Meu AdoroCinema
O Sol É Para Todos
Vídeos Créditos Críticas dos usuários Críticas da imprensa Críticas do AdoroCinema Fotos Filmes Online
Curiosidades Bilheterias Filmes similares Notícias
Média
4,1
88 notas e 11 críticas
36% 4 críticas
45% 5 críticas
9% 1 crítica
9% 1 crítica
0% 0 crítica
0% 0 crítica

11 críticas do leitor

Organizar por
Críticas mais recentes
  • Críticas mais úteis
  • Por usuários que mais publicaram críticas
  • Por usuários com mais seguidores
Arthur P.

Segui-los 0 seguidor Ler as 3 críticas deles

4,5Ótimo
• Atualizado em 15/01/2017

Filme clássico em preto e branco que demonstra a inocência e a realidade do preconceito racial nos estados unidos pelo olhar mágico das crianças. História linda enriquecedora. Atuação brilhante das crianças e o final ainda mais lindo!

tatacjs ..

Segui-los 0 seguidor Ler as 7 críticas deles

3,0Legal
• Atualizado em 18/07/2016

Bom filme. geralmente quando vou ver filmes muito antigos logo me canso e desisto, este me prendeu pelos personagens e trama agradavel.

Eduardo

Segui-los 8 seguidores Ler as 44 críticas deles

4,0Muito bom
• Atualizado em 29/05/2016

Baseado no romance de Harper Lee (vencedor do Pulitzer de 1960), trata-se de uma história real contada pela visão de crianças. O Advogado Atticus Finch (Gregory Peck) é solicitado pelo juiz da cidade de Macomb, no Alabama, para defender o caso de Tom Robinson (Brock Peters), acusado de espancar Mayella Violet Ewell (Collin Wilcox Paxton). O filme tem diversos arcos como a relação pais e filhos, pobreza e riqueza, racismo e preconceito e medo. A história contada pelo vies infantil, com um olhar longe da violência, sem maldades e de respeito traz serenidade e realismo à obra. Assim como Atticus quando em frente à uma situação de risco ou quando confrontado jamais perde seu equilíbrio, ainda mais em frente aos filhos. Há muitas passagens reflexivas como a empregada negra de Atticus que possui autonomia até para corrigir os modos de sua filha. O vizinho tido como perigoso pela comunidade e como mistério infantil. E claro, o excepcional julgamento em que enaltece o trabalho do Diretor com os posicionamento de câmera e expressões corporais que definem o rumo da história. Uma aula de cinema em especial pela atuação formidável dos atores mirins.

Patricia A.

Segui-los 1 seguidor Ler a crítica deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 01/04/2016

Belíssimo filme, um exemplo de Humanidade, sem falar na relação entre irmãos, Pai e filhos, lindo de ver. Vale muito a pena.

Evandro B.

Segui-los 1 seguidor Ler as 8 críticas deles

4,5Ótimo
• Atualizado em 16/02/2016

Muito bom filme! Historia comovente, a lição de vida passada por Atticus no filme é muito importante! Humanidade!!! Filme indispensável!!! Nota 9!

Brenner M.

Segui-los 0 seguidor Ler a crítica deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 25/12/2015

Inicialmente, gostaria de deixar claro que esse é um dos filmes mais brilhantes que já tive a oportunidade de apreciar, sendo assim, torna-se difícil realizar uma crítica que dê enfase em aspectos negativos sobre o filme. Trata-se de um drama voltado para a realidade norte-americana por volta dos anos 60. O filme relata a história do caso Tom Robinson, um jovem negro acusado de estuprar uma branca filha de um fazendeiro na região. Por se passar em uma cidade pequena dos Estados Unidos, as pessoas se conhecem e as notícias se engrandecem rapidamente. Atticus Finch, um advogado local extremamente inteligente e visionário, aceita pegar o caso para defende-lo. Fazendo uma análise jurídica, a proposta surge, creio eu, por falta de Defensores Públicos que possam defender o negro acusado, e claro que advogado algum gostaria de pegar o caso. Após decidir pegar o caso, Atticus passa a ser excluído e criticado por uma sociedade que não admite a equidade entre negros e brancos. Uma das cenas mais chocantes de todo o filme é, sem sombra de dúvidas, quando Atticus toma conhecimento de que os fazendeiros locais, liderado pelo pai da suposta vítima, irão ao local em que Tom Robinson se encontra para executa-lo. Sabendo disso, Atticus pega o seu antigo abajur, um bom livro de Direito (ou a pasta do caso em questão) e vai ao local sentar na porta para que ninguém consiga passar e matar Tom Robinson, impedindo um julgamento digno e justo. O filme em questão torna-se obrigatório para a formação de juízo de qualquer homem racional, e não somente os estudantes ou interessados pelo Direito, pois trás, antes de qualquer matéria jurídica, questionamentos sobre o desenvolvimento racional do homem em relação ao racismo até hoje existente.

