Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Estado Zero: Conheça a história real por trás da série da Netflix
    Por Vitória Pratini — 8 de jul. de 2020 às 18:25
    facebook Tweet

    Minissérie é produzida por Cate Blanchett.

    Para quem gosta de produções inspiradas em fatos, a nova pedida é a minissérie Estado Zero, que estreou na Netflix nesta quarta-feira (08). Produzidos por Cate Blanchett, os episódios acompanham quatro personagens envolvidos no sistema de imigração australiano. Que tal conhecer a história real por trás da série? Vem com a gente!

    Estado Zero tem como personagens principais quatro desconhecidos que se encontram em um centro de detenção para imigrantes na Austrália. Entre eles, uma comissária de bordo que está fugindo de um culto, vivida por Yvonne Strahovski. Ela é baseada na alemã-australiana Cornelia Rau.

    Série da Netflix é inspirada na vida de Cornelia Rau
    Netflix
    Personagem de Yvonne Strahovski é inspirada em Cornelia Rau.

    Cornelia Rau era uma residente permanente australiana que foi detida ilegalmente pelo programa de detenção obrigatório do governo australiano. Originalmente da Alemanha, Rau chegou à Austrália em 1967, quando tinha 18 meses. A história da aeromoça Sofie Werner (interpretada por Yvonne Strahovsk) em Estado Zero é vagamente baseada nas experiências de Rau.

    No final dos anos 90, Rau começou a frequentar um culto (ou uma organização proclamada de auto-ajuda) chamada Kenja Communications, fundada pelo casal Ken Dyers e Jan Hamilton, do qual foi expulsa. (O culto é recriado como "GOPA" em Estado Zero, com Cate Blanchett e Dominic West como os assustadores líderes carismáticos).

    Netflix
    Cate Blanchett e Dominic West interpretam líderes de culto em Estado Zero.

    Nos seis anos seguintes, Cornelia foi hospitalizada várias vezes, com diagnósticos que variam de transtorno bipolar a esquizofrenia. Ela teve incidentes de comportamento instável e, às vezes, desapareceu por curtos períodos de tempo, mas geralmente restabelecia o contato com a família.

    Quando o hospital e a família de Cornelia iniciaram o processo que a obrigaria a tomar seu medicamento muito detestado, Cornelia teve alta do hospital e desapareceu. Mas os moradores ficaram preocupados com a segurança dela e ligaram para a polícia.

    Melhores séries para ver na Netflix em julho

    Cornelia se identificou como "Anna" (usando vários sobrenomes alemães) e afirmou ser uma turista de Munique. Sua história não se sustentou, e ela a mudou várias vezes. Apesar de sua clara confusão, a polícia entrou em contato com o DIMIA (Departamento de Imigração e Assuntos Multiculturais e Indígenas) e a deteve como uma "suspeita de ser não-cidadã ilegal".

    Sob essa suposição, ela foi enviada ao Centro Correcional de Mulheres de Brisbane (uma prisão) e detida ao lado de criminosos condenados. Com sua saúde mental se deteriorando, ela ainda se recusava a dizer às autoridades seu verdadeiro nome e identidade. Enquanto isso, circunstâncias sobre sua saúde mental e os fatos estranhos de seu caso foram amplamente ignoradas.

    Netflix

    Por fim, ela foi transferida para uma instalação para "não-cidadãos ilegais" (UNCs) chamada Baxter Detention Center, no interior da Austrália Meridional. A equipe do consulado alemão não conseguiu identificá-la, mas apontou que suas habilidades no idioma alemão eram "parecidas com crianças" e ela provavelmente era na verdade australiana com formação em alemão. E embora a polícia tenha contatado o Departamento de Imigração depois que a família de Cornelia a denunciou como uma pessoa desaparecida, eles não fizeram a conexão.

    Finalmente, em janeiro de 2005, o jornal The Age publicou uma história sobre o caso dessa "mulher misteriosa" no centro de detenção. Na matéria, Pamela Curr, do Centro de Recursos para Requerentes de Asilo de Melbourne, explicou: "Eles [os outros detidos] acreditam que ela é doente mental. Seu comportamento imprevisível e bizarro, falta de comunicação e angústia continuam a preocupá-los. Ela exibe sintomas psicóticos, gritando e conversando às vezes, e grita de terror muitas vezes por longos períodos, especialmente quando trancada na cela."

    Getty Images
    A verdadeira Cornelia Rau.

    Amigos da família Rau viram o artigo e suspeitaram que fosse Cornelia. Nos cinco dias seguintes, Cornelia foi oficialmente identificada e depois transportada de volta ao hospital, onde foi tratada. Segundo a irmã dela, Chris Rau, "Cornelia acabou em detenção devido a uma doença mental. Ela não se lembra dos seus seis meses na prisão de Brisbane e dos quatro meses em Baxter, perto de Port Augusta, na maior parte do tempo (mais de cinco semanas) passado em confinamento solitário."

    Adú: Filme da Netflix é baseado numa história real?

    O Centro de Detenção Barton é um lugar real?
    Netflix

    A resposta correta é não. No entanto, o local foi inspirado em centros de detenção reais na Austrália. Na vida real, Cornelia Rau foi detida no Centro de Processamento e Recepção de Imigração Baxter (não em Barton), administrado por um operador privado chamado GSL Australia (não o Korvo Security Group). Inaugurado em 2002 e fechado em 2007, quando a construção de outro centro de detenção maior o tornou obsoleto. No auge, a Baxter havia abrigado várias centenas de requerentes de asilo e imigrantes. Durante seus cinco anos de operação, o local não ficou isenta de controvérsias, tendo sido alvo de protestos, incidentes criminosos e tumultos.

    A Austrália tem uma política de "detenção obrigatória" de requerentes de asilo, e é nesses centros que muitos acabam ficando enquanto esperam para a determinação de seu destino — um processo que pode levar anos.

    Estado Zero está disponível no catálogo da Netflix.

    facebook Tweet
    Links relacionados
    Pela web
    Comentários
    Mostrar comentários
    Back to Top