Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Se Fazendo de Morto
    Críticas AdoroCinema
    3,0
    Legal
    Se Fazendo de Morto

    Comédia de mistério

    por Francisco Russo
    Os filmes noir possuem características bem específicas que muito facilitam a identificação: o clima sombrio, o ambiente cínico, a mulher fatal, uma trama policial ou de mistério. Grandes clássicos do cinema foram produzidos seguindo à risca tais regras, como Relíquia Macabra e Pacto de Sangue, mas volta e meia algum cineasta arrisca uma variação no gênero de forma a adicionar elementos novos sem deixar totalmente de lado o formato clássico. É o caso de Jean-Paul Salomé, diretor da comédia noir Se Fazendo de Morto. É exatamente isto que você leu: uma comédia noir.

    Se Fazendo de Morto - FotoDo noir clássico, Se Fazendo de Morto traz o ar de mistério envolvendo não apenas a história, mas também o local bucólico onde acontece. A ideia base é bem espirituosa: um ator que não consegue emprego tendo que aceitar a tarefa de se fazer de morto durante uma investigação policial. O sarcasmo maior vem do fato de que ele ganhou o César de melhor revelação 20 anos atrás e, devido ao ego inflado e escolhas equivocadas, fracassou na carreira – uma cutucada de leve na indústria cinematográfica, no caso, a francesa. A escolha de François Damiens como protagonista, bom ator que nada tem de bonito, ressalta ainda mais o ar ordinário do personagem. É o típico derrotado que tenta sobreviver ao mesmo tempo em que precisa lidar com o orgulho ferido pelo próprio fracasso.

    Diante deste panorama, a chance de mais uma vez sentir-se valorizado surge quando, em meio ao trabalho, Jean Renault (Damiens) resolve “melhorar a cena do crime”. Para tanto usa sua vasta imaginação (e bagagem adquirida graças ao trabalho como ator) para dar pitacos sobre como o assassinato teria acontecido. A investigação pessoal aos poucos conta com a participação de uma juíza que também cuida do caso, que segue o batido clichê dos opostos que se atraem.

    Por mais que traga alguns exageros na história, especialmente quando ela está perto do desfecho e o roteiro passa a buscar possíveis culpados em tudo quanto é canto, Se Fazendo de Morto é um filme que merece atenção. Seja por manipular o noir de forma a adequá-lo à proposta cômica (a iluminação é a mudança mais explícita, pela necessidade de “clarear” o cenário para manter um tom mais leve) ou até mesmo por ver Damiens em um de seus raros papéis como protagonista. É na verdade uma grande brincadeira com o gênero policial, aproveitando seus clichês para construir uma história leve e com direito a citações cinematográficas.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    Mostrar comentários
    Back to Top