Meu AdoroCinema
Walt nos Bastidores de Mary Poppins
Vídeos
Créditos
Críticas dos usuários
Críticas da imprensa
Críticas do AdoroCinema
Fotos
Filmes Online
Curiosidades
Bilheterias
Filmes similares
Notícias
Críticas AdoroCinema
3,0
Legal
Walt nos Bastidores de Mary Poppins

Davi e Golias

por Francisco Russo
Nos últimos anos, Hollywood tem se voltado para si mesma, seja através do uso do próprio cinema como elemento importante de suas histórias (O Artista, Argo, A Invenção de Hugo Cabret) ou ao contar os bastidores de grandes obras do passado (Sete Dias com Marilyn, Hitchcock). Em Walt nos Bastidores de Mary Poppins, título nacional auto-explicativo, o foco está no "duelo" travado entre o todo poderoso Walt Disney e a teimosa P.L. Travers, criadora da babá Mary Poppins. O motivo? Dinheiro e autoria.

Walt nos Bastidores de Mary Poppins - FotoO primeiro deles, é claro, fez com que Travers cedesse às constantes investidas de Disney ao longo dos anos. Vivendo problemas financeiros, a autora enfim aceita negociar e, para tanto, viajar de mala e cuia para os Estados Unidos. Oficialmente, para trabalhar junto com a equipe escolhida a dedo por Disney para levar Mary Poppins às telonas. Oficiosamente, para tentar de alguma forma enterrar o projeto, já que a autora detinha o direito de vetá-lo caso discordasse de algo. Diante deste enorme trunfo, Golias precisa se render aos caprichos de Davi. E que caprichos... Travers logo se revela uma pessoa intragável, com tantas exigências que desanimariam qualquer um. Daí nasce o já citado duelo.

Fosse um filme independente, Walt nos Bastidores de Mary Poppins poderia ter ido mais a fundo no lado mais interessante de sua história: o da pressão que um império econômico como o construído por Disney exerce sobre as pessoas. O filme até apresenta sequências neste sentido, como a recepção a Travers em seu quarto de hotel, mas não explora muito o lado capitalista do negócio. Prefere se ater no campo das ideias, da autora tentando proteger a cria da voracidade do "inimigo". Entre aspas porque, em um filme produzido pela própria Walt Disney Pictures, Walt Disney jamais seria considerado um vilão. Não foi à toa que o escolhido para interpretá-lo tenha sido o boa praça Tom Hanks, querido pelo público em geral.

Walt nos Bastidores de Mary Poppins - FotoDiante destas, digamos, condições pré-existentes, o filme acaba entregando ao público menos do que poderia ser. É bem verdade que há várias referências a Mary Poppins, das canções aos detalhes em torno do filme, o que pode agradar aos saudosistas. Entretanto, o didatismo com o qual a história é apresentada é outro problema sério. Com a narrativa mesclando entre passado e presente, o filme segue à risca a cartilha do beabá: Travers reclama de algo na adaptação, lá vem cena no passado para explicar o porquê. Tudo bem objetivo, sem deixar qualquer dúvida e também chato, já que se torna extremamente burocrático com o passar do tempo.

Em meio aos problemas ideológicos e de narrativa, cabe ao elenco prender a atenção do espectador. Especialmente Emma Thompson, muito bem como a ranzinza P.L. Travers. Hanks, por sua vez, adota o estilo bonachão e atua mais como mediador do que como empresário, cumprindo seu papel de forma correta. Quem merece destaque também é Paul Giamatti, em um papel pequeno mas bem construído. É o trio e ainda a curiosidade em torno dos bastidores do cinema que conseguem segurar o filme, por mais que o público tenha também que suportar o lenga-lenga da subtrama no passado e a excessiva duração do longa-metragem.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

  • Yasmin A.

    Como você negligenciou a fotografia desse filme, que é belíssima?!

Mostrar comentários
Back to Top