Minha conta
    Detona Ralph
    Média
    4,4
    2483 notas
    Você assistiu Detona Ralph ?

    132 Críticas do usuário

    5
    48 críticas
    4
    48 críticas
    3
    27 críticas
    2
    6 críticas
    1
    2 críticas
    0
    1 crítica
    Pati Lima
    Pati Lima

    Seguir usuário 32 seguidores Ler as 84 críticas

    4,0
    Enviada em 14 de abril de 2013
    Gostei. Filme infantil inteligente. Diversão para a família. Bom relembrar também os jogos de vídeo game... Vale a pena.
    Almir S.
    Almir S.

    Seguir usuário 231 seguidores Ler as 214 críticas

    4,0
    Enviada em 11 de abril de 2013
    MUITO BOM. Achei o filme sensacional, talvez os mais novinhos não tenham gostado muito, pois a maioria dos personagens são de video games da década de 90 e só quem jogou esses jogos, hoje clássicos, sabem o quanto é legal ver esses personagens em filme. Adorei a ídeia da Disney e espero que tenha continuação em breve com mais personagens dos games das antigas.
    Jhonathan C.
    Jhonathan C.

    Seguir usuário 2.658 seguidores Ler as 415 críticas

    3,5
    Enviada em 9 de abril de 2013
    Bom, não vou falar muito da parte técnica, que foi até boa. Pra quem já jogou fliperama ou se amarrou em jogos clássicos, vai adorar, assim como eu. O problema é que essas aparições desses famosos personagens, que deveriam ser muito mais usados, durou só no começo do filme. A história pouco se produziu e ficou muito arrastada. Bom, digamos que até foi bom o enredo, mas o modo em que ele foi usado deixou a animação cansativa e pouco agradante. Porém, Detona Ralph ainda assim nos divertiu, nos levando novamente ao mundo destes jogos.
    Weidson O.
    Weidson O.

    Seguir usuário 4 seguidores Ler a crítica

    5,0
    Enviada em 8 de abril de 2013
    spoiler: O filme infantil Detona Ralph fala de significado do trabalho e mostra a trajetória do personagem que precisa se perder para se encontrar São Paulo - Nos últimos meses, dezenas de milhares de profissionais brasileiros levaram seus filhos, netos e sobrinhos aos cinemas para assistir ao filme Detona Ralph, lançamento infantil da Disney para a temporada de verão. Apesar de destinado às crianças, a história traz uma temática adulta: o trabalho. Mais do que isso, aborda uma faceta contemporânea do tema — a insatisfação com a profissão. O protagonista da animação, Detona Ralph, é um personagem de videogame que cansou de fazer o mesmo trabalho e de ser o vilão do fliperama. “É bom ter emprego fixo no jogo por 30 anos”, diz Ralph, que, ao mesmo tempo, fica triste por não receber nenhum reconhecimento por desempenhar bem seu papel. No jogo em que trabalha, cujo nome é Conserta Felix Jr, Ralph é responsável por destruir um prédio para que Felix, o mocinho, remende. Todos os personagens do jogo parabenizam Felix por isso, ele ganha medalhas e tem festas em sua homenagem. Mas ninguém elogia Ralph. Cansado do trabalho e da falta de reconhecimento, ele decide mudar e buscar sua própria medalha dourada em outros jogos. “Quem nunca passou por isso?”, diz Eneida Reis, coordenadora do curso de orientação profissional e carreira do Instituto Sedes Sapientiae, em São Paulo. Para ela, é no momento do que chama de “revolta generalizada” que se consegue refletir sobre a própria trajetória e dar valor ao que se faz. Durante a aventura, Ralph descobre que é bom na tarefa de “detonar” e entende a importância da sua função para manter o equilíbrio do jogo. Veja como o filme trata a questão profissional. Nascemos programados? O senso comum diz que nos formamos para exercer uma profissão e devemos segui-la pelo resto da vida. No filme, os personagens debatem essa programação. “Não podemos mudar quem somos”, diz Ralph na reunião do grupo de apoio aos vilões anônimos. Ele quer ignorar sua função de detonador para ganhar uma medalha de ouro como herói em outro jogo, executando outra tarefa. Mas descobre que seu talento é mesmo detonar e aceita a atividade “para a qual nasceu”. “Na vida real, não nascemos programados, no entanto, às vezes queremos acreditar que sim. Facilita o dia a dia e dá um pouco mais de sentido a tudo”, afirma Eneida Reis. Obviamente, no mundo real as pessoas são mais complexas e desenvolvem inúmeras competências e valores ao longo da vida. “Por isso, podemos mudar sem deixar de ser quem somos”, diz João Mendes, coaching e consultor de carreira da Vicky Bloch Associados, de São Paulo. Após tentar se reprogramar sem sucesso, Ralph dá outro significado ao trabalho e passa a vê-lo de maneira diferente. Para Eneida, isso demonstra que parte da construção de uma carreira é perceber-se em um cenário de instabilidade, que traz uma nova visão sobre o que se faz. “Às vezes, é preciso olhar para trás e também olhar para si. Dessa maneira, Ralph começa a refletir sobre sua trajetória ocupacional e a construir uma identidade”, diz. Prazer no trabalho O filme também trata da repetição de uma mesma tarefa por muito tempo. Despedaçar um prédio inteiro parece divertido no videogame, mas imagine executar somente essa tarefa, ou qualquer outra, por 30 anos de sua vida. Ralph já não tem prazer nenhum no quebra-quebra e deixa o jogo para trás, como muitas pessoas fazem ou gostariam de fazer com o trabalho. Porém, sem ele a missão dos outros personagens perde o sentido. Perceber o próprio valor faz com que a pessoa passe a amar o que faz e permite aproveitar melhor os momentos em que não está trabalhando. “Há uma falácia de que temos de estar felizes o tempo todo”, diz Eneida Reis. Ela defende que é necessário desconstruir para reconstruir. “Para ter uma carreira em que sejamos felizes, temos mesmo que repensar os caminhos.” Constatar a importância da função individual na sociedade é outra fonte de realização. Mas ninguém faz o que gosta o tempo todo. Nessas horas, é importante ter clareza quanto aos futuros objetivos e entender que é um momento. “Para mudar de ciclo é necessário fazer escolhas baseadas no autoconhecimento”, diz João Mendes. “Mas nenhum trabalho será só bom.” Medalha de ouro “É difícil amar o trabalho quando ninguém parece gostar de você por fazê-lo”, diz Ralph. Para muitas pessoas, é o reconhecimento que garante valor a seus empregos. Quando a tarefa de Ralph passa a ser vista por ele e pelos outros com a importância que ela realmente tem, ele ganha reconhecimento e até a medalha dourada que tanto queria. Se um profissional está infeliz, tem uma grande capacidade de reconhecer as não realizações. Nesses momentos, a orientação profissional ganha o papel de um instrumento de apoio ao projeto pessoal de carreira, de acordo com Eneida Reis. “Às vezes, ter uma pane é necessário para conseguir olhar para si”, diz. Isso obriga a parar, olhar para trás e reconhecer o trabalho. É o momento de pensar no caminho que faz sentido. Mas, se a ponderação e o autoconhecimento forem constantes, você não precisará passar por uma situação assim. “Quando reconhecemos a nós mesmos, os outros também nos reconhecem”, diz Eneida. “Por isso, Ralph se deu a medalha. Ele não precisou receber para tê-la.”
    Victor C.
    Victor C.

