Notas dos Filmes
Meu AdoroCinema
    O Irlandês
    Média
    4,2
    509 notas e 92 críticas
    distribuição de 92 críticas por nota
    28 críticas
    29 críticas
    8 críticas
    14 críticas
    5 críticas
    8 críticas
    Você assistiu O Irlandês ?

    92 críticas do leitor

    Jonas Furtado Bittencourt
    Jonas Furtado Bittencourt

    Segui-los 1728 seguidores Ler as 555 críticas deles

    4,0
    Enviada em 13 de janeiro de 2020
    Já não é nenhuma novidade para os fãs do cinema de Martin Scorsese o retrato do crime organizado por uma perspectiva, sim, glamorizada, mas nunca glorificadora. As narrações in-Off, os personagens maiores que a vida, e o olhar frio e desnudado da morte são as principais marcas registradas da carreira do cineasta. Após deixar o gênero criminal de lado para contar outras histórias de seu interesse, agora Scorsese volta a todo vapor em O Irlandês, filme que, apesar de não ser um dos melhores de sua filmografia, talvez seja o mais importante da mesma. Tecnicamente impecável, porém demasiadamente longo(e daquele tipo que você realmente sente a duração), o longa se beneficia imensamente de seu elenco lendário, que conta com nada menos que Robert De Niro e Al Pacino(na sua melhor performance em décadas). A edição da veterana Thelma Shoonmaker até ajuda no cadenciamento das cenas, principalmente no primeiro ato, mas infelizmente a sensação que fica é a de que eles poderiam facilmente ter cortado pelo menos 25 minutos de fita. No terceiro ato, por exemplo, você sente que cada cena está se arrastando desnecessariamente. Todavia, nós temos que aplaudir o fato de um grande cineasta veterano como Martin Scorsese ainda conseguir fazer os seus filmes da forma como quer fazer, pois, para o bem ou para o mal, integridade artística é algo que precisamos preservar. Não é um filme tão aleatoriamente sangrento como outros do diretor, aqui o argumento parece muito mais interessado em examinar os impactos do ato de matar em quem mata, e não somente focar na pura exploração gráfica de quem morre. Joe Pesci retornando de um longo hiato interpretando um personagem completamente fora do padrão de atuação que era até então conhecido, e ele entrega tudo e mais um pouco do que o roteiro pede. Outro destaque do elenco secundário fica por conta de Stephen Graham, o ator britânico quase rouba a cena, se não tivesse a posição ingrata de contracenar com Pacino. Em se tratando de desenvolvimento de personagens, um dos pontos que mais me incomodaram no filme foi a personagem de Ana Paquin, a atriz até que faz um bom trabalho com o tempo de cena que lhe é dado, mas nós nunca conseguimos realmente entrar no drama da relação dela com o pai, mesmo ela se tornando parte integral do arco de Frank, a construção dessa trama paralela não combina muito com outras coisas do filme e soa forçada. Como disse anteriormente, esse pode não ser o melhor filme da carreira do cultuado diretor, na ponta da língua, consigo citar pelo menos sete outros longas que julgo superiores, mas este talvez seja o mais importante de toda sua carreira. The Irishman é o retrato de uma cultura perene, esvaziada, e sem maiores impactos na sociedade de hoje. É a reminiscência de um estilo de cinema que basicamente não existe mais, é o ''farewell'' de titãs. É a meditação destas quatro figuras excepcionais(Scorsese, De Niro, Pacino, e Pesci) sobre a mortalidade e o legado que deixamos para os nossos filhos e os filhos deles. Este é o testemunho final de grandes artistas para o mundo, que carrega algumas lições, recados, mas, principalmente, avisos.
    Eduardo D
    Eduardo D