Lucas S.

Segui-los 9 seguidores Ler as 158 críticas deles

4,0Muito bom
• Atualizado em 25/12/2015

O filme trata-se de um clássico, pois foi baseado em uma obra literária, ganha mais destaque com a atuação de Peck, fazendo o papel de advogado no qual irá defender um negro acusado de estupro, porém sua reputação fica em cheque pelos preconceitos da comunidade da região. O filme é contado pela visão de sua filha, com seus dramas infantis e de relevância.

Alvaro S.

Segui-los 35 seguidores Ler as 338 críticas deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 10/09/2015

Este drama que trata do preconceito de cor deve ser visto com o coração e com o olhar da época, início da década de 60, quando foi filmado. Há grandiosidade nesta obra, por tratar de um tema tão espinhento, com um ator de prestígio, Gregory Peck (ganhou o Oscar de Melhor Ator por este filme) dando vida a Atticus, um advogado que defende um negro que foi acusado injustamente de estupro por uma mulher branca. É intencional grande parte da ação ser vista como pano de fundo, valorizando mais a relação deste advogado viúvo e seus filhos, Jem de 12 anos e Scout, sua filha de 6 anos, dando grande destaque para a visão destas crianças sobre os acontecimentos. É através do olhar subjetivo delas, ingênuo, que acompanhamos o desenrolar da trama, simples, cruel, sem grandes reviravoltas, mas preciso, competente e atemporal. O personagem de Peck é um homem justo, a frente do seu tempo, exemplo de cidadania e paternidade. Seu discurso de defesa na cena do tribunal é maravilhoso. As crianças, com brilho próprio, são críveis em suas performances, passando a sensação de serem pessoas reais, não atores. A atriz que interpreta a Scout foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz coadjuvante pelo papel. Com um roteiro cheio de nuances, é difícil expô-las todas aqui e não ser extremante dissertativo, e mesmo que o fizesse, ainda sim não seria capaz de fazer justiça ao que vi. Se puderem assistir ao filme, entenderão o que quero dizer. Está disponível no Netflix. Uma coisa é certa, não é um filme a ser esquecido. Curiosidade. Em 2011 foi lançado um documentário sobre o livro que o filme se baseou, chama-se Hey, Boo: Harper Lee & To Kill a Mockingbird. Outra curiosidade. Está em #84º entre os 250 melhores filmes segundo o site IMDB. Nota do público: 8.4 (IMDB) Nota dos críticos: 92%(Rotten Tomatoes)

http://365filmesem365dias.com.br/?p=524

Péricles C.

Segui-los 3 seguidores Ler as 3 críticas deles

5,0Obra-prima
• Atualizado em 08/08/2014

Filme para ser visto com o coração. Até comprei o filme par amostra-lo ao meu filho que tem dez anos e adora o cinema, A cena do tribunal é uma das mais simbólicas que vejo no cinema. Demonstra respeito e dignidade, Não é atoa que Actus, foi declarado o maior herói do cinema, Um agrande lição! E é prase iroso saber que Gregore Peck, como pessoa foi um grande cidadão!

Alfredo M.

Segui-los 9 seguidores Ler a crítica deles

4,0Muito bom
• Atualizado em 11/01/2014

Acredito que este filme atinge adultos e crianças pelo simples fato de ele não ter como cerne o advogado (Atticus - Gregory Peck), ou o réu Tom Robinson... Mas, sim, as crianças (Jem e Scout) que são os filhos de Atticus. Brilhantes suas atuações, bem como a trilha sonora de Elmer Bernstein e, os pontos de viradas (quando você espera algo óbvio, acontece algo inesperado). O título original "To Kill a Mocking bird" (ao pé da letra seria para matar um pássaro zombateiro - sabiá); serve no sentido de nós entendermos como, muitas vezes matamos a vida, a alegria... Algo a ser observado seriamente nesse lindo filme.

Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema
Back to Top