    Seguir usuário 13 seguidores Ler as 17 críticas

    2,5
    Enviada em 8 de abril de 2013
    Ai fiquei me perguntando se eu estava ficando velho de mais para ver filmes assim ou se o filme era realmente fraco. Aí me lembrei de A era do Gelo 4, Toy Story 3, A origem dos Guardiões, filmes infantis que vi recentemente e que se não foram os melhores da minha vida (tirando Toy Story que é uma mega obra de arte) ao menos me fizeram rir muito ou me acrescentaram cultura. E Detona Ralf não me deu essa sensação.

    Continue lendo em:
    Michel _.
    Michel _.

    Seguir usuário 10 seguidores Ler as 50 críticas

    4,0
    Enviada em 8 de abril de 2013
    Como na grande maioria as animações de uns anos pra cá vem com uma melhor que a outra... No caso de "detona Ralph", não é diferente. Na minha opinião só não foi melhor por que o filme passa praticamente todo em um cenário de um jogo antigo muito infantil, tendo em vista que o jogo faz bastante alusão aos games dos anos 80' esse publico já esta bem "grandinho" e o filme poderia ser um pouco mais adulto.
    marcelinho1979
    marcelinho1979

    Seguir usuário 1 seguidor Ler as 3 críticas

    5,0
    Enviada em 7 de abril de 2013
    Desenho super divertido tanto para as crianças como para os adultos, principalmente os que viveram a febre dos fliperamas nos anos 80 e 90. Pura nostalgia ver personagens como sonic, pacman, qbex e outros, apesar de serem apenas coadjuvantes na estória. Filme pra ver com toda a família reunida, com certeza!
    Victor N.
    Victor N.

    Seguir usuário 42 seguidores Ler as 104 críticas

    4,0
    Enviada em 24 de julho de 2013
    Foi um bom filme de animação, não excelente, mas deveria ter ganhado o Oscar de melhor animação em 2012.
    Rhainnah B.
    Rhainnah B.

    Seguir usuário Ler as 4 críticas

    5,0
    Enviada em 31 de março de 2013
    Esse filme é muito bom.
    Faz a gente voltar no tempo onde os video games fizeram muito sucesso.
    Também tem alguns personagens que conhece até hoje como Sonic,Mario,Pac-man(que faz sucesso até hoje).
    O filme é muito bom para crianças e também para adultos que lembram dos antigos joguinhos.
    :)
    Ronaldo B.
    Ronaldo B.

    Seguir usuário 351 seguidores Ler as 232 críticas

    3,0
    Enviada em 24 de março de 2013
    É só mais uma animação da Disney, não é uma das melhores e também não é ruim porque a Disney não faz filmes ruins, é apenas mais um pra colocar no curriculo, é legalzinho, mas a Disney tem muitos outros filmes que dão de dez a zero nesse.
    Back to Top