    Segui-los 17 seguidores Ler as 62 críticas deles

    5,0
    Enviada em 20 de novembro de 2019
    Baseado no livro de Charles Brandt, que trata da história real de Frank Sheeran, O Irlandês é uma grande obra-prima de Martin Scorsese e, principalmente, uma homenagem a três grandes atores que marcaram época: Al Pacino, Joe Pesci e Robert De Niro. Um tributo o qual pode render um Oscar a cada um devido à incrível performance destes senhores. A grandiosidade desse encontro com um nível tão elevado de interpretação é possível graças à esplêndida direção de Martin Scorsese. É um trabalho de excelência, focado em passar a melhor experiência em tela ao espectador. Para isso, Scorsese preenche os 210 minutos mostrando toda a riqueza cinematográfica cabível em suas mãos. O design de produção e a fotografia são perfeitos. Já os diálogos densos, cômicos e dramáticos, geram momentos em que o silêncio constrange, em que um gaguejar entrega o espírito de um homem nas suas maiores culpas. Joe Pesci parece ter recebido um agrado do Diretor devido aos serviços prestados atuando com personagens explosivos como em Os Bons Companheiros (1990) e em Cassino (1995). Como Russell Bufalino, ele transborda em talento ao fazer um mafioso respeitado, perspicaz, calmo e que busca na intermediação entre o Chefe e os demais o império da ordem nos negócios. Sua fala suave e pausada lembram um senhor querido e amável. Ele admira Frank Sheeran (Robert De Niro) pela família que tem e isso, de certa forma, os une muito, apesar de Peggy Sheeran (Anna Paquin), desde criança, sentir pouca empatia por ele. Robert De Niro e Joe Pesci novamente juntos Al Pacino interpreta Jimmy Hoffa, um líder sindical do setor caminhoneiro o qual mostra todo seu poder e influência entre sindicalistas e políticos. Idealista, Pacino dá show. Intransigente e teimoso, a relação com a perda de poderes e perseguições políticas faz dele um homem emocional que parece sempre estar a ponto de explodir. A relação com opositores o move como louco, uma vez amedrontado pela perda de poder. A fixação em ser pontual em encontros e reuniões são um incremento cômico ímpar e deixa Al Pacino à vontade em cena. O que os dois personagens acima têm em comum mesmo vivendo em realidades tão distintas? A amizade com Frank Sheeran, o Irlandês. Íntima, próxima e que os une como um elo eterno. Quem diria que um dia Robert De Niro seria subordinado a Joe Pesci? Pois aqui, Scorsese faz essa troca”. Sheeran é o ponto fora da curva: caminhoneiro, entrega carnes para frigoríficos. Ao extraviar parte da carga para um restaurante, conhece Russell Bufalino e, posteriormente, Jimmy Hoffa. Ele é uma pessoa prática. Mantém a família sem necessidades graças ao trabalho. E trabalho solicitado ao Irlandês é trabalho cumprido, sem hesitações. Assim, estabelece confiança e respeito no triângulo formado. De Niro é o fio condutor da história, inclusive pela narração em primeira pessoa (instrumento sempre utilizado com maestria por Scorsese). É sem sombra de dúvidas o melhor trabalho do ator na década. Tão bom, tão impactante, que é inimaginável não receber premiações no circuito cinematográfico. O acerto de Scorsese é contar uma história sem preocupação com tempo. O foco é fazer com que o espectador entenda e sinta como se formou esse elo de confiança entre os dois personagens com Frank Sheeran. Óbvio, isso leva tempo de projeção, mas é feito magnificamente. Temos duas pessoas completamente diferentes e que passam desejos e vontades específicas a Sheeran. Este administra tudo muito bem com sua personalidade solícita. Mas quando o trabalho interfere na amizade, ou o contrário, isso tende a ter um efeito como uma avalanche, um terremoto. E quando ocorre, o espectador vai ao chão, tamanho é o impacto na história. Reflexo do poder de construção da narrativa e montagem da obra. Al Pacino faz aqui o contraponto ao personagem de De Niro O Irlandês foge do estereótipo glamouroso dos mafiosos visto em outros filmes de Scorsese. Da mesma forma, não utiliza trilha e nem cortes para acelerar o ritmo. É um filme sóbrio, seco. Ver alguém morrendo é escutar em cheio o estampido da arma. A morte é um elemento, não um momento performático. Por isso, a obra é centrada nos diálogos constantes e no relacionamento humano. O pão e o vinho são os símbolos de uma era. O começo, o meio e o fim. E no fim, todo homem carrega nas costas sua história e seus dilemas. E o Diretor, corajoso, retrata tal momento sem ser piegas e cair em chavões. Um homem que vive errante não buscará uma redenção. Ele conviverá e sofrerá com ela e da forma que a idade avançada permite. A polêmica tecnologia de rejuvenescimento utilizada pelo Diretor pode gerar algum debate relacionado à qualidade e perda de expressão facial. Mas ela é funcional, assim como, a caracterização dos personagens em idade avançada. Logo, é uma ferramenta que mais acrescenta à trama do que prejudica. Lembrando, não é um elemento chave, apenas uma causa de estranhamento. Há um fato histórico adicionado surpreendente à trama, relevante ao personagem de Jimmy Hoffa, e que adentra à podridão política da família Kennedy assim como as motivações obscuras de invadir Cuba e tirar o “tal de Castro de lá”. O Irlandês foi pensado e montado visando seu final. É denso e humano. Enseja um misto de sentimentos conflitantes no espectador. Abala certezas e crenças, questiona o homem e suas escolhas e espanta pela cruel realidade da solidão e do esquecimento. O simbolismo de um anel ou de uma porta entreaberta são meras interpretações frente à certeza de Scorsese. Esse não precisa provar mais nada, está na galeria dos maiores.
    Yanko Rodrigues
    Yanko Rodrigues

