Meu AdoroCinema
    Com Amor, Van Gogh
    Críticas AdoroCinema
    3,5
    Bom
    Com Amor, Van Gogh

    Investigando Van Gogh

    por Francisco Russo
    Poucos filmes representam uma declaração de amor tão intensa a um artista quanto Com Amor, Van Gogh. A começar pela forma como foi conceituado: estreando a técnica da animação a partir de pinturas a óleo, seguindo o mesmo estilo do próprio homenageado. Ou seja, mais do que contar sua história era necessário apresentá-la sob seu ponto de vista tão particular, que fez com que o pintor se tornasse cultuado após sua morte. O resultado, visualmente falando, é deslumbrante.

    Com Amor, Van Gogh - FotoInspirada pelas mais de 400 pinturas que Van Gogh fez ao longo de oito anos, a animação revisita locais e personagens recorrentes de seu portfolio para construir uma investigação que, além de contar a história do pintor, esmiuça o mistério acerca de sua morte. Teria sido mesmo suicídio ou alguém seria o responsável? A resposta é apresentada a partir da viagem de Armand Roulin à cidade francesa de Arles, um ano após o falecimento de Van Gogh, com o objetivo de entregar à sua família uma carta perdida do pintor, endereçada ao irmão, Theo. Cada vez mais obcecado, Roulin inicia então uma investigação pessoal em torno dos conhecidos de Van Gogh para decifrar o que realmente aconteceu.

    Tal narrativa, no fim das contas, serve mais para ambientar como era a vida do pintor, e suas aflições, do que propriamente para desvendar qualquer mistério - cuja insistência torna-se massante, em determinado momento. O grande trunfo do longa-metragem é realmente a técnica de animação empregada, que consegue reproduzir a textura e a beleza das pinceladas de Van Gogh, no sentido de apresentar cenários e objetos cujos traços soam contínuos e permanentemente vivos. Além disto, são várias as referências aos seus quadros, do icônico Noite Estrelada, que serviu de inspiração para o cartaz de Meia Noite Em Paris, aos marcantes corvos, tão presentes na fase final de sua vida. Para quem conhece o acervo deixado pelo pintor, reconhecer na telona tais obras torna-se um deleite, não só visual mas também pela forma como são inseridas na narrativa.

    Com Amor, Van Gogh - FotoTamanho esforço visual foi fruto de um trabalho de anos da equipe liderada pelos diretores Dorota Kobiela e Hugh Welchman, que precisaram adaptar a técnica da pintura a óleo para que pudesse ser aproveitada em uma animação. Ao todo, 125 pintores trabalharam em cerca de 65 mil frames, sendo que os atores que dão voz aos personagens também precisaram servir de modelo para os mesmos. Tal iniciativa fica explícita quando a animação focaliza melhor os rostos dos personagens, sendo possível reconhecer os traços de Saoirse Ronan e de Jerome Flynn, o Bronn da série Game of Thrones. O mesmo acontece com o restante do elenco, com tal esforço sendo ressaltado pouco antes dos créditos finais, em comparações entre os quadros e os atores caracterizados.

    Diante de tamanho esforço em retratar a obra de Van Gogh, a história apresentada fica em segundo plano. A trajetória do pintor, que apenas vendeu uma tela em vida e sobrevivia graças à ajuda do irmão, serve de pano de fundo para a tal investigação acerca de sua morte, que soa mais como desculpa para apresentar os vários personagens que povoaram suas obras. No fim das contas, o porquê de Van Gogh ter morrido torna-se menor do que a arte por ele produzida.

    De imenso impacto visual, Com Amor, Van Gogh é um filme que brilha pela proposta estética implementada, seja pela beleza das imagens ou pelo capricho na técnica de animação empregada. Por mais que sua trama não seja suficiente para sustentar o interesse por 95 minutos, ainda assim é uma experiência cinematográfica que merece ser conferida, especialmente por aqueles que apreciam, e conhecem, a obra do homenageado.

    Filme visto na 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em outubro de 2017.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Caroline Cordeiro
      Eu simplesmente amei o filme que teve minha atenção até o fim, sem bocejo algum.
    • João Miranda
      van gogh esse era de mais, o filme é bem legal e ninguem vai descrever melhor aquelas situações a não ser que vc transporte-se aos anos que ele pintava , as pessoas que o conhecia , historias todos contam mais na real mesmo ninguem sabe oque houve de verdade , oque se sabe era mais a parte ruim dele do que a boa .!
    • Ligia Uliana
      Eu havia acabado de visitar o museu Van Gogh em Amsterdam quando achei esse filme, voltando para o Brasil, no avião. As obras estavam fresquíssimas em minha mente, então foi muito emocionante tê-lo assistido. A trama me empolgou, confesso!
    • Thamie
      Concordo que o filme se torna deslumbrante pelo fato de nos trazer as obras do gênio em forma de animação. Mas a história do filme não me pareceu massante. Eu achei incrível conhecer o jeito inovador como a história de Vincent Van Gogh foi mostrada e considero a nota que os críticos deram inferior ao que realmente esse trabalho maravilhoso tem para nos mostrar.
    • Willy De Lucca
      A historia sem duvida ficou muito bem exposta, não em segundo plano, a prova disso é a emoção que se converte em tristeza passada para o espectador por meio de Van Gogh no filme. O filme em si é uma obra de arte, os mais de 100 pintores fizeram o seu melhor e isso ficou muito bem visível no filme, com tamanhas paisagens deslumbrantes e cenas que seguiam ao máximo o jeito de pintar único de Vincent.
    Mostrar comentários
    Back to Top