Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    O Dançarino do Deserto
    Críticas AdoroCinema
    2,0
    Fraco
    O Dançarino do Deserto

    Irã “for dummies”

    por Renato Hermsdorff
    Baseado em uma história real, O Dançarino do Deserto, longa de estreia do jovem inglês Richard Raymond, de 37 anos, é o tipo de filme para inglês – ou norte-americano ver: o diretor deita sobre uma outro cultura (diferente da sua, oprimida, no caso a iraniana) um olhar carregado de compaixão, o que resulta em uma produção demasiado açucarada.

    O Dançarino do Deserto - FotoO filme é centrado na figura de Afshin Ghaffarian (Reece Ritchie), um iraniano cuja maior paixão, dançar, é simplesmente proibida em seu país. Na universidade, ele conhece Ardi (Tom Cullen), um tipo revolucionário que o apresenta aos amigos “das artes” e logo logo eles estão montando uma companhia clandestina de dança. Quando Afshin conhece Elaheh (Freida Pinto), ele descobre que seu país nem sempre foi arredio à sua arte, e a moça o estimula a dar um passo além: se apresentar publicamente, um ato que requer coragem.

    Assim, o filme se constrói metaforicamente amparado em apenas dois tons: o preto “de fora”, das ruas, onde as leis parecem não fazer sentido, a repressão é a ordem, enfim, onde tudo é “ruim”; e o branco “de dentro” de casa, da universidade, do galpão abandonado onde os ensaios acontecem, o “tudo de bom”.

    O Dançarino do Deserto - FotoO tom político mais óbvio acompanha as eleições presidenciais do Irã na qual o candidato moderado Hassan Rohani perdeu para o condenável Mahmoud Ahmadinejad, em uma suspeitíssima contagem de votos. Só que, por mais que as ultraconservadoras posições políticas de Ahmadinejad (que, diga-se, chegou ao poder apoiado pelos Estados Unidos) sejam questionáveis, sobretudo aos olhos do ocidente, o embate no filme, mais uma vez, entra na conta da disputa do bem contra o mal. É o caminho fácil de "bater em cachorro morto".

    Ok, com boa vontade, vamos combinar que se trata, acima de tudo, de uma história pessoal de superação. Mesmo assim, O Dançarino do Deserto, falado em inglês, sapateia nos clichês, sublinhado por uma irritante trilha sonora, para lá de melosa. É claro que o diretor deve ter tido a melhor das intenções com o filme e, se você não busca originalidade, talvez até se emocione ao lado da sua avó – e, verdade seja dita, as cenas de dança são realmente bonitas, bem coreografadas e dirigidas.

    Mas uma análise um pouquinho menos superficial já denota que, embora o filme mire na coletividade, acaba por levantar a bandeira do individualismo, termo tão bem enraizado no ocidente, já que o que interessa a Afshin é poder, ele próprio, se expressar livremente. É o Irã “for dummies” (ou, “para leigos”, em uma tradução “leve”). E, como diria a sua avó sentada ao seu lado, “de boas intenções o inferno está cheio”.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema

    Comentários

    • samira
      Por isso crítica de filme foi feita para não ser lida, com todo respeito. Mas eu, que sou bailarina e estou bastante perto do desmonte que a secretaria de cultura da cidade de São Paulo tem promovido, e acabei de assistir ao filme, posso dizer que essa história é de extrema relevância para: 1) história da dança; 2) entender o papel dos coletivos artísticos dentro de uma estrutura maior que é a dificuldade de se fazer um trabalho que não se trata de superação pessoal mas de dar voz àqueles que sao julgados como vagabundos pelo nosso péssimo secretário de cultura.
    Mostrar comentários
    Back to Top