    Segui-los 126 seguidores Ler as 249 críticas deles

    4,0
    Enviada em 2 de dezembro de 2019
    Com certeza já virou um clássico do cinema, o Irlandês se trata de um filme de despedida, que durante sua vida várias pessoas que você conhece vai morrer, isso é muito interessante pq é uma coisa que vc sabe que vai acontecer, mas vc nunca para parar pensar. Não é o melhor filme do Scorsese, mas todos os filmes dele é alto nível, e esse também é. O filme tem 3 horas e meia de duração, isso acaba sendo muito cansativo, que bom que é da Netflix pq acaba não sendo um problema.
    Silvana D.
    Silvana D.

    Segui-los 1 seguidor Ler as 3 críticas deles

    2,0
    Enviada em 2 de dezembro de 2019
    Com exceção do grande elenco, o filme não empolgou, é muito longo, monótono e cansativo, tanto é que dormi várias vezes. Nem dá pra comparar com Os Bons Companheiros. Foi a primeira e única vez... Sempre digo, o filme quando me agrada gosto de assistir mais vezes de tempos em tempos.
    Vinícius Pereira
    Vinícius Pereira

    Segui-los 1 seguidor Ler a crítica deles

    0,5
    Enviada em 2 de dezembro de 2019
    Não sei como alguém gostou desse filme, estava super entusiasmado para assistir, mais estou muito decepcionado. Muito ruim
    Lucas M.
    Lucas M.

    Segui-los 3 seguidores Ler as 24 críticas deles

    2,0
    Enviada em 24 de dezembro de 2019
    Olha, sinceramente pra mim, eu não curti o filme, achei lento, maçante e chato, teve momentos que me prendeu, mas demorei quase três dias pra terminar de ver, parava e continuava pois me entediava e o filme seguia em macha lenta, sem falar que reparei em um erro bizarro de continuidade na tentativa de matar a personagem do al pacino. São lendas vivas, adoro esses atores, mas realmente não curti.
    Alan David
    Alan David

    Segui-los 10057 seguidores Ler as 685 críticas deles

    5,0
    Enviada em 17 de novembro de 2019
    O Irlandês é um filme do mais alto nível, quase perfeito ou, melhor, perfeito para além de suas eventuais imperfeições. Para ler completo, acesse: http://www.parsageeks.com.br/2019/11/critica-cinema-o-irlandes.html
    Antonio Carvalho
    Antonio Carvalho

    Segui-los 1 seguidor Ler a crítica deles

    1,0
    Enviada em 23 de novembro de 2019
    Filme que para ser ruim precisa melhorar muito.... Filme maçante, e repetitivo, elenco muito bom. Eu não recomendo
    Vitor C
    Vitor C

    Segui-los 1 seguidor Ler a crítica deles

    1,0
    Enviada em 14 de janeiro de 2020
    Mais um filme clichê de máfia nos EUA, com Al Paccino e De Niro fazendo as mesmas caras que sempre fazem nos filmes de máfia. Clichê e ruim. Decepcionante. Não chega aos pés do Coringa...perde em todos os aspectos...
    Breno Araujo Lopes
    Breno Araujo Lopes

    Segui-los Ler a crítica deles

    3,0
    Enviada em 28 de novembro de 2019
    Tudo está lá, mas decepciona. O elenco está excelente com o primor da atuação, a direção e a fotografia não faltam a nenhum momento e a gente entende o conceito de cinema arte de Scorsese. Não sou entendedor de assuntos técnicos, mas os cortes da edição do filme e a sonoplastia chamam a atenção pelo excelente nível. Dá para entender quando Scorsese diferencia a forma que ele faz cinema e o cinema de grande público. Toda via, o filme é mais promissor que envolvente, não impressiona no roteiro e deixa a sensação de "só isso?". Se já viu filmes de máfia, do Scorsese inclusive, você já viu 90% de Irishman, is toques históricos não devem impressionar e aqueles que alegam uma nova pegada devem estar deslumbrados. É um filme do Scorsese que não está ao nível do próprio.
    Quer ver mais críticas?
    • As últimas críticas do AdoroCinema
    Back to Top