Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    As Panteras
    Críticas AdoroCinema
    2,5
    Regular
    As Panteras

    Bom dia, Elizabeth Banks

    por Laysa Zanetti

    Ao longo dos 40 anos de história de As Panteras, entre as duas séries de TV e os filmes dirigidos por McG, a franquia sempre teve mulheres em frente às telas, mas raramente por trás delas. Isso até o momento em que Elizabeth Banks assumiu o posto de diretora, roteirista, produtora e atriz do novo reboot que ninguém necessariamente pediu, mas que consegue, eventualmente, trazer algo de novo com o conforto em que existe entre cenas de ação que não poupam usar corretamente o ambiente e os cenários, e explora abertamente um humor bobo e despretensioso.

    Isso porque, apesar de manter uma premissa semelhante e familiar a todos os que conhecem a história, as Panteras e a dinâmica básica das iterações prévias, o reboot de Elizabeth Banks mantém as aparências para fazer algo que é extremamente próprio com a real história que está sendo contada. O resultado é um filme que vai além, tanto ao expandir o universo e detalhar ou questionar a organização hierárquica da corporação, quanto ao trazer a história para o Século XXI com elegância e agilidade.

    É claro, As Panteras navega nas águas da nova “onda do feminismo” que tomou Hollywood nos últimos anos, e se aproveita disso para assumir um lugar distinto entre todas as outras versões desta história que já chegaram às telas. Mas não deveria se tratar de um filme que precisa o tempo todo lembrar que esta é uma história de mulheres que se aproveitam de uma aparência supostamente ingênua, e de um instinto quase naturalizado do homem de não se sentir ameaçado pelo sexo feminino, para cumprirem suas missões e darem socos em armados e engravatados. No contraponto, é exatamente isso que o filme faz. Em muitos momentos, ele se prende desnecessariamente a uma explicação extremamente didática dos próprios objetivos, ao invés de mostrar de forma prática a que veio — do início ao fim.



    Paralelamente, vale destacar que há uma esperteza no sentido de o longa valorizar justamente as características diferentes de cada uma das três personagens principais, e este talvez seja seu maior ponto forte. Ella Balinska, provavelmente a maior revelação aqui, traz dinamismo e velocidade às cenas de ação que domina praticamente sozinha interpretando Jane; Kristen Stewart está bastante confortável sendo uma espécie de alívio cômico sarcástico como Sabina — o que não chega a ser impressionante para alguém que foi de Crepúsculo a Acima das Nuvens; e Naomi Scott (Aladdin) traz energia à falta de noção e à inocência de Elena, que faz com que a torcida para que ela ganhe suas asas seja quase imediata.

    Apesar de tudo isso, e sendo este o segundo filme de Banks na direção (o primeiro foi A Escolha Perfeita 2), existe uma certa imaturidade no sentido de um alongamento desnecessário no roteiro, com revelações presas em reviravoltas que deixam a desejar no sentido de segurar o espectador dentro da história. A gordura é perceptível quando a trama se estende e acaba se rendendo a articulações que deixam pouco para a imaginação e caem na repetitividade, facilmente evitada se o corte final fosse menos apaixonado pela ideia de levar extremamente a sério o que poderia — e deveria — ser mero artifício para se chegar à ideia de que, no fim das contas, os homens não são naturalmente mais confiáveis ou valiosos que mulheres.

    Justamente por isso, As Panteras é um filme que tenta se inserir de maneira honesta em uma narrativa atual, e acaba conquistando pela interação orgânica entre as três (ou quatro) protagonistas e por uma mensagem que não se coíbe de deixar às claras o poder feminino, mas perde em ritmo por errar a mão em momentos que não chegam a se arriscar o bastante, mostrando apenas brevemente o filme que este poderia ser, mas ainda não é.

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Bruno [FM]
      Uma mulher pode fazer o que ela quiser - Pra quem achou que Kristen Stewart atuava de forma mecânica e igual (independente do papel que fazia), consegue ver o quanto estava enganado sobre ela com esse filme. E não estou falando de feminismo.Em contraponto, achei esse filme inferior ao de 2000. Tanto na química entre as 3 personagens principais, como na elegância típica de um filme de espionagem/ação. Trilha sonora fraquíssima! Sei lá, senti falta de uma pegada meio Smack My Bitch Up talvez. Caracterização dos personagens (tanto dos protagonistas como dos antagonistas) são bem genéricos. E as cenas de luta e ação são mais pé no chão e menos forçadas, mas sem brilho.As unicas coisas que salvam esse filme de não ser ruim, são as atuações (mesmo com um Professor Xavier já meio gagá), o humor no roteiro (mesmo que óbvio muitas vezes), e as belas homenagens aos filmes antigos das Panteras. Fora isso, o resto está bem aquém. Porém, diverte! E só o fato de não ser apenas (mais um) remake, mas se enquadrar mais como uma inesperada sequência, já eleva um pouco o quesito. Parabéns Angels!
    Mostrar comentários
    Back to Top