando como uma figura artificial de fato. Vazio em todos os sentidos, e várias vezes equivocado na abordagem de seus personagens e nas dinâmicas sociais.

    No final de tudo, a verdade é que você não se interessa por nada que possa sair dali, o que torna a experiência bem infeliz.
    Quer ver mais críticas?

    Comentários

    • Gabi Campos
      verdade, a pessoa que escreveu esta crítica deve ser tipo A Madame.
    • M.M.
      Deveria ter um final...
    • M.M.
      O filme tinha tudo para ser ótimo. Entendo a crítica negativa pois compartilho com a decepção causada pelo final extremamente mal-resolvido. Chega a dar raiva a reviravolta dramática forçando o distanciamento do que poderia ser o final feliz óbvio que satisfaria a expectativa que a leveza do filme induz. Decepcionante! (M.M.)
    • Andrea
      Excelente filme. Deveria ter uma continuação.
    • Maria C
      Depois de algum tempo começa a ficar intrigante e então assisti como boa cinéfila...
    • dugabowski
      É uma pena ver dois bons atores, como Keitel e Collette, se prestarem a fazer esse tipo de filme. Mas parece que é uma tendência irreversível, com essa onda de filmes infantilizados. O cinema é uma arte em franca decadência, num futuro muito próximo só teremos filmes-games. A história, o roteiro vai ter cada vez menos importância.
    • Wladimir Ferreira de Santana
      Os comentários não refletem a beleza suave e divertida do filme. São momentos agradáveis em frente a telinha e com boa atuação do elenco.
    • Betty Gaeta
      Concordo com você. Acho que quem fez a crítica assistiua outro fime que nâo o mademe que assistimos.
    • André
      Concordo plenamente. A crítica é que está ruim demais, sem argumento. Totalmente pessoal, sem avaliar realmente o filme. Uma pena que o site publique críticas vazias como essa.
    • leela
      Um filme que é uma enrolação e no final não dá me nada... Tempo perdido....
    • Verônica Rodrigues
      Lendo a crítica, parecia que eu tinha assistido a outro filme. Maria é uma personagem diferente, que prende sua atenção todo o tempo do telespectador. Collette é exatamente o que tinha que ser: fútil, superficial, egoísta a amarga. Keitel, uma figura passiva e sem muita responsabilidade com a verdade. Assim, não consegui entender de verdade todas as críticas negativas em relação ao filme. Espero que outras pessoas tenham uma visão mais otimista do conteúdo do filme, como eu.
    • Gabriel M.
      Odiei essa crítica, a pessoa que escreveu é no mínimo muito amarga.
    Mostrar comentários
    Back to Top