Meu AdoroCinema
Walt nos Bastidores de Mary Poppins
Críticas AdoroCinema
3,0
Legal
Walt nos Bastidores de Mary Poppins

Davi e Golias

por Francisco Russo
Nos últimos anos, Hollywood tem se voltado para si mesma, seja através do uso do próprio cinema como elemento importante de suas histórias (O Artista, Argo, A Invenção de Hugo Cabret) ou ao contar os bastidores de grandes obras do passado (Sete Dias com Marilyn, Hitchcock). Em Walt nos Bastidores de Mary Poppins, título nacional auto-explicativo, o foco está no "duelo" travado entre o todo poderoso Walt Disney e a teimosa P.L. Travers, criadora da babá Mary Poppins. O motivo? Dinheiro e autoria.

Walt nos Bastidores de Mary Poppins - FotoO primeiro deles, é claro, fez com que Travers cedesse às constantes investidas de Disney ao longo dos anos. Vivendo problemas financeiros, a autora enfim aceita negociar e, para tanto, viajar de mala e cuia para os Estados Unidos. Oficialmente, para trabalhar junto com a equipe escolhida a dedo por Disney para levar Mary Poppins às telonas. Oficiosamente, para tentar de alguma forma enterrar o projeto, já que a autora detinha o direito de vetá-lo caso discordasse de algo. Diante deste enorme trunfo, Golias precisa se render aos caprichos de Davi. E que caprichos... Travers logo se revela uma pessoa intragável, com tantas exigências que desanimariam qualquer um. Daí nasce o já citado duelo.

Fosse um filme independente, Walt nos Bastidores de Mary Poppins poderia ter ido mais a fundo no lado mais interessante de sua história: o da pressão que um império econômico como o construído por Disney exerce sobre as pessoas. O filme até apresenta sequências neste sentido, como a recepção a Travers em seu quarto de hotel, mas não explora muito o lado capitalista do negócio. Prefere se ater no campo das ideias, da autora tentando proteger a cria da voracidade do "inimigo". Entre aspas porque, em um filme produzido pela própria Walt Disney Pictures, Walt Disney jamais seria considerado um vilão. Não foi à toa que o escolhido para interpretá-lo tenha sido o boa praça Tom Hanks, querido pelo público em geral.

Walt nos Bastidores de Mary Poppins - FotoDiante destas, digamos, condições pré-existentes, o filme acaba entregando ao público menos do que poderia ser. É bem verdade que há várias referências a Mary Poppins, das canções aos detalhes em torno do filme, o que pode agradar aos saudosistas. Entretanto, o didatismo com o qual a história é apresentada é outro problema sério. Com a narrativa mesclando entre passado e presente, o filme segue à risca a cartilha do beabá: Travers reclama de algo na adaptação, lá vem cena no passado para explicar o porquê. Tudo bem objetivo, sem deixar qualquer dúvida e também chato, já que se torna extremamente burocrático com o passar do tempo.

Em meio aos problemas ideológicos e de narrativa, cabe ao elenco prender a atenção do espectador. Especialmente Emma Thompson, muito bem como a ranzinza P.L. Travers. Hanks, por sua vez, adota o estilo bonachão e atua mais como mediador do que como empresário, cumprindo seu papel de forma correta. Quem merece destaque também é Paul Giamatti, em um papel pequeno mas bem construído. É o trio e ainda a curiosidade em torno dos bastidores do cinema que conseguem segurar o filme, por mais que o público tenha também que suportar o lenga-lenga da subtrama no passado e a excessiva duração do longa-metragem.
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do AdoroCinema

Comentários

  • Yasmin A.

    Como você negligenciou a fotografia desse filme, que é belíssima?!

Mostrar comentários
Back to Top