Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    Para Sempre Alice
    Críticas AdoroCinema
    3,5
    Bom
    Para Sempre Alice

    Para sempre Julianne

    por Renato Hermsdorff

    Julianne Moore ganhou mais de 30 prêmios por sua atuação em Para Sempre Alice – incluindo O Oscar, o Globo de Ouro, o Spirit Award, BAFTA, o SAG e o Hollywood Awards. E o longa-metragem, no entanto, não foi indicado em nenhuma categoria de “melhor filme” na temporada de premiações. O motivo é simples: Still Alice, no original, é um filme de atriz. E que atriz!

    Para Sempre Alice - FotoBaseado no romance homônimo de Lisa Genova, o longa conta a história Alice Howland, uma linguista de sucesso, diagnosticada com Alzheimer aos 50 anos – o que é raro para a idade. E é basicamente disso que se trata a obra (tanto o livro quanto o filme).

    Retrato fiel de uma família classe média alta nova iorquina, cabem na foto a preocupação dos pais com o futuro (genético, inclusive) dos filhos (eles são três, mas é na oposição das filhas de perfil bem distinto, vividas por Kate Bosworth, muito bem, e Kristen Stewart, apenas ok, que o filme ganha um filtro sutil); a impossibilidade de acompanhar a evolução socioeconômica do marido (um registro delicado de Alec Baldwin); e a incapacidade de lecionar plenamente – elementos da ordem das relações humanas, portanto.

    Mas o longa é basicamente a documentação da evolução médica de um quadro clínico. Com exceção de uma cena, em que a protagonista esquece o caminho de volta para casa logo depois de uma corrida, ainda no início do filme, Para Sempre Alice não é lá muito “cinematográfico”. Convencional, o filme dirigido pelos poucos conhecidos Richard Glatzer e Wash Westmoreland (Meus 15 Anos) está longe de ser ruim, mas não traz nenhum elemento de destaque, ou melhor, pelo lado positivo há a interpretação de Moore; e, pesa negativamente uma irritante trilha sonora que, muito presente, força a mão (e os ouvidos), no intuito de orientar – e mesmo antecipar – os sentimentos do espectador. Como se o assunto já não fosse espinhoso demais.

    Para Sempre Alice - FotoCom Moore no centro da tela praticamente durante toda a projeção, o trabalho dela é irrepreensível. Ela consegue dar corpo a um personagem contemporâneo, sem cair em maneirismos. Ao longo de quase duas horas, fica a impressão de que a atriz viveu uma verdadeira maratona, um esforço que chega a ser físico, desde quando aparecem os primeiros intomas até... bom, até onde o filme permite que se acompanhe a personagem.

    Se a atriz não precisava provar nada para ninguém (vide seus trabalhos em As Horas,Longe do Paraíso, Fim de Caso, Boogie Nights - Prazer Sem Limites – todos que lhe renderam indicações ao Oscar), a estatueta foi a consagração por mais uma atuação de alto nível (e não um prêmio de consolação). E, embora não pareça – e daí o êxito –, há um excelente trabalho das equipes de maquiagem e figurino por trás da personagem, o que fica claro quando se contrapõe a imagem da Alice do início dessa barra pesada com a do fim da história.

    Mas, no fim, Julianne Moore é maior do que Alice, ou melhor, do que Para Sempre Alice.

     

    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • Amanda C
      Detalhe: acho que o marido dela tinha algum caso extraconjugal, desistiu muito fácil da mulher, foi triste essa parte. Passou uma vida inteira juntos e de repente se desfez assim tão fácil.
    • Jacquelline Duarte
      O filme foi bom me prendeu, porém o final foi péssimo... tinha de ter mostrado mais como ela ficou até o fim da vida, deveria ter mostrado alguém ( filhos e marido) vendo o vídeo que ela salvou no notebook... mostrar mais a filha com ela, os filhos metendo o pé, o marido tb....
    • Daiane U.
      Adorei o filme,atuação magnífica e um enredo muito bom,só não consegui entender a citação da filha dela na última cena;era uma citação de um livro que ela escreveu ou da Autora Elisabeth ?
    Mostrar comentários
    Back to Top